Sigefredo Pacheco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o município brasileiro, veja Sigefredo Pacheco (Piauí).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sigefredo Pacheco
Efígie de Sigefredo Pacheco na portada do Banco do Nordeste, em Campo Maior.
Prefeito Campo Maior Campo Maior
Período 1936-1937
Deputado federal  Piauí
Período 1946-1959
Senador  Piauí
Período 1963-1971
Dados pessoais
Nascimento 22 de maio de 1904
Campo Maior
Morte 11 de fevereiro de 1980 (75 anos)
Teresina
Cônjuge Alzira Pacheco
Partido PSD, ARENA
Profissão farmacêutico, médico, agropecuarista, jornalista, professor
Assinatura Assinatura de Sigefredo Pacheco

Sigefredo Pacheco (Campo Maior, 22 de maio de 1904Teresina, 11 de fevereiro de 1980) foi um farmacêutico, médico, agropecuarista, jornalista, professor e político brasileiro que fez carreira no Piauí, onde exerceu três mandatos de deputado federal e um de senador.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Vicente Pacheco e Inês da Costa Araújo Pacheco, iniciou sua vida escolar em Teresina embora tenha retornado à sua cidade natal por motivos de saúde e lá iniciou suas atividades como farmacêutico “prático” (não-habilitado) ao acompanhar seu pai no atendimento aos doentes na falta de um médico em Campo Maior. Aos dezoito anos retornou à capital piauiense e deu seqüência aos seus estudos os quais foram concluídos no Rio de Janeiro junto ao Colégio Pedro II e a seguir ingressou na Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro onde se graduou em Medicina e foi assistente da cadeira de Histologia. Antes de receber seu diploma fez residência no Hospital Paula Cândido e em Niterói. Formado, retornou ao Piauí a fim de prestar assistência aos pais e ao mesmo tempo dar seguimento à sua carreira. Prefeito do município entre 1936 e 1937, teve sua carreira interrompida quando Getúlio Vargas decretou o Estado Novo e assim dedicou-se exclusivamente às suas atividades médicas. Com a redemocratização do país filiou-se ao PSD vencendo a eleição para deputado federal em 1945 participando da Assembléia Nacional Constituinte que promulgou a Carta Magna de 18 de setembro de 1946. Reeleito em 1950 e 1954, perdeu a eleição como candidato a suplente de senador na chapa de José de Mendonça Clark em 1958. Simpático à candidatura de Petrônio Portela ao governo do estado em 1962, foi um dos artífices da coligação entre a UDN e o PSD que venceu por ampla maioria o pleito daquele ano e nesse bojo Sigefredo Pacheco foi eleito senador. Vitorioso o Regime Militar de 1964 viu seu amigo Humberto de Alencar Castelo Branco ascender à Presidência da República, ingressando a seguir na ARENA.


Referências

  1. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro, pós 1930. 2ª edição. Rio de Janeiro; editora da FGV
  • SANTOS, José Lopes dos. Política e Políticos: Eleições 86. Vol. I. Teresina, Gráfica Mendes, 1988.
  • SOARES, Sidney. Enciclopédia dos Municípios Piauienses. Fortaleza; Escola gráfica Santo Antonio, 1972.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Leônidas Melo
Senador pelo Piauí
19631971
Sucedido por
Fausto Gaioso
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.