Sid Meier's Civilization: Beyond Earth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sid Meier's Civilization: Beyond Earth
Desenvolvedora(s) Firaxis Games
Publicadora(s) 2K Games
Designer(s) Will Miller
David McDonough
Plataforma(s) Microsoft Windows, Mac OS X, Linux
Data(s) de lançamento Microsoft Windows: 24 de outubro de 2014[1]
    Gênero(s) Estratégia por turnos
    Modos de jogo Single player, multiplayer
    Civilization V
    Civilization VI

    Sid Meier's Civilization: Beyond Earth é um videogame de estratégia em turnos 4X desenvolvido pela Firaxis Games e publicado pela 2K Games. Foi lançado em 24 de outubro de 2014 para Windows[2] e em 27 de novembro de 2014 para Mac App Store.[3] É a sequência espiritual do spin-off Alpha Centauri da série Civilization de Sid Meier, pois compartilha muitos elementos conceituais e da mesma equipe de desenvolvimento do spin-off.[4] O jogo se passa em um cenário futurístico em que humanidade viaja pelas estrelas para colonizar novos planetas após a Terra se tornar inabitável devido a um desastre conhecido como o "grande erro".[5] Civilization: Beyond Earth foi anunciado pela Firaxis Games em 12 de abril de 2014 na PAX East[6] em Boston, Massachusetts. Uma expansão de conteúdo intitulada Rising Tide foi lançada em 9 de outubro de 2016.

    Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

    Beyond Earth é um jogo de estratégia em turnos jogado num mapa formado por hexágonos, assim como seu antecessor Civilization V.[7] O desenvolvimento foi co-liderado pelo designer David McDonough, que descreveu o jogo como facilmente reconhecível como um da série Civilization. A ideia de cidades, a progressão delas, líderes, a passagem do tempo, a jogabilidade baseada em turno, as construções e as tecnologias são, em maioria, temas bastante familiares para os jogadores de Civilization.[8]

    Há algumas mudanças significativas que o diferencia dos jogos anteriores da série. Nos títulos anteriores, o jogador escolhia figuras históricas e seus impérios, cada um com as suas peculiaridades. Em Beyond Earth, o jogador faz algumas escolhas antes do começo de uma partida, incluindo quem financiara a expedição, que tipo de espaçonave será utilizada, qual será a carga e quem será levado para o novo mundo, permitindo assim que o jogador molde uma civilização para jogar. As decisões primárias têm impactos significativos de como será o decorrer da sua partida. Em títulos anteriores, havia uma árvore tecnológica linear; em Beyond Earth, há uma rede de tecnológicas, como uma teia, fazendo com o que o jogador escolha seu caminho por elas, sendo ainda possível desbloquear todas as tecnologias em uma só partida.

    Afinidades[editar | editar código-fonte]

    O jogo introduziu o conceito de afinidades, que são como ideologias avançadas moldadas através de decisões em jogos, como missões e pesquisas científicas. Possibilitam que unidades únicas sejam desbloqueadas. As afinidades são:

    • Harmonia: Possibilita a coexistência entre os seres humanos com o ambiente do planeta, utilizando-se de modificações genéticas, uma das habilidades é domesticar a vida selvagem do planeta.
    • Supremacia: Utiliza-se de unidades únicas que ajudam na vitória "cientifica"
    • Purificação: Afinidade militarista, dispõe de ferramentas para fazer o novo planeta mais parecido com a antiga Terra.

    Cada afinidade desbloqueia um projeto especial que, quando completado, garante um tipo de vitória. Tipos de vitórias incluem conquistar outras facções pela força ou seguir o caminho de uma antiga civilização alienígena tentando estabelecer um contato com ela.

    Expansão de jogo: Rising Tide[editar | editar código-fonte]

    A expansão Sid Meier's Civilization: Beyond Earth: Rising Tide foi anunciada em 18 de maio de 2015 e lançada em 9 de outubro de 2015.[9] Adiciona alguns elementos chaves, um sistema melhorado de diplomacia, nova jogabilidade em água (incluindo cidades navais, que podem se mover pelos oceanos)[9], novo sistema de artefatos e afinidades híbridas. Se passa depois da primeira onda de colonos chegarem no novo mundo, com as pessoas da Terra buscando a sobrevivência. Novas facções surgem e lançam mais colonos. As maiores mudanças foram a adição de cidades aquáticas, diferente das cidades em solo, elas podem se mover pelos oceanos. Uma facção nova pode fazer a chegada no planeta diretamente na água.

    Recepção[editar | editar código-fonte]

    Civilization: Beyond Earth recebeu críticas positivas. No site GameRankings, ficou com uma pontuação de 80% baseado em 52 criticas e no site Metacritic 81/100 baseado em 78 análises.

    A recepção entre os fãs da série foi mista. De um lado, alguns esperavam a anos por um jogo da série assim; do outro lado, alguns acham que o jogo perdeu sua essência e inovou demais.

    Recepção
    Média
    Agregador Pontuação
    GameRankings 80%
    Metacritic 81/100
    Pontuação das criticas
    Criticador Pontuação
    Destructoid 9/10
    Eurogamer 8/10
    Game Informer 9/10
    Game Revolution 4/5
    GameSpot 7/10
    GamesRadar 4/5
    GameTrailers 8.7/10
    Giant Bomb 3/5
    IGN 7.9/10
    Joystiq 4/5
    PC Gamer (US) 87/100
    Polygon 9/10
    Daily Dot 4.5/5

    Ver também[editar | editar código-fonte]

    Ligações externas[editar | editar código-fonte]