Sete maravilhas do mundo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Sete maravilhas do mundo (desambiguação).
Cronologia e mapa das Sete Maravilhas. As datas em verde e vermelho escuros são de sua construção e destruição, respectivamente (em inglês).

As sete maravilhas do mundo antigo são uma famosa lista de majestosas obras artísticas e arquitetônicas erguidas durante a Antiguidade Clássica, cuja origem atribui-se a um pequeno poema do poeta grego Antípatro de Sídon.[1] Das sete maravilhas, a única que resiste até hoje praticamente intacta é a Pirâmide de Quéops, construída há quase cinco mil anos. É interessante que na Grécia se encontrava apenas a estátua de Zeus em Olímpia, construída em ouro e marfim com 12 metros de altura. A ideia que se tem dela vem das moedas de Elis (atual Élida) onde foi cunhada a figura da estátua de Zeus. Ao contrário do que muitos pensam, é apenas a Pirâmide de Quéops (e não todas as três grandes Pirâmides de Gizé) que faz parte da lista original das Sete Maravilhas do Mundo.

História[editar | editar código-fonte]

A conquista grega de grande parte do mundo ocidental conhecido no século IV a.C. deu aos viajantes helenísticos acesso às civilizações dos egípcios, persas e babilônios.[2] Impressionados e cativados pelos marcos e maravilhas das várias terras, esses viajantes começaram a listar o que viram para se lembrar deles.[3][4]

Em vez de "maravilhas", os antigos gregos falavam de theamata (θεάματα), que significa "vistas", ou seja, "coisas a serem vistas" (Τὰ ἑπτὰ θεάματα τῆς οἰκουμένης [γῆς] Tà heptà theámata tēs oikoumenēs [gēs]). Mais tarde, a palavra para "maravilha" ("thaumata" θαύματα, "maravilhas") passou a ser usada.[5] Assim, a lista foi concebida para ser a contrapartida de um guia de viagem do Mundo Antigo.[2]

A primeira referência a uma lista de sete tais monumentos foi dada por Diodoro Sículo.[6][7] O epigramista Antípatro de Sídon[8] que viveu em torno ou antes de 100 a.C.,[9] criou uma lista de sete destes monumentos, incluindo seis dos da lista atual (substituindo os Muros da Babilônia pelo Farol de Alexandria):[10]

Outro observador do século II aC, que afirmou ser o matemático Filão de Bizâncio,[11] escreveu um breve relato intitulado As Sete Vistas do Mundo. No entanto, um manuscrito incompleto sobrevivente apenas cobriu seis dos sete lugares, que concordaram com a lista de Antípatro.[4]

Ao contrário do que muitos pensam, é apenas a Grande Pirâmide de Gizé (e não todas as três grandes Pirâmides de Gizé) que faz parte da lista original das Sete Maravilhas do Mundo e a única que ainda está de pé.[1]

Maravilhas do mundo antigo[editar | editar código-fonte]

Nome Data da construção Construtores Data da destruição Causa da destruição Localização moderna Imagem
Grande Pirâmide de Gizé 2584 – 2561 a.C. Egípcios Ainda existe, mas a maior parte do revestimento foi saqueada Necrópole de Gizé, Egito
29° 58′ N 31° 08′ E
Piramida Cheopsa.jpg
Jardins Suspensos da Babilônia
(existência incerta)[12]

c. 600 BC (evident)

Babilônios ou assírios Após o século I Desconhecida Hillah ou Nineveh, Iraque
32.5355° N′ 44.4275 E° 00′ {{{6}}}
Hanging Gardens of Babylon.jpg
Templo de Ártemis

c. 550 a.C.; e de novo em 323 a.C.

Gregos, lídios 356 a.C. (por Heróstrato)
262 (pelos godos)
Incendiado por Heróstrato, saqueado pelos godos Perto de Selçuk, Turquia
37° 56′ N 27° 21′ E
Miniaturk 009.jpg
Estátua de Zeus em Olímpia 466 – 456 a.C. (templo)
435 a.C. (estátua)
Gregos séculos V – VI Desmontada e remontada em Constantinopla; depois destruída por um incêndio Olímpia, Grécia
37° 38′ N 21° 37′ E
Le Jupiter Olympien ou l'art de la sculpture antique.jpg
Mausoléu de Halicarnasso 351 BC Gregos[13][14] e persas séculos XII – XV Sismos Bodrum, Turquia
37.0379° N′ 27.4241 E° type:landmark_source:dewiki′ {{{6}}}
Mausoleum of Halicarnassus by Ferdinand Knab (1886).png
Colosso de Rodes 292 – 280 a.C. Gregos 226 a.C. Sismo em 226 a.C. Rodes, Grécia
36° 27′ N 28° 13′ E
Coloso de Rodas..jpg
Farol de Alexandria

c. 280 a.C.

Gregos, egípcios ptolomaicos 1303 – 1480 Sismo em 1303 Alexandria, Egito
31° 12′ N 29° 53′ E
PHAROS2013-3000x2250.jpg

Outras listas[editar | editar código-fonte]

Mundo medieval[editar | editar código-fonte]

Existem diversas listas sobre as "(sete) maravilhas do mundo medieval". Mas é pouco provável que estas listas tenham surgido nessa época, porque a palavra "medieval" foi introduzida na época do iluminismo e o conceito da Idade Média tornou-se popular só a partir do século XVI. O dicionário Brewer's Dictionary of Phrase & Fable sugere tratá-las como listas desenvolvidas após a Idade Média.[15]

Muitas das estruturas contidas nestas listas foram construídas antes da Idade Média, mas eram bem conhecidas.[16] As listas levam nomes como "Maravilhas da Idade Média" (implicando nenhuma limitação específica para sete), "Sete Maravilhas da Idade Média", "Patrimônio Medieval" e outras denominações. Os representantes mais comuns das sete maravilhas da Idade Média são: Stonehenge; Coliseu de Roma; Catacumbas de Kom el Shoqafa; Torre de Porcelana de Nanquim; Muralha da China; Torre de Pisa e Basílica de Santa Sofia.[16] Porém, existem listas adicionando ainda mais itens, como por exemplo a Abadia de Cluny[17] e o Taj Mahal[18]

Mundo moderno[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sete maravilhas do mundo moderno

As novas sete maravilhas do mundo foi uma revisão de caráter informal e recreativo da lista original das sete maravilhas, idealizada por uma organização suíça chamada New Open World Corporation (NOWC). A seleção foi feita mundialmente por votos pela internet gratuitos e ligações telefônicas. Os vencedores foram: Necrópole de Gizé (título honorário); Grande Muralha da China; Petra; Coliseu; Chichen Itza; Machu Picchu; Taj Mahal e Cristo Redentor.[19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Clayton, Peter; Martin J. Price The Seven Wonders of the Ancient World Routledge 1990 ISBN 978-0415050364 p. 4 [1]
  2. a b «The Seven Wonders of the Ancient World». Consultado em 14 de setembro de 2009 
  3. «History of the Past: World History» 
  4. a b Paul Lunde (Maio–Junho de 1980). «The Seven Wonders». Saudi Aramco World. Consultado em 12 de setembro de 2009 
  5. Clayton, Peter; Martin J. Price (1990). The Seven Wonders of the Ancient World. [S.l.]: Routledge. p. 4. ISBN 978-0-415-05036-4 
  6. Diodorus Siculus. Bibliotheca Historica, Books I-V. 2.11.5: Perseus Project, Tufts University 
  7. Clayton, Peter A.; Price, Martin. The Seven Wonders of the Ancient World (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 158. ISBN 9781136748097. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  8. Greek Anthology, Volume III. Book 9, chapter 58: Perseus Project, Tufts University 
  9. Biographical Dictionary Volume III (em inglês). [S.l.]: Society for the Diffusion of Useful Knowledge. p. 48. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  10. Clayton, Peter A.; Price, Martin. The Seven Wonders of the Ancient World (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 10. ISBN 9781136748103. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  11. The New Encyclopædia Britannica Micropædia Volume 10. USA: Encyclopædia Britannica, Inc. 1995. p. 666. ISBN 0-85229-605-3 
  12. There is some conjecture as to whether the Hanging Gardens actually existed, or were purely legendary (see Finkel, Irving (1988) “The Hanging Gardens of Babylon,” In The Seven Wonders of the Ancient World, Edited by Peter Clayton and Martin Price, Routledge, New York, pp. 38 ff. ISBN 0-415-05036-7).
  13. Kostof, Spiro (1985). A History of Architecture. Oxford: Oxford University Press. p. 9. ISBN 0-19-503473-2 
  14. Gloag, John (1969) [1958]. Guide to Western Architecture Revised ed. [S.l.]: The Hamlyn Publishing Group. p. 362 
  15. I H Evans (revisor), Brewer's Dictionary of Phrase and Fable (Centenary edition, 4. edição (corrigido); Londres: Cassell, 1975), pág. 1163
  16. a b Hereward Carrington (1880-1958), "The Seven Wonders of the World: ancient, medieval and modern", reeditado na coleção Carington Collection (2003) ISBN 0-7661-4378-3, pág. 14.
  17. Enciclopédia Católica, v.16 (1913), pág. 74
  18. Palpa, as You Like it, pág. 67)
  19. «New 7 Wonders». New 7 Wonders. Consultado em 14 de março de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]