Sitta magna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaSitta magna
SittaMagnaSmit.jpg
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Distribuição geográfica
Giant nuthatch distribution.png

Sitta magna é uma espécie de aves da família Sittidae originária de zonas da Ásia oriental. É a espécie de maior tamanho do seu género, com 19,5 cm de comprimento,[2] e é predominantemente de cor cinzenta com excepção de alguns tons castanhos avermelhados nas partes ventrais da fêmea, cuja lista ocular é mais clara do que a do macho. O bico é bem mais volumoso do que o doutros Sitta.

Vivem nas montanhas do sudoeste da China e norte da Tailândia, acredita-se que já esteja extinta em Myanmar. O seu habitat natural são as florestas de pinheiros nas montanhas tropicais ou subtropicais. No norte da Tailândia utilizam o Pinus kesiya para se alimentarem e nidificar. Ambos os pais cuidam das suas crias. Têm geralmente três pintainhos, que abandonam o ninho passados 20 a 23 dias da eclosão.[3]

Montanha Doi Ang Khang - Tailândia

Conservação[editar | editar código-fonte]

Esta espécie está gravemente ameaçada pela desflorestação dos seus habitats montanhosos do sudoeste da China. Como precisa de grandes árvores para construir os seus ninhos nos buracos, é muito sensível à eliminação das árvores grandes, e a BirdLife International na sua publicação de 2013 classificou esta espécie como em perigo porque acredita-se que a actual população, antes estimada em 10 000 indivíduos, é de apenas 2 500 e continua a baixar.

Referências

  1. BirdLife International (2013). «'Sitta magna'». Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas da UICN 2013.2 (em inglês). ISSN 2307-8235. Consultado em 26 November 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Harrap, Simon and Quinn, David; Tits, Nuthatches and Treecreepers (Helm Identification Guides); p. 169. ISBN 0713639644
  3. K. Charonthong & N. Sritasuwan (2009). «Behavior of the Giant Nuthatch (Sitta magna)». Research Journal of Biological Sciences. 4 (11): 1142–1147 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]