Seven (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Se7en
Se7en: Os Sete Pecados Mortais (PRT)
Se7en: Os Sete Crimes Capitais (BRA)
 Estados Unidos
1995 •  cor •  127 min 
Direção David Fincher
Produção Arnold Kopelson
Phyllis Carlyle
Roteiro Andrew Kevin Walker
Elenco Brad Pitt
Morgan Freeman
Gwyneth Paltrow
Kevin Spacey
John C. McGinley
Género suspense
crime
Música Howard Shore
Cinematografia Darius Khondji
Edição Richard Francis-Bruce
Lançamento Estados Unidos 22 de setembro de 1995
Brasil 15 de dezembro de 1995[1]
Portugal 2 de fevereiro de 1996
Idioma inglês
Orçamento US$ 30 milhões
Receita US$ 327.311.859

Seven [também grafado Se7en]: Os Sete Pecados Mortais (português europeu) ou Os Sete Crimes Capitais (português brasileiro) é um filme estadunidense, lançado em setembro de 1995, estrelado por Brad Pitt e Morgan Freeman e um dos mais importantes da filmografia do seu diretor David Fincher.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme conta a história de dois policias — o jovem e impetuoso David Mills (Brad Pitt), que passou cinco anos na divisão de homicídios, e o maduro, culto e prestes a reformar-se William "Smiley" Somerset (Morgan Freeman) — que são encarregados de uma perigosa e intrigante investigação: um serial killer que baseia os seus assassinatos nos sete pecados capitais.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O Detetive Tenente William Somerset, prestes a se aposentar, é parceiro do detetive mal-humorado, mas idealista, David Mills, que recentemente se mudou para uma grande cidade sem nome com sua esposa Tracy. Depois de fazer amizade com Somerset, Tracy confidencia a ele que está grávida e ainda não contou a Mills, pois está infeliz com a cidade e sente que não há lugar para criar um filho. Somerset se solidariza, tendo tido uma situação semelhante com sua ex-namorada muitos anos antes, e a aconselha a contar a Mills apenas se ela planeja manter a criança.

Somerset e Mills investigam uma série de assassinatos inspirados nos sete pecados capitais: um homem obeso mórbido forçado a comer até que seu estômago estourasse, representando a gula, e um advogado de defesa criminal morto após ser forçado a cortar um quilo de carne de si mesmo, representando ganância. Pistas das cenas de assassinato os levam ao apartamento de um suspeito, onde encontram uma terceira vítima, um traficante de drogas e molestador de crianças, amarrado a uma cama, emaciado e quase morto, representando uma preguiça. A terceira vítima está em estado crítico e incapaz de responder ao questionamento de Somerset e Mills. Fotografias diárias da vítima, tiradas ao longo de um ano, mostram que os crimes foram planejados com bastante antecedência.

Os detetives usam registros da biblioteca para identificar um John Doe e rastreá-lo até seu apartamento. Doe foge e Mills dá a perseguição, durante a qual Mills cai de uma escada de incêndio e machuca seu braço. Mills revistou um caminhão antes de ser atingido na cabeça com uma chave de roda. Enquanto Mills está incapacitado, Doe se aproxima e o mantém sob a mira de uma arma por um momento antes de escapar. O apartamento contém centenas de cadernos que revelam a psicopatia de Doe, bem como uma pista para outro assassinato. Os detetives chegam tarde demais para impedir um homem forçado por Doe sob a mira de uma arma a matar uma prostituta estuprando-a com uma cinta feita sob medida, representando luxúria. No dia seguinte, eles comparecem à cena de uma quinta vítima, uma modelo cujo rosto foi mutilado por Doe; ela teve a opção de pedir ajuda e viver desfigurada ou cometer suicídio tomando pílulas, representando orgulho.

Enquanto Somerset e Mills voltam para a delegacia, Doe se entrega, coberto com o sangue de uma vítima não identificada. Doe se oferece para levar os detetives às duas últimas vítimas e confessar os assassinatos, mas apenas em termos específicos, ou alegará insanidade. Somerset está desconfiado, mas Mills concorda.

As instruções de Doe levam os detetives a um local deserto remoto e, em poucos minutos, uma van de entrega se aproxima. Mills mantém Doe sob a mira de uma arma enquanto Somerset intercepta o motorista, que diz que foi instruído a trazer uma caixa para eles. Doe começa a insultar Mills, dizendo-lhe como ele tinha inveja de sua vida com Tracy. Somerset abre a caixa e, em pânico repentino, avisa Mills para ficar para trás. Doe afirma que seu pecado foi inveja, e Tracy morreu como resultado. Goading Mills, ele revela que Tracy implorou por sua vida e a de seu bebê, expressando surpresa e alegria ao perceber que Mills não sabia que ela estava grávida. Apesar dos avisos de Somerset, Mills atira fatalmente em Doe, representando a ira, e completando o plano de Doe. Somerset e o capitão da polícia assistem enquanto o devastado Mills é levado embora, e Somerset oferece ajuda a Mills. Quando o capitão pergunta onde ele estará, Somerset responde: "Por aí".

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Seven foi um trabalho importantíssimo na filmografia de David Fincher. Impulsionando o seu sucesso através da participação de um ator acarinhado pelo público, Brad Pitt, Seven permitiu a Fincher alcançar a desejada fama.

Neste trabalho Fincher assume as funções de director dando a todo o filme características identificativas do artista.

Fincher apresenta um trabalho muito aclamado no que diz respeito à conjugação dos vários elementos essenciais ao sucesso do filme, luz, som, tipografia etc.

A luz é trabalhada de uma forma exemplar por Fincher sendo através da mesma que o artista identifica o protagonismo a dar às várias personagens. De modo a vincar tal característica Fincher é também caracterizado pelo uso arriscado, mas eficaz de vários planos.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Se7en teve recepção geralmente favorável por parte da crítica especializada. Em base de 20 avaliações profissionais, alcançou metascore de 65% no Metacritic. Por votos dos usuários do site, atinge uma nota de 8,4 usada para avaliar a recepção do público.[2]

Prémios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Vencedor do "MTV Movie Awards" de Melhor Filme, Melhor Vilão (Kevin Spacey) e de O Homem Mais Desejável para Brad Pitt.

Nomeações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «"Seven" choca pela violência dissimulada». Folha de S.Paulo. 15 de dezembro de 1995. Consultado em 4 de março de 2018 
  2. «Se7en» (em inglês). Metacritic. Consultado em 18 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]