Sheffield United Football Club

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sheffield United
Sheffield United FC.png
Nome Sheffield United Football Club
Alcunhas The Blades, Magos Vermelhos
Principal rival Sheffield Wednesday
Fundação 22 de março de 1889 (130 anos)
Estádio Bramall Lane
Capacidade 39.859
Presidente Inglaterra Kevin McCabe
Treinador Inglaterra Chris Wilder
Patrocinador Inglaterra Ramsdens Currency
Material (d)esportivo Alemanha Adidas
Competição Premier League
Website [1]
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

O Sheffield United é um tradicional clube de futebol da Inglaterra, fundado em 1889.

Com sede na cidade de Sheffield, o clube de futebol foi formado através de um ramo do Sheffield United Cricket Club e é apelidado de The Blades, devido à história da sua cidade com a produção de aço. O clube joga os seus jogos com mando de campo no Bramall Lane desde a sua formação em 1889, estádio com capacidade para receber 32.702 pessoas. Atualmente disputa a Premier League, correspondente à primeira divisão do Campeonato Inglês.

História[editar | editar código-fonte]

O Sheffield United foi fundado em 22 de março de 1889 no Hotel Adelphi, Sheffield (agora o Crucible Theatre) pelo presidente do Cricket Club, Sir Charles Clegg. O Wednesday mudou-se da Bramall Lane para o seu próprio terreno em Olive Grove, depois de uma disputa sobre os ingressos e os inquilinos da Bramall Lane precisavam criar uma nova equipe para gerar renda. Sir Charles Clegg foi, aliás, também presidente do Sheffield Wednesday.

Sem dúvida, o auge dos Blades foi o período de 30 anos de 1895-1925, quando foram campeões da Inglaterra em 1897-98 e vive-campeão em 1896-97 e 1899-00,além de vencedores da FA Cup em 1899, 1902, 1915 e 1925, vice em 1901, e também onze anos após a vitória final da copa em 1936.

A equipe em 28 de setembro de 1895 antes de jogo contra o Stoke City.

O Sheffield United concedeu o terceiro gol na final da Copa FA de 1901 contra o Tottenham Hotspur no Burnden Park em Bolton.

Seus dias mais sombrios vieram entre 1975 e 1981. Depois de terminar em sexto na Primeira Divisão no final da temporada 1974-75, foi relegado para a Segunda Divisão na temporada seguinte e três anos depois desse recuo, caiu para a Terceira Divisão. O clube chegou ao "fundo do poço" em 1981, quando foi relegado para a Quarta Divisão, mas foi campeões em sua primeira temporada na divisão mais baixa da liga e dois anos depois ganhou a promoção para a Segunda Divisão.

Voltou para a Terceira Divisão em 1988, mas o novo gerente Dave Bassett planejou um rápido avivamento que lançou o clube para uma das eras mais bem sucedidas de sua história. Promoções sucessivas no rescaldo do rebaixamento de 1988 os viram retornar à Primeira Divisão em 1990 após um exílio de 14 anos. Eles sobreviveram neste nível por quatro temporadas (sendo membros fundadores da nova FA Premier League em 1992, depois de terem alcançado o nono lugar na última temporada da antiga Primeira Divisão) e chegou a uma semifinal da FA Cup na temporada 1992-93 antes de ser relegado em 1994.

O Sheffield United permaneceu fora da elite por 12 anos, embora tenha se qualificado para os play-offs sob o comando do sucessor de Bassett Howard Kendall em 1997 e o gerente Steve Thompson em 1998. O clube estava lutando no final da League One quando Neil Warnock foi nomeado gerente em dezembro de 1999 e uma crise financeira estava impedindo o clube de poder reforçar o seu time, mas em 2002-03 desfrutou de sua temporada mais bem sucedida por uma década, alcançando as meias-finais de ambos as copas domésticas e também alcançando o final da disputa da Divisão 1, onde foi derrotado por 3-0 por Wolverhampton Wanderers. Três anos depois, no entanto, Warnock conseguiu um retorno à Premier League quando o Blades terminou o segundo lugar na Championship. Eles duraram apenas uma temporada de volta na elite, antes de serem relegados da Premier League em meio à polêmica em torno de Carlos Tevez que ficou conhecida como "Tevez saga" o jogador que teve uma controversa contratação pelo West Ham United e cujas performances desempenharam um papel importante na sua notável escapada do rebaixamento. Neil Warnock renunciou como gerente depois que o Blades caiu.

O clube lutou para chegar a um acordo com a vida no Championship, com um salários altos que não foi combinado com a qualidade dos jogadores trazidos e uma sucessão de gerentes dentro de um curto período de tempo. Os Blades chegaram ao final do playoff do campeonato em 2009 sob o comando de Kevin Blackwell, mas um período de declínio se estabeleceu a partir daí. A temporada de 2010-11 mostrou-se desastrosa, com o clube empregando três gerentes diferentes no espaço de uma temporada, que acabou por acabar com o rebaixamento para a League One sob Micky Adams, o que significa que eles jogariam na terceira camada do futebol inglês pela primeira vez desde 1989, e apenas cinco anos depois de ganharem a Premiership. Na temporada 2011-12, o clube terminou em terceiro lugar na League One, perdendo a promoção automática aos rivais Sheffield Wednesday e entrou nos playoffs. Com a vitória sobre a Stevenage na semifinal, o United perdeu o retorno imediato a Championship depois de ter sofrido uma derrota por pênaltis na Huddersfield Town. Os Blades voltaram para os playoffs da League One em 2012-13, depois de um quinto lugar, mas foram nocauteados por eventuais vencedores da promoção, Yeovil Town, com um golo de 85 minutos na segunda mão das meias-finais.

Em 3 de setembro de 2013, confirmou-se que o príncipe saudita Abdullah bin Mused Bin Abdulaziz Al Saud, da Casa Real de Saud, comprou uma participação de 50% na empresa-mãe da United, Blades Leisure Ltd, pela taxa de £1 com a promessa de fornecendo "uma nova capital substancial" com o objetivo de devolver os Blades à Premier League como "o mais rápido possível". Em 2014, os Blades começaram a ser chamados pela mídia como "gigantes-assassinos", tendo alcançado as meias-finais da FA Cup em Wembley, perdendo de 5 a 3 para o Hull City. Em 2014-15, a equipe chegou às quartas-de-final da FA Cup e meias-finais da Copa da Liga, e apesar de ser eliminado, permaneceram na disputa por promoção a Championship.

O Sheffield United garantiu a promoção de volta ao segundo nível do futebol inglês na temporada 2016-17 sob a gestão do fã ao longo da vida e antigo jogador dos Blades, Chris Wilder, chegando em 2019-20 à Premier League.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Nacionais
Competição Títulos Temporadas
Premier league trophy icon.png Campeonato Inglês 1 189798
FA Cup.png Copa da Inglaterra 4 189899, 190102, 191415 e 192425
Flag of England.svg Campeonato Inglês - 2ª Divisão 1 195253

Flag of England.svg

Campeonato Inglês - 3ª Divisão 1 201617
Flag of England.svg Campeonato Inglês - 4ª Divisão 1 198182
Sheffield United FC.png Total (Nacionais) 8

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

O Sheffield United tem inúmeras rivalidades, a mais notável é com os vizinhos da cidade, do Sheffield Wednesday, com quem faz o Derby da Steel City (chamado assim por causa da indústria siderúrgica de produção de aço, presente na cidade de Sheffield e como é conhecida). Os fãs de United e Wednesday costumam se referir à outra equipe e seus fãs como "porcos". Os outros rivais de Sheffield United são principalmente outras equipes do South Yorkshire, como Barnsley, Rotherham United e Doncaster Rovers, além de Leeds United de West Yorkshire. O West Ham United também se tornou rival feroz devido à "Saga Tevez" e as seguintes ações judiciais.

Sheffield United também tem, juntamente com muitas outras equipes de esportes em Yorkshire, uma forte rivalidade com o Nottingham Forrest. Isso pode ser atribuído às greves dos mineiros da década de 1980, quando os trabalhadores nos poços de Nottinghamshire não se juntaram à greve (conhecido localmente como "scabbing") enquanto os mineiros de Yorkshire aderiram a ela, criando a rivalidade.

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

O Sheffield United foi rebaixado após a derrota para o Wigan Athletic no último dia da temporada 2006-07, enquanto o West Ham United evitou o rebaixamento batendo o recém-coroado campeão Manchester United por 1-0 no mesmo dia, terminando três pontos à frente de Sheffield. A Premier League multou O West Ham com um valor de £5,5 milhões pela contratação de Carlos Tévez e do compatriota Javier Mascherano. Verificou-se que eles eram parcialmente de propriedade da empresa de mídia Kia Joorabchian Media Sports Investment (MSI).

Como o resultado da decisão, o Sheffield United apelou pela primeira vez para a liga para a sua reintegração à Premier League. Depois que essa reclamação falhou, o clube procurou obter danos de West Ham decorrentes do rebaixamento. Os relatórios iniciais da mídia sugeriram que Sheffield United buscou £30 milhões, o que eles acreditavam ser o verdadeiro custo do rebaixamento. A controvérsia continuou por quase dois anos, intercalada com vários relatórios e especulações diferentes da mídia. No entanto, em 17 de março de 2009, ambos os clubes chegaram a um acordo extrajudicial para encerrar sua disputa, pelo qual West Ham pagou £20 milhões (£4 milhões por ano nas próximas cinco temporadas) como compensação ao Sheffield United.

Uniformes[editar | editar código-fonte]

1º Uniforme[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2019–2020
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2018–2019
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2017–2018
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2016–2017
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2015–2016
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2014–2015

2º Uniforme[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2019–2020
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2018–2019
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2017–2018
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2016–2017
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2015–2016
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2014–2015

3º Uniforme[editar | editar código-fonte]

Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2018–2019
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2017–2018
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2014–2015

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Atualizado em 10 de agosto de 2019.

Legenda
  • Capitão: Capitão
  • Lesionado: Jogador lesionado/contundido


Goleiros
N.º Jogador
1 Inglaterra Dean Henderson
25 Inglaterra Simon Moore
' Países Baixos Michael Verrips
Defensores
N.º Jogador Pos.
5 Inglaterra Jack O'Connell Z
6 Inglaterra Chris Basham Z
12 República da Irlanda John Egan Z
13 Inglaterra Jake Wright Z
20 Inglaterra Kean Bryan Z
28 Inglaterra Martin Cranie Z
2 Inglaterra George Baldock LD
18 Inglaterra Kieron Freeman LD
19 Inglaterra Jack Robinson LD
3 República da Irlanda Enda Stevens LE
' País de Gales Rhys Norrington-Davies LE
Meio-campistas
N.º Jogador Pos.
7 Inglaterra John Lundstram V
16 Inglaterra Oliver Norwood V
27 Bósnia e Herzegovina Muhamed Bešić V
4 Escócia John Fleck M
8 Inglaterra Luke Freeman M
14 Inglaterra Ravel Morrison M
23 Inglaterra Ben Osborn M
Atacantes
N.º Jogador
9 Inglaterra Oliver McBurnie
10 Inglaterra Billy Sharp Capitão
11 Inglaterra Callum Robinson
17 Inglaterra David McGoldrick
22 França Lys Mousset
Comissão técnica
Nome Pos.
Inglaterra Chris Wilder T

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Site oficial.

Bandeira de InglaterraSoccer icon Este artigo sobre clubes de futebol ingleses é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.