Simulation Theory

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Simulation Theory
Álbum de estúdio de Muse
Lançamento 9 de novembro de 2018
Gravação Janeiro de 2017 – Agosto de 2018
AIR Studios
(Londres, Inglaterra)
Gravadora(s) Warner Bros. Records, Helium 3
Produção Rich Costey, Mike Elizondo, Muse, Shellback e Timbaland
Cronologia de Muse
Drones
(2015)
Singles de Simulation Theory
  1. "Dig Down"
    Lançamento: 18 de maio de 2017
  2. "Thought Contagion"
    Lançamento: 15 de fevereiro de 2018
  3. "Something Human"
    Lançamento: 19 de julho de 2018
  4. "The Dark Side"
    Lançamento: 30 de agosto de 2018
  5. "Pressure"
    Lançamento: 27 de setembro de 2018
Capa da edição Super Deluxe
Simulation Theory (Super Deluxe)

Simulation Theory é o oitavo álbum de estúdio da banda britânica de rock Muse. Foi lançado oficialmente em 9 de novembro de 2018 através dos selos Warner Bros. Records e Helium 3.[1][2]

Muse tentou uma abordagem diferente para a produção de Simulation Theory em contraste com últimos três álbuns conceituais da banda (The Resistance, The 2nd Law e Drones), optando por focar em cada faixa individualmente em vez de focar no disco todo como um conceito. O trabalho começou em 2017, com três músicas sendo lançados em seguida, incluindo a canção "Dig Down". Em 2018, o grupo voltou ao estúdio, colaborando com o produtor Rich Costey, que já havia trabalhado com o Muse nos álbuns Absolution e Black Holes and Revelations.

O tema do álbum voltou a ficção científica e temas nostálgicos, conforme visto no material promocional. A capa do disco foi feita pelo artista Kyle Lambert, que trabalhara na série Stranger Things e os videoclipes foram dirigidos por Miike Snow e Twin Shadow, com toques futurista-retrô e de ficção, com uma temática anos 80, prestando homenagens a filmes como Back to the Future e Teen Wolf, o personagem Max Headroom, e o videoclipe da canção "Thriller" de Michael Jackson. Além de "Dig Down", as canções "Thought Contagion", "Something Human", "The Dark Side" e "Pressure" foram lançadas como single para divulgar o álbum.

Composição[editar | editar código-fonte]

Simulation Theory é um álbum de rock e synthpop que explora o conceito da hipótese da simulação. O disco toma um tema leve de ficção científica, em contraste com os trabalhos anteriores da banda, como The Resistance, The 2nd Law e Drones, que tinham temas mais 'obscuros'. A canção "Dig Down", a décima faixa do álbum e a primeira música composta para o novo trabalho, foi escrita por Matt Bellamy como uma reação ao clima político após o referendum a respeito do Brexit e a eleição de Donald Trump em 2016 nos Estados Unidos, esperando "dar inspiração, otimismo e esperança para as pessoas que lutam por causas que eles acreditam."[3] Já "Thought Contagion", a sétima faixa do disco, foi escrita no final de 2017 quando a banda retornou ao estúdio. Os versos da música se originaram das "ansiedades e sentimentos" de Bellamy após observar um estação de notícias americana e seu gancho. Uma parte da canção diz: "Você foi mordido por um verdadeiro crente / você foi mordido por alguém que está mais faminto que você / Você foi mordido pelas falsas crenças de alguém", que faz alusão as preocupações de Bellamy sobre o poder que a desinformação ou pessoas com viés ideológico têm sobre a audiência.[4][5]

Arte[editar | editar código-fonte]

A capa do álbum Simulation Theory foi feita pelo artista visual britânico Kyle Lambert, famoso por seu trabalho na série Stranger Things.[6][7] Assim como o trabalho anterior de Lambert, a arte tem um estilo retrô, com uma estética dos anos 80.[8] Já a capa da versão "super deluxe" foi desenhada por Paul Shipper, que tinha trabalhado com os postêrs da Dolby Cinema para alguns filmes do Walt Disney Studios Motion Pictures como Star Wars: The Last Jedi e Avengers: Infinity War.[6][9]

Promoção[editar | editar código-fonte]

Simulation Theory foi anunciado pela banda e pela gravadora Warner Bros em 30 de agosto de 2018, junto com a arte de capa, o título das faixas e a data de lançamento, 9 de novembro de 2018, com o material para a imprensa e uma mudança na cara da página oficial da banda para promover o novo disco.[10][11] A pré-venda do álbum começou no mesmo dia, junto com o lançamento de uma nova canção, "The Dark Side", junto com um vídeo musical.[10][11] A versão deluxe e super deluxe teria as mesmas faixas do disco, mais uma versão da música "Pressure" feita pela banda marcial da Universidade da Califórnia em Los Angeles e uma rendição gospel da canção "Dig Down".[6][12] Versões alternativas das faixas "Algorithm" e "The Dark Side", além de uma versão ao vivo de "Thought Contagion" e uma versão acústica das canções "Propaganda", "Something Human" e "The Void" também estariam nas versões estendidas do álbum.[6][7]

Gravação[editar | editar código-fonte]

O interior do AIR Studios, em Londres, onde as primeiras sessões de gravação de Simulation Theory aconteceram, em 2017.

Muse começou a escrever e compor as músicas para o novo disco após a turnê de divulgação de Drones ao fim de 2016. A banda passou um bom tempo nos estúdios AIR em Londres, Inglaterra,[13][14] com o produtor Mike Elizondo[15] até que a banda resolveu voltar para um turnê na América do Norte com PVRIS e Thirty Seconds to Mars, que começou em 20 de maio de 2017.[16] Três canções foram escritas e gravadas nestas sessões.[17] Uma dessas faixas, "Dig Down", foi lançada em 18 de maio.[18][19][20] Ao fim dessa nova turnê, o grupo seguiu para Los Angeles, na Califórnia, para recomeçar as gravações, desta vez com o colaborador de longa data Rich Costey, que já tinha co-produzido os discos Absolution e Black Holes and Revelations.[21][22]

"Eu acho que nos últimos dois ou três álbuns, nós sempre pensávamos sobre o todo. 'Qual é o conceito? Quais são os temas? Qual é o som? Quais são as texturas que nós vamos focar para este álbum?' É sempre bom nos relembrar para apenas pensar nas canções. O que faz uma canção ser boa?"[23]

Muse tomou uma postura diferente na hora de gravar Simulation Theory em contraste com seus trabalhos anteriores, desenvolvendo faixa por faixa, ao invés de trabalhar no álbum todo em ciclos de produção. Bellamy disse que isso permitira o grupo focar mais nas músicas individuais ao invés de dividir sua atenção entre múltiplas faixas e seu potencial som e temas.[24] A banda esperava assim aumentar a qualidade individual de cada canção e não tinham um tema em mente, até metade dos trabalhos. Uma das primeiras canções produzidas com Costey foi "Thought Contagion", baseada numa melodia de linha do baixo e um teremim, concebidas por Bellamy. A banda retomou as gravações em novembro de 2017, com a melodia original de teremim sendo trocada por um coral de vocal de dez camadas feito por Matt Bellamy e Chris Wolstenholme. As faixas deveriam ser apoiadas por sequências de bateria estilo-arena, antes da experimentação com programação levar a banda a um som de bateria inspirado na música trap que emulava um Roland TR-808. A faixa "Something Human", inspirada num som de folk rock, foi também co-produzida por Rich Costey. Shellback e Timbaland também co-produziram algumas faixas no álbum.[25][26]

Faixas[editar | editar código-fonte]

CD[27]
N.º Título Duração
1. "Algorithm"   4:06
2. "The Dark Side"   3:47
3. "Pressure"   3:56
4. "Propaganda"   3:01
5. "Break it to Me"   3:38
6. "Something Human"   3:47
7. "Thought Contagion"   3:26
8. "Get Up and Fight"   4:05
9. "Blockades"   3:51
10. "Dig Down"   3:48
11. "The Void"   4:45

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 63/100[29]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 4 de 5 estrelas.[30]
Classic Rock 4 de 5 estrelas.[31]
DIY 3 de 5 estrelas.[32]
The Guardian 3 de 5 estrelas.[33]
Kerrang! 4 de 5 estrelas.[34]
NME 4 de 5 estrelas.[35]
Rolling Stone 2 de 5 estrelas.[36]

Simulation Theory foi bem recebido pela crítica especializada. No site Metacritic, um agregador de notas de resenhas dos principais críticos, o álbum recebeu uma nota de 63 (de 100) baseada em dezenove resenhas, indicando "reviews geralmente favoráveis".[29] Neil. Z Yeung, da AllMusic, elogiou a combinação de pop eletrônico pop com a "fundação urgente de rock de estádio". Ele achou Simulation Theory o "álbum [do Muse] menos complicado e mais conceitual em uma década" e sentiu que "o meandro orquestral e dubstep dos anos anteriores [do Muse]" não estava presente.[30] Andrew Trendell da NME descreveu o álbum como "estilo Tron da própria adolescência [do Muse]", completando que "você ficará envergolhado de contar para alguém o quanto você amou [o disco]." Trendell escreveu que o Muse apresentou seu "estilo bombástico" ao "favorecendo seus prazeres obscuros" ao invés de através do "prog operacional" encontrado em seus outros álbuns.[35]

Michael Hann, do The Guardian, afirmou que o álbum que "vários momentos são excitantes", citando os arpejos e acordes pesados de "Blockades" e as linhas de baixo sintéticas e os acordes "urgentes" de "Algorithm". Hann comentou que os produtores como Shellback e Timbaland acharam "uma nova face para o Muse ... até certo ponto".[33] Christopher R. Weingarten da Rolling Stone disse que o álbum tem uma "mensagem confusa", com as letras misturando assuntos de relacionamento e temas políticos.[36]

Will Richards, escrevendo para a revista DIY, viu Simulation Theory como uma continuação dos "absurdos" de Drones e concluiu: "Se o álbum do Muse não é feito para te fazer rir, suspirar e ouvir duas vezes em seu ridículo, então não queremos ouvir."[32]

Tabelas[editar | editar código-fonte]

Pessoal[editar | editar código-fonte]

Créditos adotados de "Dig Down",[53] "Pressure",[54] "Something Human",[55] "The Dark Side"[56] e "Thought Contagion".[57]

Muse

Músicos adicionais

Produção

  • Laurence Anslow – assistente de engenharia de áudio (faixa 10)
  • Brent Arrowood – assistente de engenharia de áudio (faixa 10)
  • Tom Bailey - assistente de engenharia de áudio (faixa 6)
  • Tyler Beans – assistente de engenharia de áudio (faixas 2, 3, 7), assistente de produção (faixa 6)
  • Jeremy Berman - "assistente" [sic] (faixas 2, 3, 7)
  • Rob Bisel – assistente de engenharia de áudio (faixas 2, 3, 7), assistente de produção (faixa 6)
  • Phillip Broussard – assistente de engenharia de áudio (faixa 10), assistente de produção (faixa 6)
  • Adrian Bushby – assistente de engenharia de áudio (faixa 10)
  • Tommaso Colliva – assistente de engenharia de áudio (faixa 6)
  • Martin Cooke – assistente de engenharia de áudio (faixa 7), assistente de produção (faixa 6)
  • Rich Costey – produção (faixas 2, 3, 6, 7), engenheiro de som (faixa 6), masterização (faixa 7)
  • Mike Elizondo – produção e programação (faixa 10)
  • Nick Fournier – assistente de produção (faixa 6)
  • Michael Freeman – mixagem (faixas 2, 6, 10)
  • Chris Gehringer – masterização (faixa 7)
  • Noah Goldstein – assistente de produção (faixa 6)
  • Sam Grubbs - "assistente" [sic] (faixa 2, 3), assistente de produção (faixa 7)
  • Adam Hawkins - engenheiro de som (faixas 2, 3, 6, 7, 10), mixagem (faixas 3, 7)
  • Ted Jensen - masterização (faixa 10)
  • Aleks Von Korff - assistente de engenharia de áudio (faixas 2, 3, 7), assistente de produção (faixa 6)
  • Randy Merrill - masterização (faixa 6)
  • Dylan Neustadter - "assistente" [sic] (faixas 2, 3), assistente de produção (faixa 7)
  • John Prestage – assistente de engenharia de áudio (faixa 10)
  • Spike Stent – mixagem (faixas 2, 6, 10)
  • Chris Whitemyer - "assistente" [sic] (faixas 3, 7)
  • Colin Willard - "assistente" [sic] (faixa 3), assistente de produção (faixa 7)

Referências

  1. "Muse's Matt Bellamy: When Are We Planning to Release Our New Album. Video for 'Something Human' Streaming", (20 de julho de 2018). Ultimate-Guitar.com. Página acessada em 30 de agosto de 2018.
  2. Cross, Alan. "Alan Cross’ Weekly Music Recommendations: Some Muse, Some Metric." GlobalNews.ca. Acessado em 21 de julho de 2018.
  3. Slingerland, Calum (18 de maio de 2017). «Muse Return with "Dig Down"». Exclaim! (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2018 
  4. Bellamy, Matthew; Greene, Andy (2018). «Matt Bellamy on Muse's Rousing, Political New Song 'Thought Contagion'». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 1 de setembro de 2018 
  5. Beaumont, Mark (31 de agosto de 2018). «Muse's biographer: 'Simulation Theory' will find Muse going full 'San Junipero'». NME (em inglês). TI Media. Consultado em 2 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2018 
  6. a b c d Young, Alex (30 de agosto de 2018). «Muse announce new album, Simulation Theory, unveil "The Dark Side": Stream». Consequence of Sound (em inglês). Consequence Holdings, LLC. Consultado em 30 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2018 
  7. a b Connick, Tom (30 de agosto de 2018). «Muse's new album 'Simulation Theory' - everything we know so far». NME (em inglês). TI Media. Consultado em 30 de agosto de 2018. Arquivado do original em 30 de agosto de 2018 
  8. Lucchesi, Nick (30 de agosto de 2018). «Who Do We Blame for Muse's 'Simulation Theory'?». Inverse (em inglês). Inverse, LLC. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2018 
  9. Ewing, Jerry. «Muse to release new album Simulation Theory on November 9». Louder Sound (em inglês). Future plc. Consultado em 31 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2018 
  10. a b Sodomsky, Sam. «Muse Announce New Album Simulation Theory, Share Song "The Dark Side": Listen». Pitchfork. Condé Nast Inc. Consultado em 30 de agosto de 2018 
  11. a b c Blistein, Jon. «Muse Preview New Album 'Simulation Theory' With Slick Song 'The Dark Side'». Rolling Stone. Jann Wenner. Consultado em 30 de agosto de 2018 
  12. Andrew, Trendell (30 de agosto de 2018). «Muse unveil new single 'The Dark Side' and announce new album 'Simulation Theory'». NME (em inglês). TI Media. Consultado em 30 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2018 
  13. O'Connor, Roisin (6 de abril de 2017). «Muse are back in the studio recording new music». The Independent. Consultado em 1 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2018 
  14. Murphy, Sam (6 de abril de 2017). «Muse Are Back In The Studio And Have A New Song "Coming Soon"». Music Feeds. Consultado em 2 de setembro de 2018. Arquivado do original em 1 de setembro de 2018 
  15. Schulz, Chris (3 de março de 2017). «Superproducer Mike Elizondo 'blown away' by Kiwi singer». The New Zealand Herald. Consultado em 3 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2018 
  16. Cobo, Leila (20 de maio de 2018). «Muse Dazzles at Stunning Summer Tour Kickoff in West Palm Beach». Billboard. Consultado em 1 de setembro de 2018 
  17. Trendell, Andrew (14 de março de 2017). «Muse have recorded 'three new songs' in a London recording studio». NME. Consultado em 1 de setembro de 2018. Arquivado do original em 1 de setembro de 2018 
  18. Leight, Elias (18 de maio de 2017). «See Muse's Violent, Kung-Fu-Filled 'Dig Down' Video». Rolling Stone. Consultado em 4 de setembro de 2018 
  19. Strauss, Matthew. «Watch Muse's Video for New Song "Dig Down"». Pitchfork Media. Consultado em 1 de setembro de 2018 
  20. Geslani, Michelle (18 de maio de 2017). «Muse share action-packed video for new single "Dig Down"». Consequence of Sound. Consultado em 4 de maio de 2018. Arquivado do original em 1 de setembro de 2018 
  21. Trendell, Andrew (12 de outubro de 2017). «Muse are back in the studio – with an old friend and collaborator». NME. Consultado em 1 de setembro de 2018 
  22. Connick, Tom. «Muse's new album 'Simulation Theory' - everything we know so far». NME. Consultado em 30 de agosto de 2018 
  23. Bellamy, Matthew; Greene, Andy (1 de setembro de 2018). «Matt Bellamy on Muse's Rousing, Political New Song 'Thought Contagion'». Rolling Stone. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  24. Beaumont, Mark (31 de agosto de 2018). «Muse's biographer: 'Simulation Theory' will find Muse going full 'San Junipero'». NME. Consultado em 4 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2018 
  25. Variety staff (30 de agosto de 2018). «Muse Uses 'Stranger Things' as Inspiration for Cover Art to New Album». Variety. Consultado em 1 de setembro de 2018 
  26. Blistein, Jon (30 de agosto de 2018). «Muse Preview New Album 'Simulation Theory' With Slick Song 'The Dark Side'». Rolling Stone. Consultado em 30 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2018 
  27. «Simulation Theory by Muse on iTunes». iTunes Store GB. Apple Inc. Consultado em 30 de agosto de 2018 
  28. «Simulation Theory (Deluxe) by Muse on iTunes». iTunes Store GB. Apple Inc. Consultado em 30 de agosto de 2018 
  29. a b «Reviews for Simulation Theory by Muse». Metacritic. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  30. a b Yeung, Neil. «Muse Simulation Theory». AllMusic. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  31. Beaumont, Mark. «Muse: Simulation Theory album review». Classic Rock. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  32. a b Richards, Will. «Muse Simulation Theory». DIY. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  33. a b Hann, Michael (9 de novembro de 2018). «Muse: Simulation Theory review – bring back the alien overlords, please». The Guardian. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  34. «Simulation Theory - Review». Kerrang!: pg. 53. 10 de novembro de 2018 – via Wasted Talent Ltd 
  35. a b Trendell, Andrew (8 de novembro de 2018). «Muse – 'Simulation Theory' review». NME. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  36. a b Weingarten, Christopher (9 de novembro de 2018). «Review: Muse Get Lost in the Eighties on 'Simulation Theory'». Rolling Stone. Consultado em 13 de novembro de 2018 
  37. a b c d e f g h i j k l m n «Charts.com». Consultado em 31 de março de 2019 
  38. «Muse Chart History (Canadian Albums)». Billboard. Consultado em 1 de abril de 2019 
  39. "Muse - Official Charts Company". Página acessada em 31 de março de 2019.
  40. «EESTI TIPP-40 MUUSIKAS: hevi tuleb ja proovib räppi tappa!» (em estoniano). Eesti Ekspress. Consultado em 20 de novembro de 2018 
  41. «Top 100 Albumes – Semana 46: del 9.11.2018 al 15.11.2018» (PDF) (em espanhol). Productores de Música de España. Consultado em 21 de novembro de 2018 
  42. «Le Top de la semaine : Top Albums Fusionnes – SNEP (Week 46, 2018)» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 19 de novembro de 2018 
  43. «Top 40 album DVD és válogatáslemez-lista – 2018. 46. hét». MAHASZ. Consultado em 31 de março de 2019 
  44. ""Irish-charts.com – Discography Muse". Irish Recorded Music Association. Página acessada em 31 de março de 2019.
  45. "Oricon Top 50 Albums: 2018-11-19". Página acessada em 31 de março de 2019.
  46. «Top Album - Semanal (del 12 al 22 de noviembre 2018)» (em espanhol). Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  47. "Oficjalna lista sprzedaży :: OLiS - Official Retail Sales Chart". Página acessada em 31 de março de 2019.
  48. "Official Albums Chart Top 100". Página acessada em 31 de março de 2019.
  49. "Muse Chart History (Billboard 200)". Página acessada em 31 de março de 2019.
  50. "Simulation Theory - Les Certifications". Syndicat National de l'Édition Phonographique. Página acessada em 16 de janeiro de 2019.
  51. "Italian album certifications – Muse – Simulation Theory". Federazione Industria Musicale Italiana. Página acessada em 31 de março de 2019.
  52. "British album certifications – Muse – Simulation Theory". British Phonographic Industry. Página acessada em 16 de janeiro de 2019.
  53. «Dig Down». Warner Bros. Records. 18 de maio de 2017. Consultado em 8 de novembro de 2018. Arquivado do original em 5 de outubro de 2018 
  54. «Pressure». Warner Bros. Records. 27 de setembro de 2018. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  55. «Something Human». Warner Bros. Records. 19 de julho de 2018. Consultado em 5 de outubro de 2018. Arquivado do original em 5 de outubro de 2018 
  56. «The Dark Side». Warner Bros. Records. 30 de agosto de 2018. Consultado em 5 de outubro de 2018. Arquivado do original em 5 de outubro de 2018 
  57. «Thought Contagion». Warner Bros. Records. 15 de fevereiro de 2018. Consultado em 8 de novembro de 2018