Shopping Center Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Shopping Center Norte
Localização Travessa Casalbuono, 120 - Vila Guilherme, São Paulo, SP
Inauguração 7 de abril de 1984
Slogan O shopping da família.
Proprietário Grupo Vedacit
Números
Lojas 331
Andares 2
Salas de
cinema
5 salas Cinemark
Página oficial [1]

O Center Norte foi inaugurado em 7 de abril de 1984 como o primeiro Shopping Center da Zona Norte de São Paulo.

Localizado em uma região privilegiada, ao lado da Marginal Tietê, foi o primeiro Empreendimento a formar o que chamamos hoje de Cidade Center Norte. Com um único piso, amplos corredores e iluminação natural, possui no seu mix 331 lojas. Conta com um hipermercado e âncoras como C&A, Cinemark, Renner, Riachuelo e Saraiva MegaStore, mais de 50 opções de restaurantes e fast-foods, uma ampla variedade de grifes feminina, masculina, jovem e infantil, além de acessórios, calçados, joias, presentes, e uma oferta completa de serviços.

Tudo isso faz do Center Norte o Shopping de São Paulo que apresenta o maior volume de vendas por m² entre todos os Empreendimentos da cidade.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

O shopping foi construído em 1984 num terreno ao lado do recém-inaugurado Terminal Rodoviário Tietê, as margens da Marginal Tietê, no bairro da Vila Guilherme, na zona norte de São Paulo. O projeto de Curt Otto Baumgart foi uma aposta inovadora para a época, visto que a região não possuía shoppings centers na época.[3]

Segundo dados de 2011, o shopping recebe em torno de 560 mil visitantes por semana, além de um estacionamento para mais de 7000 veículos[4], contando com serviços de valet, manutenção rápida de veículo e um posto da Porto Seguro Seguros, disponibilizado para seus clientes do seguro automotivo.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos anos de existência, o Center Norte sofreu diversas polêmicas por diversos motivos, sendo uma das principais: o fato de ter sido construído sobre um antigo brejo que era utilizado como lixão pelos moradores da Vila Guilherme[5]. Logo no primeiro ano de operação, houve ameaça de interdição por parte da CETESB[3]. Ao longo dos demais anos, foram instalados drenos para evitar o acúmulo de gás metano no subsolo do shopping, evitando assim o risco de explosão.

Em 2011, a CETESB interditou totalmente o complexo do shopping Center Norte, Lar Center e as lojas da Decathlon, Carrefour e construções do terreno dos dois shoppings[6]. O shopping teve fechamento decretado em 27 de setembro de 2011, porém entrou com liminar e durante as pendências, reabriu no dia 5 de outubro do mesmo ano, após inspeção da prefeitura que comprovou a instalação de um sistema de drenos adicional para evitar o acúmulo dos gases provenientes do subsolo.

Em 2014, uma nova polêmica desta vez envolvendo a onda de "rolêzinhos" que aconteciam nos shoppings de São Paulo na época. O shopping conseguiu liminar na justiça que impedia a realização de um evento deste tipo no shopping[7]. A justificativa foi "evitar tumultos, furtos e possíveis danos", porém, nos dias seguintes, houveram protestos e novas tentativas de realizar "rolêzinhos" no shopping.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]