Skírnismál

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Skírnismál
AM 748 I 4to, um dos manuscritos que preservaram o Skírnismál.
A balada de Skírnir
Parte de:
Edda em verso
Portal da Mitologia nórdica

Skírnismál (A balada de Skírnir, A canção de Skírnir, A jornada de Skírnir) é um dos poemas mitológicos da Edda em verso, uma colecção de poemas em norueguês antigo. Foram preservados inicialmente no manuscrito medieval islandês Codex Regius, do século XIII e no manuscrito AM 748 I 4to.[1][2]

Alguns peritos acreditam que o poema pode ser representado como sendo uma espécie de hieros gamos.

O prólogo em prosa do poema relata que o deus Freyr, filho de Njord, sentou-se no trono de Odin, o Hliðskjálf, a observar todos os mundos. Enquanto via o mundo dos gigantes, Jotunheim, Freyr reparou numa bela jovem, e logo se apaixonou. Temendo que fosse impossível conquistá-la, foi invadido pela tristeza e melancolia.[3]

Poemas do Codex Regius[editar | editar código-fonte]

  • Völuspá (A profecia da mulher sábia, A profecia da vidente)
  • Hávamál (A balada do mais alto, Os ditos de Hár, Os ditos do mais alto)
  • Vafþrúðnismál (A balada de Vafthrúdnir, A canção de Vafthrúdnir, Os ditos de Vafthrúdnir)
  • Grímnismál (A balada de Grímnir, A canção de Grímnir, Os ditos de Grímnir)
  • Skírnismál (A balada de Skírnir, A canção de Skírnir, A jornada de Skírnir)
  • Hárbarðsljóð (O poema de Hárbard, A canção de Hárbard)
  • Hymiskviða (A canção de Hymir, O poema de Hymir)
  • Lokasenna (A discussão de Loki, O cinsurso de insultos de Loki, A disputa de Loki)
  • Þrymskviða (A canção de Thrym, O poema de Thrym)
  • Völundarkviða (A canção de Völund)
  • Alvíssmál (A balada Alvís, A canção Alvís, Os ditos de toda a sabedoria)

Referências

  1. «Old Norse Religion in Long-term Perspectives: Origins, Changes, and ...». Goggle books. Consultado em 11 de abril de 2016 
  2. «The Poetic Edda». cybersamurai. Consultado em 9 de agosto de 2011 
  3. «SKIRNISMOL». Sacred texts. Consultado em 11 de abril de 2016