Sismo e tsunami de Tohoku em 2011

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sismo e tsunami de Tohoku de 2011
Vista aérea de Sendai em 12 de março de 2011.
Localização do epicentro e intensidade do sismo e réplicas.
Epicentro 38° 19' 19.2" N 142° 22' 8.4" E
Profundidade 24
Magnitude 9,1[1] MW
Data 11 de março de 2011, 14h46min23 hora local
Zonas atingidas Japão
Vítimas 15 894 mortos confirmados, 6 152 feridos e cerca de 2 562 desaparecidos[2]

Sismo e tsunami de Tohoku de 2011 ou sismo e tsunami de Sendai (designado oficialmente Grande Terremoto do Leste do Japão[3][4]) foi um sismo de magnitude de 9,1 MW[5] com epicentro ao largo da costa do Japão ocorrido às 14h46 JTC (02h46 no horário de Brasília) do dia 11 de março de 2011. O epicentro foi a 130 km da costa leste da península de Oshika, na região de Tohoku, com o hipocentro situado a uma profundidade de 24,4 km. O sismo atingiu o grau 7 — a magnitude máxima da escala de intensidade sísmica da Agência Meteorológica do Japão — ao norte da Prefeitura de Miyagi, grau 6 em outras prefeituras e 5 em Tóquio.[6][7]

O sismo provocou alertas de tsunami e evacuações na linha costeira japonesa do Pacífico e em pelo menos 20 países, incluindo toda a costa do Pacífico da América do Norte e América do Sul. Provocou também ondas de tsunami de mais de 10 m de altura, que atingiram o Japão e diversos outros países. No Japão, as ondas percorreram mais de 10 km de terra.[8][9][10]

De acordo com as autoridades, houve 15 894 mortes confirmadas e mais de 2 500 pessoas ainda desaparecidos.[2] O sismo causou danos substanciais ao Japão, incluindo a destruição de rodovias e linhas ferroviárias, assim como incêndios em várias regiões, e o rompimento de uma barragem. Aproximadamente 4,4 milhões de habitantes no nordeste do Japão ficaram sem energia elétrica, e 1,4 milhão sem água.[11] Muitos geradores deixaram de funcionar e pelo menos dois reatores nucleares foram danificados, o que levou à evacuação imediata das regiões atingidas enquanto um estado de emergência era estabelecido. A Central Nuclear de Fukushima I sofreu uma explosão aproximadamente 24 horas depois do primeiro sismo, e apesar do colapso da contenção de concreto da construção, a integridade do núcleo interno não teria sido comprometida.[12][13]

Terremotos ocorrem quase que diariamente no Japão, que se localiza na junção de várias placas tectônicas que estão em constante movimentoː[14] do Pacífico, norte-americana, Eurasiática e das Filipinas. Contudo, estima-se que a magnitude do sismo de Sendai faça deste o maior sismo já registrado no Japão e um dos sete maiores do mundo desde que os registros modernos começaram a ser compilados.[15][16][17][18]

Sismo[editar | editar código-fonte]

O terremoto foi inicialmente registrado com a magnitude de 7,9 Mw pelo USGS antes de ser rapidamente corrigido e atualizado para 8,8 Mw, depois para 8,9 Mw, e, finalmente, para 9,0 Mw.[19] Em 11 de julho de 2016, o USGS aumentou ainda mais o terremoto para 9,1 Mw.[20] Sendai foi a cidade mais próxima do terremoto, a 130 km do epicentro. O terremoto ocorreu a 373 km a nordeste da cidade de Tóquio.[21]

Impacto geofísico[editar | editar código-fonte]

Relatórios do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da Servia sugerem que o efeito dos terremotos na região foi tão forte que o eixo da Terra foi alterado em 10 cm.[22] Um relatório separado do Serviço Geológico dos Estados Unidos disse que Honshu, a principal ilha do Japão, foi movimentada em 2,4 m na direção leste.[23]

Réplicas[editar | editar código-fonte]

O Japão sofreu mais de 1 000 sismos após o terremoto de 11 de Março de 2011, dos quais, 80 foram registrados acima da magnitude 6,0 Mw e vários outros foram superiores a magnitude 7,0 Mw.

Um grande sismo atingiu a costa do Japão no dia 7 de abril de 2011 com uma magnitude de 7,1 Mw.[24] Seu epicentro estava abaixo da superfície, a 66 km da costa de Sendai. A Agência Meteorológica do Japão atribuiu uma magnitude de 7,4 MJMA, enquanto o Serviço Geológico dos EUA informou que o sismo foi de 7,1 Mw. Pelo menos quatro pessoas morreram, e a eletricidade foi cortada em grande parte da região norte do Japão, incluindo a perda de energia externa para a Usina Nuclear de Higashidōri e a Usina de Reprocessamento de Rokkasho.[25][26]

Quatro dias depois, em 11 de abril, outro sismo foi registrado, com magnitude 7,1 Mw atingindo a região de Fukushima, causando danos adicionais e matando um total de três pessoas.[27][28]

Aeroporto de Sendai destruído pelo tsunami de 2011.

Em 7 de dezembro de 2012, um grande choque de magnitude 7,3 Mw causou um pequeno tsunami, e novamente em 26 de outubro de 2013 um pequeno tsunami foi registrado após um choque de 7,1 Mw.[29] Outros sismos foram registrados tempos depois, totalizando 1887 sismos com magnitude 4.0 Mw; um mapa regularmente atualizado mostrando todos os sismos com magnitude 4,5 e tanto acima quanto ao longo da costa leste de Honshu, além de outros sismos registrados durante do período.[30][31] A partir do dia 11 de março de 2016 ocorreram 869 sismos posteriores de 5,0 Mw ou mais, 118 sismos de 6,0 Mw ou mais, e outros 9 acima de 7,0 Mw, conforme foi relatado pela Agência Meteorológica japonesa.[32]

Tempo estimado de viagem do tsunami gerado pelo sismo.

Em 13 de Fevereiro de 2021, um terremoto de magnitude 7,1-7,3 Mw atingiu a costa de Sendai, causando alguns danos nas prefeituras de Miyagi e Fukushima e pelo menos 150 pessoas ficaram feridas, ocorrendo nas proximidades do 10º aniversário do sismo e tsunami de Tohoku ocorrido no dia 11 de Março de 2011.[33][34]

Tsunami[editar | editar código-fonte]

O sismo gerou um tsunami com ondas de quatro metros, estando alertas ativos para vários O aviso de tsunami emitido pelo Japão foi o de maior gravidade na escala de alertas, esperando-se que possam ser atingidos os 10 metros de altura de algumas ondas. Uma onda de 0,5 m de altura atingiu a costa norte do Japão A agência Kyodo relatou que uma onda de 4 m de altura atingiu a prefeitura de Iwate no Japão, e houve também inundações na prefeitura de Miyagi, arrasando a parte baixa da costa, levando automóveis e causando destruição.

O número de vítimas é impreciso, com relatos iniciais apontando mais de mil mortos e milhares de feridos.[35] Estes dados não contam com a destruição quase completa da cidade de Sendai.

Japão[editar | editar código-fonte]

Mapa do NOAA da altura da onda do tsunami.

O terremoto provocou um alerta de tsunami e evacuações da costa japonesa do Pacífico e de pelo menos outros 20 países, regiões e arquipélagos como Nova Zelândia, Austrália, Rússia, Guam, Filipinas, Indonésia, Papua-Nova Guiné, Nauru, Havai e Marianas Setentrionais (Estados Unidos), Alasca, Taiwan, Equador e Chile. O alerta de tsunami emitido pelo Japão foi o mais grave em sua escala de alerta, o que implica que a onda era esperada para ter uma altura de, ao menos, 10 metros de altura.[36][37][38] Uma onda desse tamanho ocorreu às 15h55 JST, causando inundações no Aeroporto de Sendai, que fica próximo da costa da Prefeitura de Miyagi,[39][40] com ondas varrendo carros e inundando vários edifícios conforme ia para o interior da ilha.[41][42] O impacto do tsunami em torno do Aeroporto de Sendai foi filmado por um helicóptero de notícias da rede NHK, mostrando vários veículos em estradas locais tentando escapar da onda que se aproximava rapidamente.[43] Uma onda de tsunami de 4 metros de altura atingiu a Prefeitura de Iwate.[44]

Como no Sismo do Oceano Índico de 2004 e no Ciclone Nargis, o dano da afluência de água, embora muito mais localizado, pode ser muito mais letal e destrutivo do que o terremoto em si. Há relatos de "cidades inteiras destruídas" nas áreas atingidas pelo tsunami no Japão, incluindo 9 500 desaparecidos em Minamisanriku;[45] Kuji e Ofunato que foram "varridas...não deixando nenhum vestígio de que uma cidade estava lá".[46]

Em outras partes do Pacífico[editar | editar código-fonte]

Animação do NOAA da propagação do tsunami.

Em Guam, dois submarinos de ataque dos Estados Unidos foram retirados de suas amarras, mas logo foram tomados ao abrigo do reboque.[47] O estado do Havaí estimou os danos à infra-estrutura pública em três milhões de dólares, com danos privados ainda maiores. Uma casa foi levada para o mar.[48]

O Centro de Alerta de Tsunami da Costa Oeste dos Estados Unidos e do Alasca emitiu um alerta de tsunami para as zonas costeiras da Califórnia e do Oregon, de Point Conception, na Califórnia, até à fronteira do Oregon e Washington.[49] Na Califórnia, o porto em Crescent City foi atingido por ondas de tsunami de oito pés, com docas e cerca de 35 barcos severamente danificados, enquanto o porto de Santa Cruz estimou prejuízos de 10 milhões de dólares como resultado dos danos, com outros 4 milhões de dólares em danos em embarcações que atracam ali.[50] A Ilha Catalina, na Califórnia e Brookings, no Oregon, também sofreram danos.[51][52]

Ao longo da costa do Pacífico no México e na América do Sul, foram registrados surtos de tsunami, mas na maioria dos lugares causou pouco ou nenhum dano.[53] O Peru relatou uma onda de 1,5 m e mais de 300 casas foram danificadas na cidade de Pueblo Nuevo de Colan e Pisco.[53]

Alertas[editar | editar código-fonte]

Vista aérea de área atingida pelo tsunami.

O sistema de alerta de terremotos da Agência Meteorológica do Japão alertou a população cerca de um minuto antes do tremor, através de emissoras de televisão e rádio, além de correio eletrônico e mensagens via celular para pessoas cadastradas no sistema.[54]

O sismo atingiu severamente Honshu, incluindo Tóquio. Verificaram-se numerosos incêndios em instalações industriais. Cerca de 13 horas depois do primeiro grande abalo, dois fortes sismos de magnitude 6,2 e 6,1 atingiram novamente a costa do Japão.[55] Um barco com cerca de 100 pessoas a bordo foi virado pelo tsunami que atingiu a costa do Japão. A embarcação estava na costa da prefeitura de Miyagi.[56] Um grande incêndio atingiu a cidade de Kesennuma.[57]

Centrais nucleares[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Acidente nuclear de Fukushima I
Mapa mostrando o epicentro do terremoto e a posição das centrais nucleares afetadas (legendas em inglês).

Outro dos efeitos do sismo foi a explosão ocorrida no dia 12 de março na Central Nuclear de Fukushima I.[58] O tsunami atingiu-a e provocou uma avaria no sistema de refrigeração. O corte de eletricidade impediu a recuperação desse sistema, permitindo que os bastões do combustível continuassem a aquecer, aumentando a pressão e originando a explosão.

No dia anterior fora declarado estado de emergência na central nuclear e, apesar da informação de que não existiam fugas radioativas, evacuaram-se cerca de 3 000 residentes num raio de 3 km do reator.[59] Horas depois o raio de evacuação tinha sido elevado para 10 km, afectando já 45 000 pessoas.[60] O reator é refrigerado através da circulação de água através do seu combustível nuclear, tendo sido detectada uma alta pressão de vapor no reator, o dobro do que é permitido. A empresa Tokyo Electric Power avaliou a possibilidade de libertar parte deste vapor para reduzir a pressão no mesmo, vapor esse que contém material radioativo. Os níveis de radiação na sala de controlo da central eram cerca de 1 000 vezes maiores que os níveis normais.[61] e na entrada da central foram medidos níveis 8 vezes superiores aos normais.[62][63] existindo a possibilidade do derretimento do núcleo dos reatores.[64]

O então primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, falou ao país após o sismo, lamentando a tragédia e oferecendo as suas condolências às famílias das vítimas. Indicou que seria realizada a construção de um quartel-general para as operações de emergência e assegurou que não foi detectada nenhum vazamento de radiação nas outras centrais nucleares do país.[65]

Reações internacionais[editar | editar código-fonte]

Marinheiros dos Estados Unidos carregando um helicóptero humanitário em um porta-aviões.

O Japão recebeu mensagens de condolências e ofertas de ajuda de diversos líderes internacionais. De acordo com as Nações Unidas, equipes de busca e resgate de 45 países foram oferecidas ao Japão. O país requisitou especificamente equipes da Austrália, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Reino Unido e Estados Unidos;[66][67] solicitou também (através de sua agência espacial JAXA) a ativação do International Charter on Space and Major Disasters, permitindo que imagens via satélite das regiões afetadas fossem compartilhadas de forma imediata com organizações de ajuda e resgate.[68] A Alemanha enviou especialistas do Technisches Hilfswerk, enquanto o Reino Unido enviou 70 técnicos, incluindo dois cães farejadores especialmente treinados para localizar sobreviventes soterrados.[69][70][71] Ma Ying-Jeou, presidente de Taiwan, requisitou ao governo a doação de 100 milhões de novos dólares taiwaneses ao Japão, enquanto uma equipe de resgate taiwanesa preparava-se para juntar-se aos esforços humanitários.[72]

O Governo brasileiro enviou nota de solidariedade ao Japão, prestando sinceras condolências a todo povo japonês. O Governo acompanha, com preocupação, os desdobramentos após o terremoto e o consequente tsunami. O Brasil possui a maior colônia de imigrantes japoneses e inúmeros descendentes. Cerca de 254 mil brasileiros vivem atualmente no Japão. A Embaixada do Brasil no Japão e os Consulados Gerais em Tóquio, Nagoia e Hamamatsu até o momento não têm notícia de mortos ou feridos brasileiros.[73][74]

O Presidente da República Portuguesa, Aníbal Cavaco Silva, enviou uma mensagem de condolências ao Imperador Akihito e ao povo japonês, em nome do povo português, pelas vítimas dos trágicos efeitos do sismo e do tsunami que atingiram o Japão.[75]

Reconstrução e recuperação do Japão[editar | editar código-fonte]

Após o terremoto e tsunami, foram realizados diversos trabalhos de recuperação e reconstrução das áreas atingidas.[76] Apesar de alguns atrasos, o governo japonês gastou e investiu bilhões de dólares na recuperação das comunidades, através de ações como a elevação das cidades, construção de barreiras e muros contra futuros tsunamis, além da limpeza e descontaminação das regiões afetadas pelo vazamento de radiação da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi I.[77]

Em Minamisanriku, na província de Miyagi, na região onde antes era a cidade, foi construído o Parque Memorial do Terremoto em Minamisanriku. Inaugurado no dia 17 de Dezembro de 2019, o parque possui locais e monumentos em memória as vítimas do terremoto e do tsunami na cidade, dentre eles, a estrutura de prédio do departamento de prevenção de desastres da cidade que permaneceu em pé após o tsunami.[78]

Em Futaba, na província de Fukushima, foi inaugurado e aberto ao público em 2020 o Museu do Grande Terremoto do Leste do Japão e Memorial do Desastre Nuclear na cidade, localizado a quatro quilômetros da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi I, possui seis seções, contando com um acervo de 240 mil itens como imagens, vídeos, telas e objetos, além da colaboração de moradores contando suas experiências pessoais sobre a cidade antes e depois do terremoto e o tsunami, a evacuação e o trabalho de descontaminação.[79]

Em Rikuzentakata, na província de Iwate, foi inaugurado o Memorial do Tsunami de Iwate em 2020.[80] Dividido em quatro zonas, o museu conta com um acervo de 150 itens em exposição sobre o terremoto e o tsunami em 2011 tanto na cidade quanto ao longo da costa de Sanriku, além de falar sobre os perigos causados por estes tipos de desastres naturais.[81]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Análise do USGS de 13-03-2011». Earthquake.usgs.gov. Consultado em 13 de março de 2011 
  2. a b "Damage Situation and Police Countermeasures... 10 February, 2016" National Police Agency of Japan. Retrieved 4 March, 2016. (from "deaths" template)
  3. «Conferência de imprensa do primeiro-ministro Naoto Kan» (em inglês). Gabinete do Primeiro-Ministro do Japão. Consultado em 1 de abril de 2011. Arquivado do original em 18 de abril de 2011 
  4. «Kan names quake at pep talk». The Japan Times. 2 de abril de 2011. Consultado em 2 de abril de 2011. Cópia arquivada em 4 de abril de 2011 
  5. «M 9.1 - near the east coast of Honshu, Japan». earthquake.usgs.gov. Consultado em 18 de novembro de 2016 
  6. Reilly, Michael (11 de março de 2011). «Japan's quake updated to magnitude 9.0». New Scientist. Consultado em 11 de março de 2011 
  7. Roland Buerk. «Japan earthquake: Huge relief mission launched». News. UK: BBC. Consultado em 12 de março de 2011 
  8. «Tsunami bulletin number 3». Pacific Tsunami Warning Center/NOAA/NWS. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  9. Wire Staff (11 de março de 2011). «Tsunami warnings issued for at least 20 countries after quake». CNN. Consultado em 11 de março de 2011 
  10. «PTWC warnings complete list». Consultado em 11 de março de 2011 
  11. «World English». NHK. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 23 de julho de 2012 
  12. Wire Staff. «Report: Explosion at Japanese nuclear plant». World. CNN. Consultado em 12 de março de 2011 
  13. «Huge blast at Japan nuclear power plant (with video of explosion)». BBC News. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011 
  14. «O Terremoto no Japão - Mundo Educação». Mundo Educação. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  15. «Magnitude 8.9 – NEAR THE EAST COAST OF HONSHU, JAPAN 2011 March 11 05:46:23 UTC». United States Geological Survey (USGS). Consultado em 11 de março de 2011 
  16. «8.9 Earthquake in Japan, Tsunami Warning to Russia, Taiwan and South East Asia». 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  17. «Japan quake – 7th largest in recorded history». 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  18. «Terremoto no Japão é 7º mais forte da história». BBC News Brasil. 11 de março de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  19. «M 9.1 – near the east coast of Honshu, Japan». earthquake.usgs.gov. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  20. «Japan Earthquake Not the "Big One"?». National Geographic News (em inglês). 16 de março de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  21. «Japan earthquake and tsunami: what happened and why». the Guardian (em inglês). 11 de março de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  22. «Earthquake Shifts Japan Islands and Earth Axis». The World Reporter. Consultado em 12 de março de 2011 
  23. «Terremoto moveu costa do Japão, alterou equilíbrio da Terra e reduziu duração dos dias». BBC News Brasil. 14 de março de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  24. EFE, Agencia (7 de abril de 2011). «Terremoto de magnitude 7,4 atinge Japão; há alerta de tsunami». Mundo. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  25. «Four dead as new tremor hits Japan disaster zone». 8 de abril de 2011. Consultado em 8 de abril de 2011 
  26. «Fukushima Nuclear Accident Update Log». www.iaea.org (em inglês). 7 de abril de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  27. «Magnitude 6.6 - EASTERN HONSHU, JAPAN». web.archive.org. 28 de julho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  28. «At least 6 killed in new Japan earthquake». web.archive.org. 2 de junho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  29. «3県で津波観測、注意報を解除 福島沖でM7.1:朝日新聞デジタル». 26 de outubro de 2013. Consultado em 26 de outubro de 2013 
  30. «10-degree Map Centered at 35°N,140°E». web.archive.org. 28 de julho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  31. «Tōhoku, Japan 2011 Tsunami». www.ngdc.noaa.gov. 22 de agosto de 2013. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  32. «気象庁|M5.0以上の余震回数». www.data.jma.go.jp. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  33. «Terremoto que atingiu região de Fukushima provoca abalo 10 anos depois no Japão». CNN Brasil. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  34. «Terremoto com epicentro no mar a leste do Japão é sentido em Tóquio e Fukushima». G1. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  35. publico.pt. «Catástrofe poderá ter feito mais de mil mortos». Consultado em 11 de março de 2011 
  36. «Japan hit by massive earthquake». BBC News. 11 de março de 2011 
  37. Reuters. «Quake causes many injuries in Japan, tsunami». Consultado em 11 de março de 2011 
  38. «Japan hit by massive earthquake». BBC News. 11 de março de 2011 
  39. «News: Tsunami rolls through Pacific, Sendai Airport under water, Tokyo Narita closed, Pacific region airports endangered». Avherald.com. 6 de julho de 2001. Consultado em 11 de março de 2011 
  40. «10-meter tsunami observed in area near Sendai in Miyagi Pref». The Mainichi Daily News. 11 de março de 2011. Consultado em 11 de março de 2011 
  41. «Japan 8.9-magnitude earthquake sparks massive tsunami». Herald Sun. Associated Press. Consultado em 11 de março de 2011 
  42. Herald Sun. «Japan 8.9-magnitude earthquake sparks massive tsunami». Consultado em 11 de março de 2011 
  43. NHK News, ~16:00 JST.
  44. «Earthquake, tsunami wreak havoc in Japan». rian.ru. 11 de março de 2011. Consultado em 13 de março de 2011 
  45. «9,500 unaccounted for in Miyagi's Minamisanriku: local gov't - The Mainichi Daily News». Mdn.mainichi.jp. Consultado em 13 de março de 2011 
  46. «Whole towns gone-no cars or people seen». Yomiuri. Consultado em 13 de março de 2011 
  47. Navy braces for tsunami, prepares for relief mission, Navy Times, Sam Fellman, 11 Mar 2011
  48. State estimates tsunami damage at $3 million or more, Star Advertiser, B.J. Reyes, 11 de março de 2011
  49. «Tsunami Warning and Advisory #7 issued 03/11/2011 at 3:39 am PST». Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 18 de abril de 2011 
  50. Tsunami Damages Santa Cruz, Crescent City Harbors Arquivado em 16 de março de 2011, no Wayback Machine., KSBW, 11 de março de 2011
  51. Brookings reports extensive harbor damage from tsunami, KVAL, 11 March 2011
  52. Tsunami: Swell overturns 10 boats on Catalina Island, LA Times, 11 de março de 2011
  53. a b Minor damage in Latin America by Japan's tsunami, channelnewsasia.com, 13 de março de 2011
  54. G1. «Sistema de alerta de terremotos soou um minuto antes do tremor». Consultado em 11 de março de 2011 
  55. globo.com. «Mais dois fortes terremotos atingem a costa do Japão». Consultado em 11 de março de 2011 
  56. Tsunami vira embarcação com 100 a bordo na costa do Japão, diz agência. G1
  57. G1. «Grande incêndio atinge cidade na costa japonesa após terremoto». Consultado em 11 de março de 2011 
  58. publico.pt. «Central nuclear no Japão sofre explosão o». Consultado em 12 de março de 2011 
  59. Reuters América Latina. «Emergencia en planta nuclear de Japón, sin pérdida». Consultado em 11 de março de 2011 
  60. El Mundo. «Personal de la Agencia Japonesa de Seguridad Industrial y Nuclear han informado que los niveles de radiactividad son mil veces superiores a los normales». Consultado em 11 de março de 2011 
  61. Kyodo News English. «Radiation 1000 times higher than normal detected at nuke plant». Consultado em 11 de março de 2011. Cópia arquivada em 13 de março de 2011 
  62. «Official: 2 Japanese plants struggling to cool radioactive material». Consultado em 12 de março de 2011 
  63. «News blog on earth quake events, CNN». Consultado em 12 de março de 2011 
  64. «Graves problemas en dos centrales nucleares de Fukushima fuerzan una evacuación masiva». Consultado em 12 de março de 2011 
  65. publico.pt. «Tsunami atinge Japão após sismo de magnitude 8.9». Consultado em 11 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de março de 2011 
  66. Nebehay, Stephanie (12 de março de 2011). «Japan requests foreign rescue teams, UN says». Reuters. Consultado em 12 de março de 2011 
  67. «Japan earthquake: Aid request to the UK». BBC News. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011 
  68. «Disaster Charter – Earthquake in Japan». Disasterscharter.org. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 16 de março de 2011 
  69. «Erdbeben in Japan – Angst vor der Kernschmelze – Panorama – sueddeutsche.de». Süddeutsche Zeitung. Consultado em 12 de março de 2011 
  70. «UK sends 70 rescuers» 
  71. «Japan earthquake: Aid request to the UK». BBC News. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011 
  72. «Cópia arquivada» 因應日本宮城縣災情擴大,中華民國政府捐贈日本政府新台幣一億元協助賑災,並呼籲國內各界踴躍捐輸。 (em chinês). Ministry of Foreign Affairs of the Republic of China (Taiwan). 12 de março de 2011. Consultado em 12 de março de 2011. Arquivado do original em 18 de março de 2011 
  73. «Câmara envia nota de solidariedade por terremoto e tsunami no Japão». Consultado em 11 de março de 2011 
  74. «Terremoto no Japão - Nota à Imprensa do Ministério das Relações Exteriores». Consultado em 11 de março de 2011 
  75. «Presidente enviou condolências ao Imperador Akihito pelas vítimas do terramoto e do tsunami que atingiram o Japão». Presidência da República Portuguesa. Consultado em 14 de março de 2011 
  76. «Japoneses trabalham para reerguer país depois de terremoto e tsunami em 2011». GZH. 10 de março de 2012. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  77. G1, Do; Paulo, em São (11 de março de 2016). «Tsunami no Japão: fotos mostram antes e depois de áreas destruídas». Mundo. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  78. 南三陸町. «南三陸町震災復興祈念公園が全体開園します». 南三陸町 (em japonês). Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  79. «Museu sobre desastre nuclear é inaugurado em Fukushima | NHK WORLD-JAPAN News». NHK WORLD. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  80. «Iwate Tsunami Memorial Museum». iwate-tsunami-memorial.jp. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 
  81. «The Iwate Tsunami Memorial Museum: Preserving the Past and Protecting Lives by Passing down the Lessons of Disaster». nippon.com (em inglês). 27 de novembro de 2020. Consultado em 14 de fevereiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias