Simulador quântico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilustração do simulador quântico de íons presos: O coração do simulador é um cristal bidimensional de íons de berílio (esferas azuis no gráfico); o elétron mais externo de cada íon é um bit quântico (qubit, setas vermelhas). Os íons são confinados por um grande campo magnético em um dispositivo chamado armadilha de Penning (não mostrado). Dentro da armadilha, o cristal gira no sentido horário. Credito: Britton/NIST

Os simuladores quânticos permitem o estudo de sistemas quânticos difíceis de estudar em laboratório e impossíveis de modelar com um supercomputador. Nesse caso, os simuladores são dispositivos de finalidade especial projetados para fornecer informações sobre problemas físicos específicos.[1][2][3] Os simuladores quânticos podem ser contrastados com computadores quânticos "digitais" geralmente programáveis, capazes de resolver uma classe mais ampla de problemas quânticos.[4] and Richard Feynman in 1982.[5]

A simulação quântica tem o potencial de investigar teorias de gauge em regimes de interação forte, que atualmente são inacessíveis por técnicas numéricas convencionais.[6]

Referências

  1. Johnson, Tomi H.; Clark, Stephen R.; Jaksch, Dieter (2014). «What is a quantum simulator?». EPJ Quantum Technology. 1 (10). arXiv:1405.2831Acessível livremente. doi:10.1140/epjqt10 
  2. Michael E. Newman. https://www.nist.gov/public_affairs/tech-beat/tb20120502.cfm/. Consultado em 22 de fevereiro de 2013  Parâmetro desconhecido |Date= ignorado (|date=) sugerido (ajuda); |article= ignorado (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. Britton, Joseph W.; Sawyer, Brian C.; Keith, Adam C.; Wang, C.-C. Joseph; Freericks, James K.; Uys, Hermann; Biercuk, Michael J.; Bollinger, John J. (2012). «Engineered two-dimensional Ising interactions in a trapped-ion quantum simulator with hundreds of spins» (PDF). Nature. 484 (7395): 489–92. Bibcode:2012Natur.484..489B. PMID 22538611. arXiv:1204.5789Acessível livremente. doi:10.1038/nature10981  Nota: Este manuscrito é uma contribuição do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA e não está sujeito aos direitos autorais dos EUA (servidores da Wikipedia são localizados na Flórida, EUA).
  4. Manin, Yu. I. (1980). Vychislimoe i nevychislimoe [Computable and Noncomputable] (em Russian). [S.l.]: Sov.Radio. pp. 13–15. Consultado em 4 de março de 2013. Arquivado do original em 10 de maio de 2013 
  5. Feynman, Richard (1982). «Simulating Physics with Computers». International Journal of Theoretical Physics. 21 (6–7): 467–488. Bibcode:1982IJTP...21..467F. CiteSeerX 10.1.1.45.9310Acessível livremente. doi:10.1007/BF02650179  Parâmetro desconhecido |citeseerx= ignorado (ajuda)
  6. «A novel tool to probe the fundamental matter». Tech Explorist (em inglês). 17 de setembro de 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre física é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.