Slut-shaming

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em sexualidade humana, Slut-shaming (do inglês, slut, gíria para se referir a mulher promíscua, prostituta[1] e shaming, de shame, verbo de envergonhar, causar vergonha) é uma forma de estigma social aplicada a pessoas, especialmente mulheres e meninas, que são percebidas violar as expectativas tradicionais de comportamentos sexuais. Alguns exemplos de casos em que as mulheres são "envergonhadas por ser vadias" incluem violar os códigos de vestimenta aceitos por vestir de forma percebida como sexualmente provocativas, o pedido de acesso ao controle de natalidade,[2] [3] ter sexo casual antes do casamento ou ser estuprada ou sexualmente agredida (o que é conhecido como culpabilização da vítima). [4]

Definições e características[editar | editar código-fonte]

Slut-shaming é definida por muitos como um processo em que as mulheres são atacados por sua transgressão aos códigos aceites de conduta sexual,[4] isto é, de advertir-los para um comportamento ou desejos que são mais sexual do que a sociedade considera aceitável.[5] Emily Bazelon diz que slut-shaming é "retrógrado, o oposto da feminista. Chamar uma garota de slut avisa a ela que há uma linha:ela pode ser sexual, mas não muito sexual." [6]

Referências

  1. Tom Dalzell; Terry Victor (2014). The Concise New Partridge Dictionary of Slang and Unconventional English. Routledge. p. 713. ISBN 978-1-317-62512-4.
  2. Lamb, Sharon (27 de junho de 2008). «The 'Right' Sexuality for Girls». Chronicle of Higher Education [S.l.: s.n.] 54 (42): B14–B15. ISSN 0009-5982. (pede subscrição (?)). 
  3. Albury, Kath; Crawford, Kate (18 de maio de 2012). «Sexting, consent and young people's ethics: Beyond Megan's Story». Continuum: Journal of Media & Cultural Studies [S.l.: s.n.] 26 (3): 463–473. doi:10.1080/10304312.2012.665840. 
  4. Jessica Ringrose (21 de agosto de 2012). Postfeminist Education?: Girls and the Sexual Politics of Schooling Routledge [S.l.] p. 93. ISBN 978-1-136-25971-5. Consultado em 16 de maio de 2013. 
  5. Denise Du Vernay. Feminism, Sexism, and the Small Screen [S.l.: s.n.] pp. 163–182.  in Joseph J. Foy; Timothy M. Dale (24 de abril de 2013). Homer Simpson Ponders Politics: Popular Culture as Political Theory University Press of Kentucky [S.l.] p. 164. ISBN 978-0-8131-4151-0. Consultado em 16 de maio de 2013. 
  6. Emily Bazelon (19 February 2013). Sticks and Stones: Defeating the Culture of Bullying and Rediscovering the Power of Character and Empathy Random House Publishing Group [S.l.] p. 95. ISBN 978-0-679-64400-2. Consultado em 16 de maio de 2013.  Emphasis in original.