Shigeaki Ueki

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Shigeaki Ueki
Shigeaki Ueki
10º Ministro de Minas e Energia do Brasil
Período 15 de março de 1974 até
15 de março de 1979
Presidente Ernesto Geisel
Antecessor(a) Antônio Dias Leite Júnior
Sucessor(a) César Cals
16º Presidente da Petrobras
Período 26 de março de 1979 até
28 de agosto de 1984
Presidente João Figueiredo
Antecessor(a) Araken de Oliveira
Sucessor(a) Thelmo Dutra de Rezende
Dados pessoais
Nascimento 15 de agosto de 1935 (86 anos)
Bastos, SP
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Profissão advogado
político
Shigeaki Ueki com Geólogos do Projeto Radam (Radar na Amazônia), inclusive Raimundo Montalvão.

Shigeaki Ueki, em japonês: 植木 茂彬 [Ueki Shigeaki] (Bastos, 15 de agosto de 1935) é um advogado e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Torizi Ueki e Masako Ueki.[1]

Em 1959 formou-se em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Casou-se com Luci Ueki com quem teve dois filhos.[1]

Trabalhou no banco Moreira Salles.[1]

Petrobrás Distribuidora[editar | editar código-fonte]

Em 1969 trabalhou como diretor de comercialização da Petrobrás e presidente da subsidiaria de distribuição.[1] O chefe da estatal era Ernesto Geisel.[1]

Ministério de Minas e Energia (1974-1979)[editar | editar código-fonte]

Em 15 de março de 1974 se tornou ministro de Minas e Energia por nomeação do presidente Ernesto Geisel.[1]

Por conta da alto dos preços de petróleo, negociou o Acordo Nuclear Brasil-Alemanha com oito usinas nucleares planejadas.[1]

Em 1975, quebrou o monopólio da Petrobrás na área de prospecção, permitindo a empresas estrangeiras permissão para explorar.[1] Anunciou a descoberta de petróleo na bacia de Campos.[1][2]

Também em 1975 liderou a criação do Proalcool.

Seu mandato acabou em 15 de março de 1979.

Presidência da Petrobrás (1979-1984)[editar | editar código-fonte]

Em 26 de março de 1979 foi empossado como presidente da Petrobrás,[1] sucedendo Araquém de Oliveira. Foi o primeiro presidente civil da Petrobrás.[3]

Em agosto de 1984 saiu da companhia.

Camargo Corrêa[editar | editar código-fonte]

Sua indicação para representar o Brasil na Comunidade Européia falhou no Senado.[1] Shigeaki trabalhou como presidente executivo da Camargo Corrêa.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «UEKI, SHIGEAKI». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  2. Hoje na História - 3 de janeiro Barsa Saber
  3. Entrevista

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Antônio Dias Leite Júnior
Ministro de Minas e Energia do Brasil
1974 — 1979
Sucedido por
César Cals
Precedido por
Araken de Oliveira
Presidente da Petrobras
1979 — 1984
Sucedido por
Thelmo Dutra de Rezende


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.