Silvestre Dias Ferraz Júnior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Silvestre Dias Ferraz Júnior
Silvestre Dias Ferraz Júnior ca. 1875
Nascimento 14 de abril de 1851
Cristina, Minas Gerais, Império do Brasil Império do Brasil Brasil
Morte 1 de fevereiro de 1889 (37 anos)
Ouro Preto, Minas Gerais, Império do Brasil Império do Brasil Brasil
Ocupação Médico e político

Silvestre Dias Ferraz Júnior (Cristina, 14 de abril de 1851[1] - Ouro Preto, 1º de fevereiro de 1889)[2][3] foi um médico e político brasileiro. Foi deputado por diversas legislaturas na Assembleia Provincial de Minas Gerais desde 1876 até sua morte[3][4].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho do Coronel Silvestre Dias Ferraz e de sua esposa Ana Leonísia Dias de Castro. Cursou as primeiras letras em sua cidade natal, tendo aos onze anos se transferido junto de sua família para a cidade de São João Del Rei, onde concluiria seus estudos secundários. Tendo se mudado para a Corte, ali ingressou na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro no ano de 1867. Finaliza o curso aos 22 anos em 24 de dezembro de 1873[5], retornando à sua cidade natal onde abre um consultório médico, exercendo trabalho caritativo entre a população local.

Através da indicação de conterrâneos seus, em dezembro de 1875 o médico lança sua candidatura pelo Partido Liberal para o cargo de deputado na Assembleia Provincial de Minas Gerais[6], se elegendo no ano seguinte. Dentre suas principais demandas conquistadas junto ao Governo da Província para o sul de Minas Gerais - sua região de atuação -, está a criação e implantação da Estrada de Ferro Sapucaí. Seu projeto foi apresentado à Assembleia que após votação que o aprovou em 12 de outubro de 1887[1]. A obra ligou as cidades de Soledade de Minas, Carmo de Minas, Cristina, Maria da Fé até a cidade de Itajubá, de onde o ramal férreo se estendia até Sapucaí, na divisa com o estado de São Paulo[7].

Após longo tempo adoecido, veio a falecer por uma lesão cardíaca[2] no dia 1º de fevereiro de 1889 na cidade de Ouro Preto, onde foi sepultado. Aquando sua morte ele ocupava a presidência da Assembleia Provincial[3]. Em 1908 seus restos mortais foram trasladados para sua cidade natal, onde foram depositados em uma cripta anexa à herma erguida em sua homenagem, através de iniciativa tomada por seu irmão Fausto Dias Ferraz[1].

Referências

  1. a b c «Cripta Dr. Silvestre Ferraz». Prefeitura Municipal de Cristina. Consultado em 29 de maio de 2015 
  2. a b Ferraz, Fausto (1953). Cidade Silvestre Ferraz - Por que deram-lhe este nome em 1901? (PDF). São Paulo: ALMG. Consultado em 28 de maio de 2015 
  3. a b c «A Província de Minas» (569). 7 de fevereiro de 1889. Consultado em 28 de maio de 2015 
  4. «A União». Arquivo Nacional (281). 12 de junho de 1889. Consultado em 28 de maio de 2015 
  5. «A Reforma». Rio de Janeiro (295). 25 de dezembro de 1873. Consultado em 28 de maio de 2015 
  6. «A Reforma». Rio de Janeiro (282). 17 de dezembro de 1875. Consultado em 28 de maio de 2015 
  7. «RMV - Ramal Sapucahy». Estações Ferroviárias. Consultado em 29 de maio de 2015