Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde novembro de 2017). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (SETRERJ) é uma organização sindical patronal brasileira da área dos transportes.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Foi fundado como Associação Profissional dos Proprietários de Ônibus, tendo sido o empresário Lindolfo Chevränd, da Empresa Friburguense, que requereu a transformação da "associação" para "sindicato". Finalmente, no dia 11 de janeiro de 1951, foi expedida a carta sindical do SETRERJ.

Sua primeira sede do SETRERJ foi na Avenida Amaral Peixoto nº 60, no centro de Niterói. Em abril de 1989, o sindicato mudou-se para sede mais ampla, no edifício nº 467 da mesma avenida, onde permaneceu até maio de 2001. Hoje, a sede está localizada na Alameda São Boaventura nº 81, no bairro do Fonseca, também em Niterói.

O SETRERJ congrega trinta empresas de ônibus de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Tanguá, Maricá, Rio Bonito e Cachoeiras de Macacu, atual base territorial de representação.

No ano de 2016, o sindicato propôs uma ação judicial com o objetivo de proibir a circulação dos ônibus gratuitos da Prefeitura de Maricá, em todo o município.[2]

Em 2017, seu presidente Marcelo Traça Gonçalves foi preso pela Polícia Federal na Operação Ponto Final.[3]

Referências

  1. Leonardo Sodré (16 de abril de 2017). «Suten sugere que ônibus esperem na rua por vagas nas baias do Terminal - Setrerj avalia solução dada pelo órgão para sobrecarga de veículos». Consultado em 24 de novembro de 2017 
  2. Fania Rodrigues (3 de Novembro de 2016). «Maricá-RJ: Justiça proíbe ônibus gratuitos e população protesta». Consultado em 24 de novembro de 2017 
  3. Akemi Nitahara (3 de julho de 2017). «Empresas de ônibus do RJ faziam "caixinha da propina" para pagar autoridades». Consultado em 24 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]