Shūji Terayama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Shūji Terayama
Nascimento 10 de dezembro de 1935
Hirosaki, Prefeitura de Aomori
Nacionalidade Japonês
Morte 4 de maio de 1983 (47 anos)
Tóquio
Ocupação Poeta, dramaturgo, escritor, diretor de filmes, fotógrafo
IMDb: (inglês)

Shūji Terayama (寺山 修司, Terayama Shūji?, 10 de dezembro de 1935 – 4 de maio de 1983) foi um poeta, dramaturgo, escritor, diretor de filmes e fotógrafo vanguardista japonês. Muitos críticos[1] o consideram um dos artistas mais produtivos e provocativos a sair do Japão. Ele foi citado como influência por muitos cineastas japoneses dos anos 1970 em diante.[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

Suas obras são bastante reconhecida pelas suas grandes doses de experimentalismo.

Peças[editar | editar código-fonte]

  • La Marie-Vision / Kegawa no Marie (1967)
  • Joguem Fora Seus Livros e Saiam às Ruas / Sho o Suteyo, Machi e Deyō (1968)
  • The Crime of Dr. Gali-gari / Gali-gari Hakase no Hanzai (1969)
  • The Man-powered Plane (1970)
  • Jashumon (1971)
  • Run, Melos / Hashire Melos (1972)
  • The Opium War / Ahen Senso (1972)
  • Knock (1975)
  • Note to a Blind Man / Ekibyo Ryuko-ki (1975)
  • The Ship of Fools / Aho-bune (1976)
  • The Miraculous Mandarin / Chugoku no Fushigina Yakunin (1977)
  • Directions to Servants / Nuhikun (1978)
  • Lemmings to the End of the World / Lemmings - Sekai no Hate Made Tsurettete (1979)

Contos de ficção[editar | editar código-fonte]

Colecionados em: The Crimson Thread of Abandon

Roteiros[editar | editar código-fonte]

  • Haha-tachi (1967), dirigido por Toshio Matsumoto
  • Buraikan (1970), dirigido por Masahiro Shinoda
  • Third Base (1978), dirigido por Yōichi Higashi

Curtas[editar | editar código-fonte]

  • Catology (1960) (perdido[3])
  • Ori (1964)
  • Tomato Kecchappu Kôtei (1971, versão curta)
  • Janken Sensō (1971)
  • Rolla (1974)
  • Chōfuku-ki (1974)
  • Seishōnen no Tame no Eiga Nyūmon (1974)
  • Meikyū-tan (1975)
  • Hōsō-tan (1975)
  • Der Prozess (1975)
  • Marudororu no Uta (1977)
  • Keshigomu (1977)
  • Nitō-onna – Kage no Eiga (1977)
  • Shokenki (1977)
  • Issunbōshi o Kijutsusuru Kokoromi (1977)

Filmes[editar | editar código-fonte]

Fotografia[editar | editar código-fonte]

  • Photothèque imaginaire de Shuji Terayama - Les Gens de la famille Chien-Dieu (1975)

Referências

  1. Leia o livro de Sorgenfrei (em particular, a capa traseira contém uma coleção de menções glorificando Terayama).
  2. Nishimura, Robert (6 de dezembro de 2011). «THREE REASONS FOR CRITERION CONSIDERATION: Shuji Terayama's PASTORAL, TO DIE FOR THE COUNTRY (1974)». IndieWire. Consultado em 22 de março de 2017. 
  3. Richie, Donald. Through the Terayama looking glass, The Japan Times (January 7, 2007), online version.
  4. Graeme Harper, Rob Stone (2007). The Unsilvered Screen: Surrealism on Film. [S.l.]: Wallflower Press. p. 137. ISBN 190476486X 
  5. «Sho O Suteyo, Machi E Deyo on AllMovie Sho O Suteyo, Machi E Deyo (1971)». AllMovie. Consultado em 3 de janeiro de 2014. 

Leia mais[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]