Shéridan Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Shéridan
Deputada Federal por Roraima
Período 1º de fevereiro de 2015
até a atualidade
Secretária da Promoção Humana e Desenvolvimento de Roraima
Período 11 de dezembro de 2007
até 4 de abril de 2014
Governador José de Anchieta Júnior
Primeira-dama de Roraima
Período 11 de dezembro de 2007 até
até 4 de abril de de 2014
Governador José de Anchieta Júnior
Dados pessoais
Nascimento 11 de abril de 1984 (35 anos)
Boa Vista, Roraima, Brasil
Alma mater Faculdade Cathedral
Partido PSDB
Profissão Psicóloga

Shéridan Esterfany Oliveira de Anchieta (Boa Vista, 11 de abril de 1984)[1] é uma psicóloga e política brasileira, deputada federal por Roraima e uma das vice-presidentes da Executiva Nacional do PSDB.[2]

Ex-esposa de José de Anchieta Júnior, foi primeira-dama de Roraima, período em que também foi Secretária da Promoção Humana e Desenvolvimento do Estado. Em 2014, foi eleita deputada federal com a maior votação de seu Estado.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Formou-se em psicologia[4] em 2010.

Foi casada com o ex-governador José de Anchieta Júnior de 2004 a 2015.[5] Aos dezesseis anos, teve sua primeira filha, Júlia, fruto de um relacionamento anterior, e em 2007,[5] deu à luz Lara, de seu casamento com Anchieta.[6]

Início da carreira política[editar | editar código-fonte]

Shéridan discursando em março de 2015.

Em 2005, foi nomeada assessora chefe de comunicação da Câmara Municipal de Boa Vista.[7] No ano seguinte, atuou na Coordenadoria de Comunicação do Governo do Estado de Roraima.[7]

Em 2007, Anchieta Júnior assumiu o cargo de governador de Roraima após a morte de Ottomar Pinto, e Shéridan se tornou primeira-dama do estado de Roraima. Durante o mandato de seu marido como governador de Roraima, Shéridan foi secretária de Estado da Promoção Humana e Desenvolvimento.[8]

Deputada federal[editar | editar código-fonte]

Em 2014, candidatou-se a deputada federal pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) de Roraima, tendo sido eleita com 35.555 votos, a maior votação proporcional do país.[9] Na Câmara Federal, foi a vice-líder do PSDB entre março de 2015 e abril de 2016 e foi a primeira mulher a votar favoravelmente ao impeachment de Dilma Rousseff.[10]

Em 2015, Shéridan se manifestou favoravelmente ao projeto de Eduardo Cunha que dificultaria a prática de aborto legal em casos de estupro, proposta repudiada pela maioria da bancada feminina do Congresso.[11] No ano seguinte, passou a integrar a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, chegando a sua presidência em 2017.[10] Apesar de sua defesa dos direitos da mulher,[12] Shéridan não se declara feminista.[13]

Em 2016, relatou projeto de lei (PL 4508/16)[14] que autorizava a pastagem de animais em área de reserva legal, condicionada a aprovação de plano de manejo sustentável.[15] Áreas de Reserva Legal são áreas de proteção da vegetação nativa presentes em todo imóvel rural, com a finalidade de "auxiliar a conservação e a reabilitação dos processos ecológicos e promover a conservação da biodiversidade, bem como o abrigo e a proteção de fauna silvestre e da flora nativa."[16]

Ainda em 2016, Shéridan respondia juntamente com seu ex-marido a duas ações por improbidade administrativa, que tramitam no Tribunal de Justiça de Roraima.[5] Em uma dessas, iniciada em fevereiro daquele ano, a Justiça de Roraima determinou o bloqueio de cerca de quarenta mil reais de José de Anchieta, dela e do ex-secretário da Casa Militar de Roraima, Edison Prola. O bloqueio foi feito a pedido do Ministério Público do estado, que acusava os ex-gestores de usarem, em 2010, o avião do governo para transportar o funkeiro MC Sapão do Rio de Janeiro até Boa Vista para se apresentar no aniversário de Shéridan.[4][17]

Em dezembro de 2016, ela foi acusada de ter agredido uma estudante em um restaurante em Manaus, acompanhada de seu noivo, o deputado federal Artur Bisneto.[18] Neste mesmo ano, votou a favor do processo de impeachment da presidente Dilma, que respondia por crime de responsabilidade.[19]

Em abril de 2017, votou pela aprovação da Reforma Trabalhista.[20] Shéridan não compareceu à sessão de votação aberta em plenário a respeito do arquivamento da denúncia de corrupção do presidente Michel Temer, beneficiando-o.[21]

Em agosto de 2017, foi relatora de um dos projetos relacionados a Reforma Política,[22] pauta aprovada no mesmo ano.[23] No mesmo mês, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[24]

Em 7 de novembro de 2017, Shéridan foi denunciada por Raquel Dodge ao STF por compra de votos. Foi a primeira denúncia do mandato de Raquel Dodge. Segundo a denúncia da Procuradora-Geral da República, corroborada por áudios gravados por eleitores e depoimentos colhidos, Shéridan teria oferecidos vantagens para moradores de Boa Vista votarem em seu ex-marido em 2010, então em campanha para reeleição para governador de Roraima.[25]

Em outubro de 2018, Shéridan foi reeleita deputada federal pelo PSDB com 12.129 votos.[26]

Referências

  1. Góis, Fábio (16 de fevereiro de 2015). «Ex-primeira-dama rejeita rótulo de 'deputada musa'». Congresso em Foco. Consultado em 13 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2017 
  2. «"Nossa indignação e coragem vão mudar o Brasil", diz Alckmin ao assumir o PSDB». Partido da Social Democracia Brasileira. 10 de dezembro de 2017. Consultado em 10 de dezembro de 2017 
  3. «Shéridan é a deputada federal mais votada do país proporcionalmente». PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira. 8 de outubro de 2014 
  4. a b «Primeira mulher a votar pelo impeachment de Dilma, deputada Shéridan é musa no Congresso e nas redes sociais». Extra. 17 de abril de 2016. Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 21 de abril de 2016 
  5. a b c Carvalho, Luiz Maklouf (22 de maio de 2016). «Ela é bela, investigada e oposição ao Planalto - Política - Estadão». O Estado de S. Paulo. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  6. Hollanda, Eduardo (27 de março de 2016). «Belezas no planalto central». Brasileiros. Arquivado do original em 3 de julho de 2015  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  7. a b «Deputada Shéridan». Shirley Rodrigues. Consultado em 2 de maio de 2016. Arquivado do original em 14 de setembro de 2016  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  8. Sardinha, Edson (7 de outubro de 2014). «Parentes de políticos e policiais são os campeões de votos». Congresso Em Foco. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  9. Marques, Marcelo (8 de outubro de 2014). «Deputada eleita em Roraima tem maior votação proporcional do país». G1. Consultado em 18 de abril de 2016 
  10. a b «Shéridan - PSDB/RR». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  11. Alegretti, Laís (18 de novembro de 2015). «Maioria das deputadas se diz contra projeto de Cunha sobre aborto». G1. Consultado em 22 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 19 de novembro de 2015 
  12. Peron, Isadora; Araújo, Carla (23 de outubro de 2017). «Desunião em bancada de mulheres paralisa pauta da causa feminista». Estadão. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  13. Maia, Gustavo (28 de agosto de 2017). «Alvo de machismo, relatora diz não ser possível reforma política ideal - Notícias - Política». UOL. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  14. «PL 4508/2016». Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  15. «Comissão aprova pastagem em reserva legal com manejo sustentável». Câmara dos Deputados do Brasil. 25 de novembro de 2016. Consultado em 22 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2017 
  16. «L12651». Brasil. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  17. «MP acusa ex-governador e mulher de custear viagem de funkeiro a Boa Vista». G1. 29 de fevereiro de 2016. Consultado em 13 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2017 
  18. «Estudante acusa deputada roraimense de agressão em restaurante de Manaus | Manaus». A Crítica. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  19. «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer. Consultado em janeiro de 2018» 
  20. «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Carta Capital. 27 de abril de 2017. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  21. «Deputada é chamada de gostosa durante votação de denúncia contra Temer». UOL. 2 de agosto de 2017. Consultado em 13 de dezembro de 2017 
  22. Benites, Afonso (23 de agosto de 2017). «Entrevista | "Nossa pauta não pode ser só delação e Lava Jato. Há meses ninguém discute o Brasil"». EL PAÍS. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  23. «Reforma política: o que muda e o que continuará igual para as eleições de 2018». BBC Brasil. 7 de outubro de 2017. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  24. G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  25. «Dodge denuncia ao STF relatora da reforma política». JOTA. 7 de novembro de 2017. Consultado em 7 de novembro de 2017 
  26. «Shéridan». Gazeta do Povo. Outubro de 2018. Consultado em 19 de dezembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]