Sleeping Beauty (2011)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sleeping Beauty
No Brasil Beleza Adormecida
 Austrália
2011 •  cor •  102 min 
Direção Julia Leigh
Produção Jessica Brentnall
Timothy White
Sasha Burrows
Jamie Hilton
Roteiro Julia Leigh
Elenco Emily Browning
Rachael Blake
Ewen Leslie
Michael Dorman
Mirrah Foulkes
Henry Nixon
Género drama
Idioma inglês

Sleeping Beauty (bra Beleza Adormecida[1][2]) é um filme australiano de 2011, do gênero drama, escrito e dirigido por Julia Leigh (em sua estreia como diretora),[3] com roteiro inspirado nos romances Memória de Minhas Putas Tristes, de Gabriel García Márquez, e Nemureru Bijo, de Yasunari Kawabata.[4][5][6], além do conto "A Bela Adormecida", dos irmãos Grimm, cujo título é uma referência evidente.[7]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Sem dinheiro, a universitária Lucy procura um trabalho duradouro, até que um anúncio de jornal a leva a uma agência que a contrata para um trabalho chamado "beleza adormecida": prostitutas cujos clientes têm fetiche por mulheres desacordadas.[2]

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Emily Browning .... Lucy
  • Rachael Blake .... Clara
  • Ewen Leslie .... Birdmann
  • Michael Dorman .... Cook
  • Mirrah Foulkes .... Sophie
  • Henry Nixon .... Mark

Recepção[editar | editar código-fonte]

Sleeping Beauty teve recepção mista por parte da crítica especializada. Em base de 20 avaliações profissionais, alcançou uma pontuação de 57 em 100 no Metacritic,[8] Possui um índice de 49% no Rotten Tomatoes.[9]

Em uma revisão do festival, Peter Bradshaw do The Guardian chamou o filme de "Tecnicamente elegante, com veemência e controle ... Emily Browning dá um desempenho feroz e poderoso ... Não há força e originalidade na obra de Leigh".[10] David Rooney do The Hollywood Reporter chamou de "obsoleto em todos os sentidos", reservando: "As audiências de Cannes tendem a ser mais tolerantes em seções voltadas para talentos emergentes, como Un Certain Regard ou Directors' Fortnight. Fora do brilho da competição, mesmo este exercício pretensioso pode ter ganhado algum apreço pela sua estética rigorosamente fria". Ian Buckwalter do NPR observou a abordagem "sem sexo e estéril" do filme para seu material erótico, dizendo: "Este Sleeping Beauty não é nenhum conto de fadas, é gritante, desapaixonado e visivelmente curto após os felizes para sempre".

Outros usuários têm sido intrigados: "Grita, aterroriza e assombra em igual medida", disse Sukhdev Sandhu no Reino Unido do The Daily Telegraph. Fionnuala Halligan em Screen International escreveu "Browning ficou a distância para seu diretor e, juntos eles entregaram algo que aqui às vezes chama a sua respiração". Do Salon o revisor Andrew O'Hehir achou "lindo, opaco e preocupante". James Rocchi em Indiewire também era um fã, dizendo: "Este é em muitos aspectos, o tipo de filme que você só consegue em um grande festival, uma flor numa casa quente, bonita e delicada e ainda surpreendentemente resistente e potencialmente tóxica".[11] Em seu lançamento nos Estados Unidos, AO Scott do The New York Times descobriu o filme "sedutor e enervante em igual medida" ao mesmo tempo, observando que "o tom é calmo e serenamente tem ritmo sem pressa" e que "Sleeping Beauty é às vezes quase gritantemente engraçado, uma aguçada, inexpressiva farsa de sexo surrealista de Luis Buñuel que poderia ter sido admirada".[8]

Referências

  1. «Beleza Adormecida». Brasil: CinePlayers. Consultado em 31 de março de 2020 
  2. a b «Beleza Adormecida». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 31 de março de 2020 
  3. «Latest feature films approved by Screen Australia». Screen Australia. 7 de setembro de 2009. Consultado em 19 de janeiro de 2012 
  4. Susy Freitas (16 de setembro de 2014). «Beleza Adormecida, de Julia Leigh». CineSet. Consultado em 31 de março de 2020 
  5. Macauly, Scott (30 de novembro de 2011). «"Sleeping Beauty" writer/director Julia Leigh». Filmmaker Magazine. Consultado em 5 de abril de 2012 
  6. Lim, Dennis (15 de junho de 2011). «ArtsBeat: Cannes Q. and A.: Julia Leigh on a Modern-Day 'Sleeping Beauty'». The New York Times (em inglês). Consultado em 10 de junho de 2016. The Australian novelist-turned-director Julia Leigh traces the origins of her first feature, "Sleeping Beauty," to what she calls a bout of 'self-exposure.' The attention she received for her well-received first novel, 'The Hunter' (1999), led to a recurring nightmare about being watched in her sleep. 
  7. Marcelo Silva (4 de agosto de 2015). «Crítica: "Beleza Adormecida"». Pipoca Radioativa. Consultado em 31 de março de 2020 
  8. a b «Sleeping Beauty» (em inglês). Metacritic. Consultado em 2 de maio de 2015 
  9. «Sleeping Beauty» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 31 de março de 2014 
  10. «Cannes 2011 review: Sleeping Beauty» (em inglês). The Guardian. Consultado em 3 de maio de 2015 
  11. «Cannes Review: Sleeping Beauty Starring Emily Browning Seduces With The Pervading Power Of A Dream» (em inglês). Indie Wire. Consultado em 3 de maio de 2015. Arquivado do original em 14 de maio de 2011 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme australiano é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.