Sobre os ombros de gigantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A referência desta ilustração em um manuscrito medieval é derivada da mitologia grega: o gigante cego Órion carregando seu servo Cedálion nos ombros para agir como seus olhos.

A metáfora dos anões estarem sobre ombros de gigantes (em latim: nanos gigantum humeris insidentes) expressa o significado de "descobrir a verdade a partir das descobertas anteriores".[1] Esse conceito tem origem no século XII, e é atribuído a Bernardo de Chartres. Seu uso mais conhecido procede de Isaac Newton, que escreveu em 1675: "Se eu vi mais longe, foi por estar sobre ombros de gigantes."[2]

Atribuição e significado[editar | editar código-fonte]

A atribuição de Bernardo de Chartres foi feita por João de Salisbury. Em 1159, João escreveu em seu Metalogicon: "Bernardo de Chartres costumava nos comparara a anões empoleirados nos ombros de gigantes. Ele ressaltou que podemos ver mais e mais longe do que nossos predecessores, não porque temos visão mais aguçada ou maior altura, mas porque somos levantados e carregados sobre sua estatura gigantesca." [3][4][falta página]

De acordo com o medievalista Richard William Sul, Bernardo estava comparando seus contemporâneos, os estudiosos do século XII, com os antigos sábios da Grécia e de Roma:[5]

[A frase] resume o papel das escolas catedrais na história do conhecimento, e, de fato, caracteriza a era que começou com o Papa Silvestre II (950-1003) e Fulberto de Chartres (960-1028), fechando com Pedro Abelardo no primeiro quarto do século XII. [A frase] não é uma grande reivindicação; nem também é um exemplo de rebaixamento ante o santuário de antiguidade. Ela é uma observação muito perspicaz e justa, e o ponto importante e original era que o anão poderia ver um pouco além do que o gigante. Isso foi possível, acima de tudo, devido às escolas catedrais, com sua falta de uma tradição enraizada e estar livre de uma rotina de estudo claramente definida.

Representação dos evangelistas do Novo Testamento sobre os ombros dos profetas do Antigo Testamento, olhando para o Messias (da rosácea sul da Catedral de Chartres)

Essa imagem aparece visualmente representada no vitral sul do transepto da Catedral de Chartres. As janelas altas sob a rosácea mostram os quatro grandes profetas da Bíblia hebraica (Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel) como gigantescas figuras, e os quatro evangelistas do Novo Testamento (Mateus, Marcos, Lucas e João) como pessoas de tamanho normal sentadas em seus ombros. Os evangelistas, embora menores, "viam mais" do que os enorme profetas (uma vez que eles viram o Messias sobre quem os profetas falaram).

A frase também aparece nas obras do tosafista judeu Isaías de Trani (c. 1180 – c. 1250):[6]

Se Josué, filho de Nun, deveria endossar uma posição equivocada, eu gostaria logo de a rejeitar. Eu não hesito em expressar a minha opinião sobre tais assuntos, de acordo com a módica inteligência alocada a mim. Eu nunca fui arrogante, alegando "a Minha Sabedoria me serviu bem". Em vez disso, usei para mim a parábola dos filósofos. Pois eu ouvi o seguinte deles: o mais sábio dos filósofos perguntou, "admitimos que os nossos antepassados eram mais sábios do que nós. Ao mesmo tempo, criticamos seus comentários, muitas vezes rejeitando-os e afirmando que a verdade é nossa. Como isso é possível?" O sábio filósofo respondeu: "Quem vê mais, um anão ou um gigante? Certamente um gigante, pois os seus olhos estão situados em um nível superior aos do anão. Mas se o anão fica sobre os ombros de gigantes, quem vê mais? ... Assim também nós somos anões sobre os ombros de gigantes. Dominamos sua sabedoria e seguimos para além dela. Devido à sua sabedoria, crescemos sábios e somos capazes de dizer tudo o que dizemos, mas não porque somos maiores do que eles."

Referências durante os séculos XVI-XIX[editar | editar código-fonte]

Cedálion sobre os ombros de Órion, da tela Cego Órion Procurando o Sol Nascente, de Nicolas Poussin, 1658, óleo sobre tela; 46 7/8 x 72. (119.1 x de 182,9 cm), Metropolitan Museum of Art.

Diego de Estella retomou a citação no século XVI, e por volta do século seguinte, ela havia se tornado lugar-comum. Robert Burton, em The Anatomy of Melancholy (1621), cita Estella assim:

Eu sigo Didacus Stella, um anão sobre os ombros de um gigante pode ver mais longe do que o próprio gigante.

Editores posteriores de Burton atribuíram a citação erroneamente a Lucano; em suas mãos, a atribuição de Burton Didacus Stella, em luc 10, tom. ii , "Didacus no Evangelho de Lucas, capítulo 10; volume 2" tornou-se uma referência para Lucano, Farsália, II,10. Nenhuma referência ou alusão a citação é encontrada nesta obra.

Mais tarde, no século XVII, George Herbert, em seu Jacula Prudentum (1651), escreveu: "Um anão sobre os ombros de um gigante vê mais longe entre os dois."

Isaac Newton comentou em uma carta a seu rival Robert Hooke, datada de 5 de fevereiro de 1676[7] (15 de fevereiro de 1676) Inserir nota Old Style New Style que:

O que Des-Cartes [sic] fez foi um bom passo. Você contribuiu muito de várias formas, especialmente tomando as cores de placas finas em consideração filosófica. Se eu vi mais longe foi por estar sobre ombos [sic] ("sholders" [sic]) de gigantes.

Isso foi recentemente interpretado por alguns autores como um comentário sarcástico dirigido à aparência de Hooke.[8] Embora Hooke não fosse particularmente de baixa estatura, era pequeno e tinha sido afligido, desde a sua juventude, com uma grave cifose. No entanto, neste momento Hooke e Newton estavam em bons termos e trocaram muitas cartas em tons de mútuo respeito. Só mais tarde, quando Robert Hooke criticou algumas das idéias de Newton sobre a óptica, Newton ficou tão ofendido que se retirou do debate público. Os dois homens permaneceram inimigos até a morte de Hooke. Samuel Taylor Coleridge, em O Amigo (1828), escreveu:

O anão vê mais longe do que o gigante, quando tem o ombro do gigante para montar.

Contra essa noção, Friedrich Nietzsche argumenta que um anão (o acadêmico) puxa para baixo as mais sublimes alturas pelo seu nível de compreensão. Na seção de Assim Falou Zaratustra (1882) intitulada "Sobre a Visão e d Enigma", Zaratustra sobe a grandes alturas com um anão sobre os ombros para mostrar-lhe o seu maior pensamento. Uma vez lá, no entanto, o anão não consegue entender a profundidade da visão e Zaratustra o repreende, por "tornar as coisas mais fáceis para [ele] mesmo." Se há algo parecido com "progresso" na história da filosofia, escreve Nietzsche na "Filosofia na Era Trágica dos Gregos" (1873), ele só poderia vir daqueles raros gigantes entre os homens, "cada gigante chamando seu irmão em intervalos desolados de tempo," uma idéia retirada de Schopenhauer, nos Manuscritos Póstumos (Der handschriftliche Nachlass).[9]

Referências contemporâneas[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CASINI, Paolo. Newton e a consciência europeia. São Paulo: UNESP, 1995. 253p. ((Biblioteca basica))

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Strategic Sourcing in the New Economy». Google Books 
  2. «Letter from Sir Isaac Newton to Robert Hooke». Historical Society of Pennsylvania 
  3. The Metalogicon of John Salisbury: A Twelfth-century Defense of the Verbal and Logical Arts of the Trivium. [S.l.: s.n.] 1955 
  4. See Merton, Robert K. (1965). On the Shoulders of Giants: A Shandean Postscript. [S.l.: s.n.] 
  5. Southern, Richard William (1952). Making of the Middle Ages. [S.l.: s.n.] 
  6. Teshuvot (responsa) haRid 301–303. Ver Shnayer Z. Leiman, Dwarfs on the Shoulders of Giants, Tradition Spring 1993
  7. Turnbull, H.W. ed., 1959. The Correspondence of Isaac Newton: 1661-1675, Volume 1, London, UK: Published for the Royal Society at the University Press. p. 416
  8. Crease, Robert P. (2008). The Great Equations: The hunt for cosmic beauty in numbers. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-84529-281-2 
  9. Nietzsche, Friedrich Wilhelm, Keith Ansell-Pearson, and Duncan Large. "Philosophy in the Tragic Age of the Greeks." The Nietzsche Reader. Malden, MA: Blackwell Pub., 2006. 101–13. Print.
  10. «United Kingdom Two Pound Coin Design» 
  11. On The Shoulders of Giants. The Great Works of Physics and Astronomy, (Running Press 2002) ISBN 0-7624-1698-X
  12. https://www.theguardian.com/science/2017/oct/23/stephen-hawking-1966-thesis-cambridge-university-properties-of-expanding-universes
  13. Williams, Sam (2002). Free as in freedom. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-596-00287-9 

Links externos[editar | editar código-fonte]