Simão Episcópio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Simão Episcópio (Simon Bischop)
Simão Episcópio, cerca de 1630
Nascimento 08 de janeiro de 1583
Morte 04 de abril de 1643 (60 anos)
Nacionalidade Países Baixos
Influências
Influenciados
Escola/tradição Arminianismo, calvinismo,
molinismo
Principais interesses Teologia, soteriologia
Ideias notáveis Arminianismo

Simão Episcópio (8 de janeiro de 15834 de abril de 1643, foi um teólogo neerlandês e remonstrante que teve um papel significante no Sínodo de Dort em 1618. O seu nome é a latinização do seu nome em holandês Simon Bischop.

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Amsterdã, em 1600 entrou na Universidade de Leiden, onde estudou teologia com Jacó Armínio, cujo ensinamento seguiu, e também com Franciscus Gomarus. Graduou-se mestre em 1606, porém a sua indicação como ministro foi questionada pelo lado calvinista. Ele foi para a Universidade de Franeker, onde ouviu Johannes Drusius. Em 1610, o ano em que arminianos apresentaram a Remonstrância aos Estados da Holanda, tornou-se pastor em Bleyswick, uma vila próxima a Roterdã. No ano seguinte advogou a causa dos Remonstrantes na conferência de Haia e novamente em Delft in 1612.[1]

Em 1612 tornou-se professor de teologia em Leiden, a sua indicação despertou a inimizade de alguns calvinistas. Ele foi atacada por Festus Hommius em Specimen controversiarum Belgicarum (1618).[1]

No Sínodo de Dort em 1618, Episcópio foi escolhido como o porta-voz das treze representações dos Remonstrantes antes do sínodo, mas a sua representação foi recusada quando não se submeteu a ordem de discussão do Sínodo - a qual era para primeiro apresentar os argumentos bíblicos das opiniões dos Remonstrantes. No final das sessões do sínodo em 1619, Episcópio e os outros doze representantes arminianos foram privados de seus ofícios e foram expulsos do país.

Episcópio retirou-se para Antuérpia e, finalmente, para a França, onde viveu parte em Paris parte em Rouen. Ele dedicou a maior parte de seu tempo aos escritos em apoio à causa arminiana, mas a tentativa de Luke Wadding para convertê-lo ao catolicismo envolveu-o também em uma controvérsia. Após a morte de Maurício, príncipe de Orange (1625) , a violência contra a controvérsia arminiana começou a diminuir, e Episcópio foi permitido a retornar ao seu próprio país em 1626. Na igreja Remonstrante em Roterdã foi nomeado pregador e depois reitor da faculdade Remonstrante em Amsterdã, onde morreu.

Obras[editar | editar código-fonte]

As principais obras de Episcópio foram Confessio declaratio sententiae pastorum gui in foederato Beiglo Remonstrantes vocantur super praecipuis artscuf is religionis Christianae (1621), a sua Apologia per confessione (1629), o seu Verus theologus remonstrans e sua obra incompleta Institutiones theologicae. A vida de Episcópio foi escrita por Philipp van Limborch, e também foi prefixada pelo seu sucessor Étienne de Courcelles (Curcellaeus) (1586–1659) uma edição com uma coletânea das suas obras, publicada em dois volumes. (1650–1665).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências