Sistema social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Uma universidade pode ser considerada um exemplo de sistema social.

Um sistema social é uma série de inter-relações padronizadas existentes entre os indivíduos, grupos e instituições, formando um todo.[1] Pode, ainda, ser definido como um coletivo de pessoas que assumem diferentes tipos de tarefas para atingir objetivos e resolver problemas em comum. O termo pode ser aplicado a um grupo de dois ou mais indivíduos, organizações complexas ou sociedades inteiras. Para os membros de um sistema social cooperarem, deve haver uma linguagem e alguma similaridade entre eles, embora, dentro do sistema, possam existir variadas subculturas e códigos, assim como diferenças individuais.[2]

Parsons[editar | editar código-fonte]

Talcott Parsons foi o primeiro a formular uma teoria sistemática dos sistemas sociais, o que ele fez como uma parte de seu paradigma AGIL. Ele definiu um sistema social como apenas um segmento (ou um "subsistema") do que ele chamou de "teoria da ação".[3]

Forrester[editar | editar código-fonte]

Jay Wright Forrester fundou o campo da dinâmica de sistemas, que lida com a simulação de interações em sistemas dinâmicos. Em seu trabalho sobre sistemas sociais, ele discute as possibilidades da dinâmica de sistemas sociais, ou de modelagem de sistemas sociais usando computadores com o objetivo de testar possíveis efeitos da aplicação de novas leis ou políticas públicas. Em seu estudo, ele reconheceu a dificuldade de se criar um modelo computacional confiável, mas argumentou que é preferível um modelo imperfeito à ausência de modelo, na hora de se implementar uma política pública.[4]

Forrester argumentou que políticas públicas mal-sucedidas visam mais ao tratamento dos sintomas do que das causas dos problemas sociais, e que elas focam mais nos esforços do que nos resultados. Isso ocorre porque há uma incompreensão dos governantes sobre as causas dos problemas, o que leva ao agravamento dos problemas ou à criação de novos problemas. Um outro problema levantado por Forrester é que políticas que resolvem o problema a longo prazo podem, a curto prazo, agravar o problema. Uma política bem-sucedida, segundo Forrester, precisa mirar nos corretos pontos de alavancagem.

Modelagem[editar | editar código-fonte]

Um problema significativo quando se estudam sistemas sociais é a dificuldade de criar e testar teorias. Sistemas sociais não são facilmente manipuláveis ou controláveis, e sistemas de grande escala não podem ser reproduzidos em laboratório.[5] Entretanto, o grande aumento da disponibilidade de dados digitais no início do século XXI vem permitindo que os cientistas sociais construam modelos bem detalhados de como os sistemas sociais funcionam.[6] Além disso, o desenvolvimento de plataformas sociais como Facebook e Twitter oferece novas possibilidades de estudo dos sistemas sociais usando gráficos sociais.[7]

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Parsons, Talcott. (1970). The System of Modern Societies, New York
  • Parsons, Talcott. (1977). Social Systems and the Evolution of Action Theory, New York
  • Parsons, Talcott. (1978). Action Theory and the Human Condition, New York

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Predefinição:Citar website e
  2. James Watson; Anne Hill (2006). Dictionary of Media and Communication Studies. A&C Black. p. 283. ISBN 978-0-340-91338-3.
  3. Parsons, Talcott. (1951).
  4. Constitution Society. Disponível em http://www.constitution.org/ps/cbss.htm. Acesso em 22 de dezembro de 2018.
  5. Social Systems. Disponível em https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/03081078508934877. Acesso em 22 de dezembro de 2018.
  6. Predicting the Behavior. Disponível em http://www.gleamviz.org/wp-content/uploads/2009/04/science2009.pdf. Acesso em 22 de dezembro de 2018.
  7. Extending Systems. Disponível em https://thesystemsthinker.com/extending-systems-thinking-to-social-systems/. Acesso em 22 de dezembro de 2018.