Sistema faxinal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Faxinal de Papanduva de Baixo em Prudentópolis, um dos mais preservados do Paraná

O sistema faxinal é um sistema camponês tradicional de produção animal e agrícola encontrado no sul do Brasil e especialmente no estado do Paraná. Um faxinal é caracterizado pelo uso comum da terra para produção animal coletiva através de criadouros comunitários, produção agrícola para consumo e comercialização e de extrativismo florestal de baixo impacto.[1] Estima-se que as comunidades de faxinais remontam a dois ou três séculos atrás.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Formas comunitárias de exploração de terras são encontradas em partes da Ásia, África e Europa. Exemplos como os baldios em Portugal e os montes em mano común na Galícia (Espanha) mostram que a tradição remonta a muitos séculos e presume-se que este sistema possa ter originado com os povos Celtas. Há muitas hipóteses não confirmadas sobre a origem dos faxinais, mas sabe-se que o sistema faxinal existente no Paraná é fortemente influenciado e preservado por descendentes de imigrantes de origem eslava, principalmente polaca e ucraniana, que chegaram ao estado no final do século XIX.

Características[editar | editar código-fonte]

Características de um faxinal típico

De acordo com a pesquisadora Mayra Lafoz Bertussi, "Os povos de faxinais se vêem e são classificados hoje como povos tradicionais cuja característica preponderante é o uso comum da terra e dos recursos florestais e hídricos disponibilizados na forma dos denominados “criadouros comunitários”".[2]

A organização dos faxinais é flexível e pode ser divida em 4 categorias:

  • Faxinal com demarcação das propriedades e a criação compartilhada da pastagem disponível.
  • Faxinal com cerca formada por 4 fios de arame para bloquear a passagem de animais de grande porte para proteger algum tipo de cultura específica.
  • Faxinal com cerca de vêdo compostas de muitos fios de arame impedindo a passagem até de animais de pequeno porte.
  • Faxinal onde os animais são criados em total confinamento.

O faxinal é um sistema de uso sustentável dos recursos naturais que gera atividade econômica para a região característico pela preservação ambiental e vida em comunidade.

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Faxinalense do Paraná

Apesar da resistência dos faxinalenses, os sistemas faxinais estão caindo em desuso por diversas razões. Devido a divisão de terra dos herdeiros e ao êxodo rural, o sistema faxinal foi gradualmente perdendo o seu caráter coletivo. Muitos passaram a produzir culturas individuais ou venderam suas terras. Outra grande ameaça ao sistema é a expansão de monoculturas como eucalipto, pínus, milho e soja que causam desmatamento florestal, contaminação das águas e esgotamento de recursos hídricos.

De acordo com o professor de sociologia Emanuel Menim, "Há décadas que o modelo da agricultura convencional e a mercantilização das terras avançam gradualmente sobre os territórios faxinalenses, principalmente por meio das empresas do agronegócio. Há também outro antagonista: o chacareiro. Na ótica dos faxinalenses, chacareiros são pessoas que procuram um pedaço de terra e a encontra em meio aos faxinais, seja para o lazer e ou descanso, seja para empreender alguma forma de produção econômica, mas estes não compreendem o modo de vida faxinalense e por isto cercam suas terras diminuindo o território do faxinal, diminuindo a área de reprodução social e econômica do povo tradicional."[3]

O decreto estadual Nº 3.446/97 aprovado em 25 de junho de 1997 reconheceu a existência dos faxinais como um sistema de produção camponês tradicional, característico da região Centro-Sul do Paraná.[1] Durante esta época, eram reconhecidos ao menos 152 comunidades.

Hoje em dia estima-se que há cerca de 40 faxinais no estado do Paraná. Prudentópolis/PR é a cidade com a maior concentração de faxinais sendo preservada pelos descendentes ucranianos que imigraram para a região no final do século XIX.

Referências

  1. a b Paraná. (25 jul. 1997). Decreto Estadual Nº 3.446/97. Sistema de Informações Ambientais. Curitiba: CELEPAR. Consultado em 10 de fevereiro de 2019.
  2. Bertussi, Mayra Lafoz. (2009). Faxinais: um olhar sobre a territorialidade, reciprocidade e identidade étnica. In: Almeida, A. W. B.; Souza, R. M. Terras de Faxinais. Manaus: UEA. p. 150–166. Consultado em 10 de fevereiro de 2019.
  3. Menim, Emanuel. (2014). Faxinalenses: identidade étnica e política e a luta pelo reconhecimento social. (Dissertação). Curitiba: UFPR. 166 f. Consultado em 10 de fevereiro de 2019.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]