Shūdō

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um tipo de shudō encontrado, entre um jovem e um samurai mais velho. Do "Conto do Shudō" (衆道物語) 1661.

Shūdō (衆道, shudō?) é uma tradição de atos homossexuais estruturada por idade e centrada na pederastia, prevalente na sociedade samurai no período medieval até o fim do século XIX. A palavra é abreviação de wakashudō (若衆道), "O caminho do jovem" ou mais precisamente, "O caminho da juventude" (若 waka) homens (衆 shū). O "dō" (道) é relacionado com a letra chinesa tao, considerada ser o caminho para o despertar. O parceiro mais velho na relação é conhecido como nenja (念者), e o mais novo como wakashū (若衆).

Origens[editar | editar código-fonte]

Embora o termo shudo apareça primeiro no século XVII, foi precedido na tradição homossexual japonesa por relacionamentos amoroso entre bonzos e seus ajudantes, que eram conhecidos como chigo. De acordo com uma crença popular do Japão, o relacionamento entre homens e garotos teria sido introduzido nos mosteiros do país por Kukai, fundador da seita (Shingon), grupo do budismo esotérico japonês. Historiadores entretanto, consideram a lenda como historicamente inacurada e tardia, pois Kukai era entusiástico seguidor dos preceitos monásticos.[1][2] Apesar da atribuição do shudo a Kūkai, suas reais raízes no Japão podem ser traçadas em alguns textos japoneses mais antigos, como na história do século VIII "Kojiki" (?事記) e o "Nihon Shoki" (?本書紀).

Aspectos culturais[editar | editar código-fonte]

Shudo(Pederastia japonesa): o jovem entretem o mais velho amante, cobrindo seus olhos enquanto beija secretamente sua serviçal.

Os ensinamento do shudo, "O Caminho para a Juventude", entrou na tradição literária e pode ser encontrada em trabalhos como Hagakure (葉隠), "Oculto pelas folhas", e outros manuais de samurai. Shudo em seu aspecto pedagógico, marcial e aristocrático é estreitamente análogo à tradição grega antiga da pederastia.

A prática foi mantida na alta estima, e estimulada, especialmente dentro da classe samurai. Foi considerada benéfico para a juventude, ensinando virtude, honestidade e a avaliação da beleza. O seu valor foi contrastado com o amor de mulheres, que foi culpado de efeminar homens.

A maior parte da literatura histórica e ficcionais do período, louvou a beleza e o valor de meninos fiéis a shudo. O historiador moderno Jun'ichi Iwata redigiu uma lista de 457 tais títulos desde os séculos XVII e XVIII somente, considerou "um corpo da pedagogia erótica." (Watanabe e Iwata, 1989).

Com a ascensão de poder e influência da classe mercante, os aspectos da prática de shudo foram adotados pelas classes medianas, e a expressão "homoerótico" no Japão começou a associar-se mais estreitamente com a viagem de atores kabuki conhecidos como tobiko (飛子), "Meninos voadores", que brilhavam como as prostitutas.

No período Edo (1600-1868), os atores kabuki (conhecido como onnagata quando desempenhavam papéis femininos) muitas vezes trabalhavam como prostitutas nos bastidores. Os Kagema foram prostitutas masculinas que trabalhavam em bordéis especializados chamados "kagemajaya" (?陰間茶屋: casas de chá kagema). Tanto o kagema como os atores kabuki foram muito buscados depois com a sofisticação dos tempos, quem muitas vezes praticava danshoku/nanshoku, ou o amor masculino.

Começando com a restauração Meiji e a ascensão da influência Ocidental, os valores cristãos começaram a influir na cultura, levando a um declínio rápido de práticas homoeróticas sancionadas até o final dos anos 1800.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • IHARA Saikaku (Paul Gordon Schalow, trans.). O grande espelho do amor masculino. Stanford University Press, 1990.
  • Leupp, Gary. Male Colors: A construção da homossexualidade em Tokugawa Japão. University of California Press, 1997.
  • Pflugfelder, Gregory. Cartografias do Desejo: Sexualidade homem com homem no discurso japonês., 1600-1950. University of California Press, 2000.
  • Watanabe, Tsuneo and Jun'ichi Iwata, O amor do Samurai: il anos de homossexualidade japonesa. GMP, London, 1989 ISBN 0-85449-115-5
  • (em francês) Tsuneo Watanabe e Jun'ichi Iwata, La Voie des Éphèbes : Histoire et Histoires des homosexualités au Japon. Éditions Trismégiste, 1987, ISBN 2-86509-024-8.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Cabezón, pp. 215–217
  • Faure, Bernard (1998). The Red Thread: Buddhist approches to sexuality p. 209