Shazam (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Shazam
Álbum de estúdio de The Move
Lançamento Fevereiro de 1970
Gênero(s) Rock, Rock sinfônico, Rock psicodélico
Duração 39:13
Gravadora(s) UK Regal Zonophone
USA A&M
Produção Roy Wood, Carl Wayne, Rick Price, Gerald Chevin
Cronologia de The Move
"Something Else from The Move" (1968)
Looking On (1970)

Shazam é o segundo álbum da banda britânica The Move, lançado no Reino Unido em fevereiro de 1970. O LP marcou a mudança de estilos da banda, que passou para um rock mais experimental e menos pop. Foi o último álbum a ter o vocalista principal do grupo, Carl Wayne.

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Como o álbum de estreia do Led Zeppelin, "Shazam" era basicamente um trecho do estágio do grupo de Birmingham em 1969, capturado em vinil. Uma mistura crocante da psicodelia da Califórnia, riffs de heavy metal, tambores trovejantes e citações de compositores clássicos, o disco foi geralmente elogiado pela crítica - "Rolling Stone" fez uma revisão brilhante na primavera daquele ano, e é geralmente considerado como o melhor álbum da banda.

A banda passou a maior parte de 1969 no circuito de cabaré, na Inglaterra, para o deleite do vocalista Carl Wayne e para o desgosto de Roy Wood, guitarrista e compositor. Quando o grupo finalmente excursionou pelos Estados Unidos no outono, eles soltaram seus cabelos e acionaram o volume.

Assim, "Shazam" é um clássico de personalidade dividida, álbum de um dos lados de originais, outra, de uma luta com dupla personalidade musical. Wayne escolheu algumas das canções no Lado B, como a balada 'Beautiful Daughter'.

Faixas como 'Hello Susie' e 'Don't Make My Baby Blue', por sua vez, com seus riffs distorcidos e tambor, não teria soado fora de lugar no álbum de estréia do Black Sabbath. "Susie" já tinha sido um sucesso para a Amen Corner, embora sua versão mais rápida, mais pop-oriented era muito diferente do movimento de heavy metal da época. 'Cherry Blossom Clinic Revisited' foi uma variação de 'Cherry Blossom Clinic', uma faixa do álbum de estréia da banda, tirada em um ritmo mais lento, o primeiro verso timidamente falado por Wayne, gravados sem cordas ou metais, e interpolando um medley de músicas clássicas, incluindo obras de Bach e Tchaikovsky, interpretado nas guitarras.

Enquanto o baterista Bev Bevan considera este como seu álbum favorito da The Move, es memórias de Roy Wood eram mais agridoces. 1969 tinha sido uma montanha-russa para a banda. O single 'Blackberry Way' não havia alcançado o hit nº1 no Reino Unido para abrir o ano, o baixista Trevor Burton saiu pouco depois. A turnê americana no início de 1969 foi cancelada por causa da partida de Burton. Quando isso finalmente aconteceu no final daquele ano, foi um fracasso financeiro e logístico, porque de planejamento malfeito, a banda basicamente tinha a corrida em todo o país de carro, em um U-Haul, para fazer poucas datas. Wood e Wayne sempre tinham personalidades e temperamentos diferentes, mas a relação foi se desgastando rapidamente. As duas dinâmicas forças criativas da banda entravam em conflito frequentemente e Wood queria abrir um novo projeto com Jeff Lynne e montar uma banda que misturaria rock com música clássica (que mais tarde, o projeto se originou na Electric Light Orchestra)

Carl Wayne acabou deixando a banda um pouco antes do álbum ser lançado.

Apesar de não ter sido um sucesso comercial no Reino Unido, foi ofuscado pelo single 'Brontosaurus', que estreou duas semanas depois de "Shazam", trazendo vários fãs para a banda, com sua guitarra rouca e distorcida. Ele também provou ser um modelo de estilo para as bandas de sucesso dos anos 70, como Cheap Trick e Kiss. Em 1990, uma banda chamada The Shazam foi fundada, com o nome inspirado neste álbum.

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "Hello Susie" (Roy Wood) – 4:55
  2. "Beautiful Daughter" (Wood) – 2:36
  3. "Cherry Blossom Clinic Revisited" (Wood) – 7:40
  4. "Fields Of People" (Day/Pierson) – 10:09
  5. "Don't Make My Baby Blue" (Barry Mann/Cynthia Weil) – 6:18
  6. "The Last Thing on My Mind" (Tom Paxton) – 7:35

Faixas bônus de 1998[editar | editar código-fonte]

7. "So You Want to Be a Rock 'n' Roll Star" [Ao vivo]
8. "Stephanie Knows Who" [Ao vivo]
9. "Something Else" [Ao vivo]
10. "It'll Be Me" [Ao vivo]
11. "Sunshine Help Me" [Ao vivo]
12. "Piece of My Heart"
13. "Too Much in Love"
14. "(Your Love Keeps Lifting Me) Higher and Higher" [Ao vivo]
15. "Sunshine Help Me" [sem cortes]

Faixas bônus de 2007[editar | editar código-fonte]

7. "This Time Tomorrow" (Dave Morgan)
8. "A Certain Something" (Morgan)
9. "Curly" (Mix alternativo) (Wood)
10. "Wild Tiger Woman" (Mix stereo) (Wood)
11. "Omnibus" [Versão completa] (Wood)
12. "Something" [Demo version] (Morgan)
13. "This Time Tomorrow" [Versão demo] (Morgan)
14. "Blackberry Way" (Mix alternativo) (Wood)

Participação[editar | editar código-fonte]