Skeptical Inquirer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Skeptical Inquirer
Editor Kendrick Frazier
Frequência bimensal
Editora Committee for Skeptical Inquiry
Circulação 50.000 exemplares [1]
(Nos EUA)
País Estados Unidos da América
Idioma Inglês
Baseada em Amherst, New York
Primeira edição 1976
ISSN 0194-6730
www.csicop.org/si/

A Skeptical Inquirer é uma revista bimestral americana publicada pelo Committee for Skeptical Inquiry (CSI) com o subtítulo The magazine for science and reason (A Revista Para a Ciência e Razão).

A declaração de missão do CSI é "incentivar a investigação crítica do paranormal e das alegações das pseudociências de um ponto de vista responsável, e científico e disseminar informações factuais sobre os resultados dessas investigações para a comunidade científica e para o público." A Skeptical Inquirer é uma revista internacional focada em ciência, mas não é uma publicação acadêmica.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

O conteúdo consiste de artigos, colunas e resenhas de livros que examinam criticamente uma variedade de tópicos, como percepção extrassensorial, homeopatia, astrologia, SETI, controvérsia evolução-criacionismo, aquecimento global, negação da AIDS, a historicidade de personagens lendários como Rei Artur, ou diagnósticos médicos controversos como TDAH. São também explorados tópicos que preocupam cientistas e estudiosos, pois a revista também tem por missão examinar tópicos que interessam ao público em geral.[2]

No décimo terceiro aniversário da Skeptical Inquirer, em 2006, o fundador do CSICOP Paul Kurtz listou suas quatro políticas mais duradouras:

Se um artigo critica um proponente de uma alegação sobrenatural, a ele ou ela deve sempre ser dada a oportunidade de se defender.[3] Alguns usaram essa oportunidade como Suitbert Ertel e Michel Gauquelin (em inglês), por exemplo.[carece de fontes?]Cecil Adams (em inglês) da coluna do jornal Chicago Reader chamada The Straight Dope disse que o Skeptical Inquirer " é uma das mais importantes publicações anti-malucos dos Estados Unidos".[4]

História[editar | editar código-fonte]

A revista originalmente se chamava The Zetetic (O Zetético) e fou fundada e originalmente editada por Marcello Truzzi. A primeira edição foi de junho de 1976.[3] Um ano depois houve uma disputa pelo o Comitê de Investigação de Alegações Científicas do Sobrenatural (CSICOP): Truzzi queria incluir os proponentes de ideias do paranormal no grupo e na revista. Seguido por um voto de desconfiança contra Truzzi, ele se demitiu, e a revista trocou de nome para Skeptical Inquirer (começando com o volume 2, número 2) e Kendrick Frazier (o ex editor da Science News) se tornou o novo editor.

Ela manteve o nome The Zetetic como um subtítulo até o volume quatro. A revista inicialmente era uma revista bienal, em um formato digest (15 cm por 23 cm). Em dois anos se tornou uma revista trimestral; então em 1994 ela começou a ser publicada bimestralmente. Em 1995 se tornou uma revista de tamanho normal (21 cm por 27 cm). Desde janeiro de 1996, seu subtítulo tem sido: The magazine for science and reason (A revista para ciência e razão). Em 1998 a revista passou a ser impressa em papel couché. Em dezembro de 2012 Frazier continuava sendo o editor e Benjamin Radford seguia sendo o editor chefe [5] . A revista tem escritórios em Amherst, Nova Iorque.

Em 9 de outubro de 2010, o CSI se reuniu no Hotel Biltmore Millennium em Los Angeles para discutir os planos de futuro e expandir o Conselho Executivo que é o "corpo de definição de políticas oficiais" do CSI. Organizado pelo Diretor Executivo Barry Karr o comitê anunciou que os seguintes membros também fariam parte do comitê da revista. James Alcock, Kendrick Frazier, Ray Hyman, Scott O. Lilienfeld, Amardeo Sarma, Eugenie C. Scott, David E. Thomas, Leonard Tramiel e Benjamin Wolozin. (Essa lista expandiu nos meses seguitntes, adcionando Elizabeth Loftus e Karen Stollznow).[6] Também foi decidido que voltariam as conferências do CSI, as próximas marcadas para o perído de 27 a 30 de outubro de 2011.[7]

Coleções[editar | editar código-fonte]

Existem várias coleções de artigos da Skeptical Inquirer que foram reunidos em livros na maioria editados por Frazier. Um DVD e um CD-ROM de todos os artigos dos primeiros vinte e nove anos desde o lançamento. Os Livros com coleções de artigos são:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «The bull fighter». City Newspaper (Rochester, NY [s.n.]). 2002-09-18. Consultado em 2008-04-16. 
  2. Frazier, Kendrick (maio/junho de 2009). «É o que fazemos». Skeptical Inquirer [S.l.: s.n.]: 4. 
  3. a b c Paul Kurtz (2006). «Science and the Public: Summing Up Thirty Years of the Skeptical Inquirer». Skeptical Inquirer [S.l.: s.n.] 30 (5): 13–19.  Parâmetro desconhecido |month= ignorado (|data=) (Ajuda)
  4. «Existem mensagens subliminares secretamente embutidas nas propagandas?» (em inglês). The Straight Dope. 26 de junho 1987. Consultado em 2007-04-30. 
  5. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  6. CSI (5 de maio de 2011). «CSI Adiciona ao Conselho Executivo - Karen Stollznow e Elizabeth Loftus». Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em Acessado em 20 de março de 2013. 
  7. Frazier, Kendrick; Barry Karr (janeiro/fevereiro de 2011). «CSI(COP) Renova e Expande o Conselho Executivo e planeja futuras atividades». Skeptical Inquirer (em inglês) Committee for Skeptical Inquiry [S.l.] 35 (1): 5. 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]