Xonas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Shona (povo))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: se procura pelo grupo de línguas bantas faladas pelos xonas, veja língua xona.
Xona
Xamã xona.
População total

12 000 000 (2000)[1]

Regiões com população significativa
Zimbábue (11 000 000) (2000)[2]
Moçambique (173 000)[3][4]
Zâmbia (30 200)[5]
Línguas
Xona, Inglês, Português
Religiões
Cristianismo, religião tradicional xona
Grupos étnicos relacionados
Lemba, kalanga, venda, Ndebele

Xonas[6][7][8] (em inglês, Shona) são um grupo de povos de línguas bantas que habitam o Zimbábue, a norte do rio Lundi, e no sul de Moçambique. São notáveis por suas peças de ferro, cerâmica e música. Se subdividem em manicas, ndaus, zezurus, carangas e tonga-corecore, num total de cerca de 12 000 000 de pessoas, que falam uma série de dialetos relacionados cuja forma normalizada é também conhecida como xona.

Um pequeno grupo de imigrantes falando xona dos anos 1800 também vivem na Zâmbia, no vale do rio Zambeze, na área de Chieftainess Chiawa. O povo xona é tradicionalmente agrícola, cultivando feijão, amendoim, milho, abóboras, e batata-doce.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que o nome "xona" surgiu no século XVII. A palavra hindi para "ouro" é sona, e a palavra guzerate correspondente é sona ou sonu. Sonu significa "bonito" em sânscrito. Em língua panjabi, sohna significa "bonito". O Império Monomotapa era conhecido como "terra de sona". Ken Mufuka, em seu livro Dzimbahwe, cita o exemplo do viajante árabe Ibu Said (1214-1286), que escreveu sobre um certo povo chamado Soyouna que habitava a Zambézia.

Subdivisão[editar | editar código-fonte]

Os xonas se dividem em várias tribos.

  • Membros seguros (10 700 000):
    • Kalanga ou xona do sul (aproximadamente 4 500 000)
      • Duma
      • Njiva (mrewa)
      • Jena
      • Mhari (Mari)
      • Ngova
      • Nyubi
      • Govera
    • Zezuru ou xona central (3 200 000)
      • Budya
      • Gova
      • Tande
      • Tavara
      • Nyongwe
      • Pfunde
      • Shangwe
    • Korekore ou xona do norte (1 700 000)
      • Shawasha
      • Gova
      • Mbire
      • Tsunga
      • Kachikwakwa
      • Harava
      • Nohwe
      • Njanja
      • Nobvu
      • Kwazvimba (Zimba)
    • xona estrito
      • Toko
      • Hwesa
  • Membros ou parentes próximos:
    • Manyika ou xona do leste (1 200 000)[9] no Zimbábue (861 000) e Moçambique (173 000).
    • Língua xindau [10] em Moçambique (1 580 000) e Zimbábue (800 000). Sua língua é apenas parcialmente inteligível pelos principais dialetos xonas. Possui sons de clique que não ocorrem na língua xona padrão.

Língua e identidade[editar | editar código-fonte]

Quando o termo "xona" foi inventado durante o mfecane no final do século XIX, possivelmente pelo rei ndebele Mzilikazi, era um termo pejorativo para não ngunis. Por um lado, se argumenta que não havia a consciência de uma identidade comum entre os povos que formam hoje os xonas. Por outro lado, o povo xona das terras altas do Zimbábue sempre teve uma vívida memória de reinos antigos, sempre identificados com o estado monomotapa. Os termos "Karanga"/"Kalanga"/"Kalaka", hoje o nome de grupos especiais, parecem ter se referido a todos os xonas antes do mfecane.

Embora o xona padrão seja falado em todo o Zimbábue, os dialetos ajudam a identificar a região da pessoa (por exemplo, um manyika deve ser do leste do país) e seu grupo étnico.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Subsistência[editar | editar código-fonte]

Os xonas são, tradicionalmente, agrícolas. Plantam sorgo (na idade moderna, substituído pelo milho), inhame, feijão, banana (desde meados do primeiro milênio), Vigna subterranea e, a partir do século XVI, abóbora. Sorgo e milho são usados no preparo do sadza (papa) e do hwahwa (cerveja). Os xonas também criam bois e cabras em regime de transumância. A pecuária tem grande importância como reserva alimentar em períodos de seca.[11]

Desde antes do período colonial, os estados xonas já obtinham grande parte de sua receita a partir da mineração, especialmente de ouro e cobre.[12]

Habitação[editar | editar código-fonte]

Suas casas tradicionais (musha) são cabanas circulares com funções específicas, como cozinha por exemplo.[13]

Arte e artesanato[editar | editar código-fonte]

Os xonas são conhecidos pela alta qualidade de suas esculturas em pedra. Sua cerâmica tradicional também é de alto nível. A música tradicional xona, em contraste com a música europeia mas em consonância com a música africana, tende a ter melodias constantes e ritmos variáveis. Depois do tambor, o instrumento mais importante é a mbira. O canto também é importante. As famílias costumam se reunir para cantar canções tradicionais.

História[editar | editar código-fonte]

Os carangas, a partir do século XI, criaram vários estados no platô zimbabuano. Esses estados incluíram o Grande Zimbábue (séculos XII-XVI), o estado Torwa, o Império Monomotapa (que sucedeu o Grande Zimbábue) e o estado Rozwi (que sucedeu o estado Torwa). Esses reinos foram destruídos por novos povos que chegaram ao platô. Os ndebeles destruíram o estado Rowzi na década de 1830, e os portugueses lentamente destruíram o estado Monomotapa, que havia se expandido até o litoral de Moçambique graças a seu sucesso em fornecer bens comerciais aos comerciantes suaíles, árabes e leste-asiáticos, especialmente ouro. Os britânicos destruíram o poder tradicional local em 1890 e colonizaram o platô da Rodésia. Em Moçambique, o governo colonial português enfrentou os remanescentes do estado Monomotapa até 1902.[14]

Crenças[editar | editar código-fonte]

Atualmente, entre sessenta e oitenta por cento dos xonas são cristãos. Mas as crenças tradicionais xonas ainda continuam vívidas entre eles.[15] As mais importantes são o culto dos ancestrais e o totemismo.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

De acordo com a tradição xona, a vida pós-morte não acontece num outro mundo, como o céu e o inferno cristãos, mas como uma outra forma de existência neste mesmo mundo em que vivemos. A atitude xona em relação aos ancestrais mortos é muito semelhante à sua atitude em relação a seus parentes vivos.[16] Existe um famoso ritual para contactar os mortos: se chama bira e costuma durar a noite toda.

Totens[editar | editar código-fonte]

Os totens (mutupo) têm sido usados pelos xonas desde os primórdios de sua cultura. Os totens identificam os clãs que deixaram dinastias na história xona. Atualmente, podem ser identificados 25 totens xonas. Totens similares também existem entre outros grupos do sul da África, como os tsuanas, os zulus, os ndebeles e os hereros. Pessoas do mesmo clã usam os mesmos totens, como Shato/Mheta (píton), Shiri/Hungwe (águia-pescadora), Mhofu/Mhofu Yemukono/Musiyamwa (elande), Mbizi/Tembo (zebra), Shumba (leão), Mbeva/Hwesa/Katerere (rato), Soko (macaco), Nzou (elefante), Ngwena (crocodilo) e Dziva (hipopótamo). Exemplos de totens de partes do corpo são Gumbo (perna), Moyo (coração) e Bepe (pulmão). Esses grupos ainda se subdividem por gênero. Por exemplo, o grupo da zebra se subdivide em madhuve (fêmeas) e Dhuve ou Mazvimbakupa (machos). Pessoas com o mesmo totem descendem de um ancestral comum (o fundador do totem) e não podem se casar ou ter relações íntimas entre si.

Órfãos[editar | editar código-fonte]

O sistema de totens é um grande problema para muitos órfãos, especialmente para bebês abandonados.[17] As pessoas têm medo de serem punidas por fantasmas, caso elas infrinjam regras do totem desconhecido da criança abandonada. Como consequência, é muito difícil encontrar pais adotivos para tais crianças. E, se essa crianças crescem, elas têm dificuldades na hora de se casar.[18]

Enterros[editar | editar código-fonte]

Uma pessoa com totem diferente do morto não pode iniciar o enterro. Caso ele o faça, ele corre o risco de ter de pagar uma taxa à família do morto. Essa taxa, antigamente, era paga com vacas ou cabras, mas atualmente costuma ser paga em dinheiro.

Política[editar | editar código-fonte]

Robert Mugabe pertence à etnia zezuru. Os kalangas proveram a maior parte das forças de luta e líderes militares que lutaram no Exército de Liberação Nacional Africano do Zimbábue (ZANLA) na Guerra Civil da Rodésia.

O ZANLA foi essencialmente xona na composição, enquanto o grupo rival Exército Revolucionário do Povo do Zimbábue (ZIPRA) surgiu a partir do grupo étnico ndebele, que é separado do xona, embora relacionado a ele.

Xonas notáveis[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Languages of Zimbabwe». Consultado em 30 de novembro de 2019 
  2. «Languages of Zimbabwe». Consultado em 30 de novembro de 2019 
  3. «Languages of Mozambique». Consultado em 30 de novembro de 2019 
  4. «Languages of Botswana». Consultado em 30 de novembro de 2019 
  5. «Languages of Zambia». Consultado em 30 de novembro de 2019 
  6. «Xona». Michaelis On-Line. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  7. «Grande Dicionario Houaiss». houaiss.uol.com.br. Consultado em 7 de novembro de 2016. Arquivado do original em 10 de outubro de 2016 
  8. «Significado / definição de xona no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa». priberam.pt. Consultado em 7 de novembro de 2016 
  9. «Manyika». Consultado em 30 de novembro de 2019 
  10. «Ndau». Consultado em 30 de novembro de 2019 
  11. David N. Beach. The Shona and Zimbabwe 900–1850. [S.l.]: Heinemann, London 1980 e Mambo Press, Gwelo 1980. ISBN 0-435-94505-X 
  12. David N. Beach. The Shona and Zimbabwe 900–1850. [S.l.]: Heinemann, London 1980 e Mambo Press, Gwelo 1980. ISBN 0-435-94505-X 
  13. Friedrich Du Toit (1982). Musha: the Shona concept of home. [S.l.]: Zimbabwe Pub. House 
  14. David N. Beach. The Shona and Zimbabwe 900–1850. [S.l.]: Heinemann, London 1980 e Mambo Press, Gwelo 1980. ISBN 0-435-94505-X 
  15. «Shona - Religion and Expressive Culture» 
  16. Michael Gelfand (1982). The spiritual beliefs of the Shona. [S.l.]: Mambo Press. ISBN 0-86922-077-2 
  17. Thamani Shabani (17 de julho de 2013). «The 'scourge' of baby dumping». Consultado em 3 de dezembro de 2019 
  18. GR Davis (1 de março de 2012). «Orphan for Life». Consultado em 3 de dezembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]