Short Tucano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation arrow.svg
Este artigo resulta, no todo ou em parte, de uma tradução do artigo «Short Tucano» na Wikipédia em inglês, na versão original. Você pode incluir conceitos culturais lusófonos de fontes em português com referências e inseri-las corretamente no texto ou no rodapé. Também pode continuar traduzindo ou colaborar em outras traduções. Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Tucano
Caça
Short Tucano da RAF
Descrição
Tipo / Missão Treinamento
País de origem  Reino Unido
Fabricante Short Brothers
Período de produção 1986-1995
Quantidade produzida 160 unidade(s)
Desenvolvido de Embraer EMB-312 Tucano
Primeiro voo em 14 de fevereiro de 1986 (31 anos)
Introduzido em 1989 (Força Aérea Real)
Variantes
  • Tucano T1
  • Tucano Mk.51
  • Tucano Mk.52
Tripulação 1-2
Notas
Dados e fontes: Ver seção "Especificações"

O Short Tucano T1 (S.312)[1] é uma aeronave de treinamento turboélice de dois lugares e é utilizado pela Força Aérea Real. É uma versão de licença de construção do Embraer EMB-312 Tucano, e também é usado pelas forças aéreas do Quénia e Kuwait.

Design e Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O Short Tucano foi desenvolvido pela empresa britânica Short Brothers, a fim de atender a os requisitos para substituir o Jet Provost como o treinador de base para a RAF, como previsto no Air Staff Target 412. É uma adaptação do Embraer EMB-312 Tucano equipado com o mais potente 1.100 shp (820 kW) Garrett motor Turboélice no lugar dos motores 750 shp (560 kW) Pratt & Whitney Canada PT6 do Tucano da Embraer, para proporcionar um desempenho maior nas subidas.

Além de um motor diferente, as outras diferenças entre o Shorts Tucano e o Tucano da Embraer são:

  • A estrutura reforçada
  • Um layout do cockpit semelhante ao cockpit do treinador avançado Hawk da RAF
  • Uma hélice de quatro pás, ao contrário de três pás
  • Freios aerodinâmicos e remodelação na ponta das asas
  • A instalação de assentos ejetáveis Martin-Baker MB 8LC para a tripulação
  • Um novo sistema de oxigênio
  • Um novo gravador de dados de voo
  • Um canopy modificado

O Tucano foi selecionado em 1985,ao ganhou a licitação para a renovação dos treinadores da RAF,competiu com o Suiço Pilatus PC-9 e o Britanico NDN Firecracker

Variantes[editar | editar código-fonte]

Tucano T1
De dois lugares para treinamento básico para a RAF - 130 entregues (uma outra aeronave (T42) foi severamente danificado por uma explosão com uma bomba na montagem final e nunca foi concluída).
Tucano Mk.51
Versão de exportação para o Quênia - 12 entregues (13 foram levados mas o primeiro foi perdido em ensaios em fevereiro 1990, matando o piloto de testes Allan Deacon).
Tucano Mk.52
Versão de exportação para o Kuwait - 16 entregues

Operadores[editar | editar código-fonte]

Short Tucano do No. 72 Squadron da RAF
 Quênia
Kuwait
 Reino Unido

Especificações[editar | editar código-fonte]

Dados de: Jane's All the World's Aircraft, 1988–1989[2]

Características Gerais[editar | editar código-fonte]

  • Tripulação: 1-2
  • Comprimento: 9.86 m
  • Envergadura: 11.28 m
  • Altura: 3.40 m
  • Área da Asa: 19.3 m²
  • Peso vazio: 2,017 kg
  • Peso Máximo de Decolagem: 3,275 kg
  • Motor: 1 × Garrett TPE331-12B turboélice, 1,100 CAv (820 kW)

Performance[editar | editar código-fonte]

  • Nunca exceder a velocidade: 518 km/h
  • Velocidade Máxima: 507 km/h
  • Velocidade de Cruzeiro: 407 km/h
  • Velocidade de Stol: 128 km/h
  • Alcance: 1,665 km
  • Altura Máxima: 10,365 m
  • Taxa de subida: 17.8 m/s
  • Peso por asa: 140 kg/m²
  • Potência/massa: 0.250 kW/kg

Armamento[editar | editar código-fonte]

  • Previsão para 454 kg de armazenamentos em quatro pontos sobre as asas, mas não nos Tucanos do Reino Unido

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. RAF-Tucano
  2. Taylor, JWR (Editor) (1988). Jane's All the World's Aircraft, 1988–1989. Coulsdon, Surrey: Jane's Information Group. ISBN 0-7106-0867-5.