Sigiswald Kuijken

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sigiswald Kuijken
Sigiswald Kuijken.JPG
Biografia
Nascimento
Período de atividade
A partir de Visualizar e editar dados no Wikidata
Nome no idioma nativo
Sigiswald KuijkenVisualizar e editar dados no Wikidata
Cidadania
Alma mater
Conservatório Real de Bruxelas (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Atividades
Outras informações
Empregador
Conservatório Real de Haia, Conservatório Real de Bruxelas (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Instrumentos
Superiores
Odile Edouard (d), Enrico Gatti (en), Chiara Banchini (en)Visualizar e editar dados no Wikidata
Género artístico
Distinções
Flemish Culture Award for General Cultural Achievement ()
ANV -Visser Neerlandia-price for Music (d) ()Visualizar e editar dados no Wikidata

Sigiswald Kuijken (Dilbeek, 16 de fevereiro de 1944) é um violinista e maestro belga, um dos pioneiros e um dos líderes do movimento de revivalismo da música antiga.[1][2][3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Membro de uma família de músicos, estudou violino no conservatório de Bruges e formou-se em 1964 no Conservatório Real de Bruxelas, onde foi aluno de Arthur Grumiaux e Maurice Raskin.[3] Ainda jovem passou a se interessar pelo repertório pré-clássico. Considerando que a interpretação desse repertório não estava de acordo com os critérios de autenticidade histórica, desenvolveu estudos buscando recuperar as práticas e técnicas antigas e familiarizou-se com outros instrumentos de cordas, como a viola da gamba, o violoncelo da spalla e a viola pomposa.[1] Foi o pioneiro da recuperação do violino barroco, fazendo grande escola.[4]

De 1964 a 1972 integrou o Alarius Ensemble, que fez concertos na Europa e nos Estados Unidos e provocou grande movimentação musical nos Países Baixos, sendo uma influência importante para a criação do Departamento de Música Antiga no Conservatório Real de Haia, onde logo Kuijken foi contratado como professor. As aulas oferecidas pelo Departamento tiveram grande procura desde o início e foram um exemplo para a criação de departamentos semelhantes em outras escolas superiores em vários países.[5] Colaborou com outros protagonistas do movimento revivalista, como Gustav Leonhardt, Robert Kohnen, Anner Bylsma, Frans Brüggen e René Jacobs, e em 1972 fundou com Leonhardt o conjunto La Petite Bande, que inicialmente deveria apenas apresentar a obra Le Bourgeois Gentilhomme de Jean-Baptiste Lully, mas que devido ao seu sucesso se tornou um conjunto permanente de aclamada carreira internacional, do qual é diretor artístico.[1][6] Com ele gravou grande discografia, que inclui o ciclo completo das cantatas de Bach.[1]

Deu aulas de violino barroco no Conservatório Real de Haia por mais de trinta anos, e lecionou também no Conservatório Real de Bruxelas.[6] É um professor convidado regularmente por instituições como o Royal College of Music de Londres e a Universidade de Salamanca.[7]

Segundo matéria publicada em 2016 pela Escola de Música do Estado de São Paulo, "Kuijken e seus irmãos [Wieland e Barthold] são verdadeiros emblemas de uma era e igualmente pioneiros e referências em seus instrumentos. Foram responsáveis pela formação de centenas de profissionais, muitos deles hoje respeitáveis professores espalhados por todo o mundo; o nome Kuijken é, literalmente, uma instituição. É sinônimo de um gosto musical distinto e inconfundível, marcado pelo rigor, bom gosto, erudição e profundo respeito pela música".[7] Para o violinista e pesquisador Luís Otávio de Souza Santos,

"Sigiswald Kuijken está entre os principais artistas que iniciaram, além do resgate da práxis histórica em concertos e gravações emblemáticas — tanto como solista, camerista ou regente de sua orquestra barroca La Petite Bande —, uma tradição pedagógica inédita na história da educação musical no Ocidente. A importância de sua contribuição ao mundo da música com sua carreira de violinista, regente e pedagogo o coloca entre os mais influentes artistas do século XX e faz dele uma figura chave na história do violino. [...] Sigiswald Kuijken faz parte do grupo de músicos que consolidaram o movimento de música antiga nos Países Baixos e fizeram dessa região da Europa até hoje uma referência mundial no assunto".[3]

Distinções e prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Título de doutor honoris causa da Universidade de Leuven (2007)[7]
  • Prêmio da Cultura da Comunidade Flamenga (2008).[8]
  • Prêmio do Mérito Cultural do governo belga (2009).[9]

Referências

  1. a b c d Kunstenpunt. "Sigiswald Kuijken". Muziekcentrum Vlaanderen.
  2. Haskell, Harry. The Early Music Revival: A History. Courier Corporation, 1996, pp. 170; 189
  3. a b c Santos, Luís Otávio de Souza. A Chave do Artesão: Um olhar sobre o paradoxo da relação mestre/aprendiz e o ensino metodizado do violino barroco. Doutorado. Unicamp, 2011, p. 137
  4. Santos, pp. 48; 106
  5. Santos, pp. 119-120
  6. a b Van der Knijff, Jaco. "Sigiswald Kuijken (75): eigenzinnige Vlaamse barokmusicus". Reformatorisch Dagblad, 05/04/2019
  7. a b c "EMESP realiza a quinta edição do Encontro Internacional de Música Antiga com a participação especial do maestro belga Sigiswald Kuijken". Escola de Música do Estado de São Paulo, 01/06/2016
  8. "Bozar honours four composers". Flanders Today, 01/04/2009
  9. Van der Speeten, Geert. "Een prijs, maar ook een slecht rapport". De Standaard, 04/02/2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]