Shangdu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Sítio de Xanadu *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

John-Speed-The-Kingdome-of-China-1626-2544.jpg
Mapa de 1626 com Xanadu
País  China
Tipo Cultural
Critérios i, ii, iii
Referência 1389
Região** Ásia e Oceania
Coordenadas 33° 02' 26.3" S 71° 37' 40.8" E
Histórico de inscrição
Inscrição 2012  (36ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Xanadu, Zanadu ou Shangdu (em chinês: 上都, pinyin: Shàngdū, literalmente 'Capital de Cima' ) era a capital de verão do Império Mongol de Kublai Khan, império que chegou a ocupar grande parte da Ásia. Achados arqueológicos concluíram que a cidade estava situada na atual província da Mongólia Interior, na China. A cidade era dividida em três: a «cidade exterior», a«cidade interior» e o palácio, onde Kublai Khan permanecia durante o verão. Acredita-se que o Palácio de Xanadu era parte da Cidade Proibida, em Pequim. Os restos atuais mais visíveis são as muralhas em terra bem como a plataforma circular de azulejos no centro da cidade interior.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Shangdu estava localizada no que se conhece hoje por Mongólia Interior, distante 350 km ao norte de Pequim e cerca de 28 km ao noroeste da atual cidade de Duolun. A disposição da capital era aproximademente um quadrado com lados de 2.200 m; consistia em uma 'cidade exterior' e uma 'cidade interior' no sudeste da capital a qual também era de formato quadrangular com lados de aproximadamente 1.400 m, e o palácio, onde Kublai Khan permanecia durante o verão. O palácio tinha lados de aproximadamente 550 m, cobrindo uma área de cerca de 40% do tamanho da Cidade Proibida em Pequim. Os resquícios mais visíveis atualmente são as paredes terrosas, embora também haja uma plataforma circular de tijolos no centro do gabinete interno.

A cidade, originalmente chamada de Kaiping (开平, Kāipíng), foi projetada pelo arquiteto chinês Liu Bingzhong entre 1252 e 1256[1], sendo implementado por Liu um 'esquema profundamente chinês' para a arquitetura da cidade.[2] Em 1264, foi renomeada para Shangdu. Em seu apogeu, mais de 100.000 pessoas viveram entre suas paredes. A cidade foi ocupada em 1369 pelo exército Ming e incendiada. O último cã reinante, Toghun Temür, fugiu da cidade, a qual permaneceu abandonada por centenas de anos.[3]

Os cãs mongóis abriram o império a viajantes ocidentais, permitindo a alguns exploradores, como o veneziano Marco Polo (que a visitou em 1275) falar sobre as maravilhas do Oriente aos europeus.

Xanadu converteu-se em uma metáfora de opulência, graças ao poema Kubla Khan de Samuel Taylor Coleridge:

In Xanadu did Kubla Khan Em Xanadú por decreto de Kublai Khan
A stately pleasure-dome decree; Uma grande cúpula se construía;
Where Alph, the sacred river, ran De onde Alef, o rio sagrado, corria
Through caverns measureless to man Através de cavernas desmedidas para o homem
Down to a sunless sea. Jazia um mar sem sol.

UNESCO[editar | editar código-fonte]

A UNESCO inscreveu o Sítio de Xanadu como Patrimônio Mundial por "mostrar os vestígios da legendária capital de Kublai Khan...assimilar as culturas Mongol nômade e Han chinesa"[4]

Referências

  1. «Yuan Dynasty». Princeton University Art Museum 
  2. Steinhardt, Nancy Shatzman. Chinese imperial city planning. [S.l.]: University of Hawaii Press. 153 páginas. ISBN 0-8248-2196-3 
  3. Man, John. Kublai Khan: From Xanadu to Superpower. Londres: Bantam Books. pp. 104–119. ISBN 9780553817188 
  4. Site of Xanadu. UNESCO World Heritage Centre - World Heritage List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês ; em espanhol. Páginas visitadas em 05/12/2013.