Sobrevivendo no Inferno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sobrevivendo no Inferno
Álbum de estúdio de Racionais MC's
Lançamento 20 de Dezembro de 1997
Gravação 1997
Gênero(s) Hip hop alternativo, gangsta rap
Formato(s) LP, CD
Gravadora(s) Cosa Nostra
Produção Gertz Palma
Racionais MC's
Cronologia de Racionais MC's
Racionais MC's
(1994)
Ao Vivo
(2001)
Singles de '
  1. "Capítulo 4, Versículo 3"
    Lançamento: 1997
  2. "Diário de um Detento"
    Lançamento: 1998
  3. "Mágico de Oz"
    Lançamento: 1998
  4. "Tô Ouvindo Alguém me Chamar"
    Lançamento: 1998
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
CliqueMusic (Sem Nota)[1]
AllMusic 2.5 de 5 estrelas.[2]

Sobrevivendo no Inferno é o segundo álbum de estúdio do grupo brasileiro de rap Racionais MC's, lançado pelo selo da gravadora Cosa Nostra em dezembro de 1997.

É considerado o álbum mais importante do rap brasileiro[3]. Em 2007, ele figurou na 14ª posição da lista dos 100 melhores discos da música brasileira da Revista Rolling Stone Brasil.[4] Em 2015, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, presenteou o Papa Francisco com o álbum numa visita ao Vaticano.[5]

Em 2018, o álbum foi incluído pela Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares da UNICAMP) na lista de obras de leitura obrigatória para o vestibular de 2020.[6] Meses depois, a obra virou livro, com selo da Companhia das Letras. O livro, de 160 páginas, traz fotos inéditas e informações do grupo, e foi lançado no dia 31 de outubro.[7]

Descrição[editar | editar código-fonte]

No final de 1997, os Racionais MC's lançaram "Sobrevivendo no Inferno", quinto disco de estúdio. O álbum alcançou a marca de um 1,500,000 de cópias vendidas, apesar de ter sido lançado por uma gravadora independente.[8]

É o primeiro trabalho dos Racionais MC’s com referências a textos bíblicos. Já na capa do disco, ilustrada por uma cruz em fundo preto, há uma frase do Salmo 23, Capítulo 3: “refrigere minha alma e guia-me pelo caminho da justiça”. Outras passagens bíblicas podem ser encontrada nas canções "Genesis" e "Capítulo 4, Versículo 3" (ambas de Mano Brown). Mas a força do álbum advém mais uma vez do impacto das letras que discutem temas ligados a desigualdades sociais, miséria e racismo. Os grandes sucessos foram "Diário de um Detento" (baseado no diário do preso Josemir Prado, mais conhecido como Jocenir, ex-detento da Presídio do Carandiru), "Fórmula Mágica da Paz" e "Mágico de Oz" (de Edi Rock). O grupo ainda fez uma homenagem ao cantor Jorge Ben-Jor, ao regravar "Jorge da Capadócia". Os arranjos musicais são simples, com uma bateria básica e alguma melodia nos teclados.

Críticas e Legado[editar | editar código-fonte]

Segundo a Revista Rolling Stone Brasil, que o ranqueou na 14ª posição da lista dos 100 melhores discos da música brasileira "Sobrevivendo no Inferno colocou o rap no topo das paradas, vendendo mais de meio milhão de cópias. A música, com sua bateria básica, alguma melodia nos teclados, e arranjos simples, vira adereço em relação ao impacto das letras. Racismo, miséria e desigualdade social — temas cutucados nos discos anteriores — são aqui expostos como uma grande ferida aberta, vide ‘Diário de um Detento’, inspirada na grande chacina do Carandiru"[9].

No entender de Acauam Silvério de Oliveira, professor de literatura brasileira na Universidade de Pernambuco que estudou o grupo em doutorado na USP, a estrutura do álbum é como uma liturgia, pois “é organizado e pensado como uma espécie de culto. Tem a introdução, com cânticos de louvor, a leitura da Gênesis, a apresentação do pastor e os relatos de testemunhos. Depois vêm o grande relato, a atuação do diabo, e, no fim, um processo de reflexão[10].

Para o sociólogo Tiaraju D’Andrea, a obra cunhou um conceito de orgulho. “Periferia passou a designar não apenas pobreza e violência, mas também cultura e potência. Esse disco é um objeto cultural incontornável. Explicou os dramas da periferia, e muitos brasileiros negros aprenderam a se reconhecer ouvindo Racionais[10].

Faixas[editar | editar código-fonte]

# Título Autor(es) Produtor(es) Sample(s)
1 "Jorge da Capadócia" Jorge Ben Jor KL Jay "Ike's Rap II" por Isaac Hayes.
2 "Genesis (Intro)" Mano Brown KL Jay
3 "Capítulo 4, Versículo 3" Mano Brown KL Jay "Slippin' Into Darkness" por War

"Sneakin' In The Back" por Tom Scott & LA Express "Eles não sabem nada" por MRN

“Pearls” por Sade

"Pride and Vanity” por Ohio Players 

4 "Tô Ouvindo Alguém me Chamar" Mano Brown KL Jay (Fatback - Do It To Me Now) intro

"Charisma" por Tom Browne.

"Poor Abbey Walsh" por Marvin Gaye.

5 "Rapaz Comum" Edi Rock KL Jay "Hyperbolicsyllabicsesquedalymistic" por Isaac Hayes.

"Deep Cover" por Dr. Dre e Snoop Dogg

6 "... (instrumental)" Edi Rock KL Jay
7 "Diário de um Detento" Josemir Prado (Jocenir); Mano Brown KL Jay "Easin' In" por Edwin Starr. / Mother's Son - Curtis Mayfield
8 "Periferia é Periferia (Em Qualquer Lugar)" Edi Rock KL Jay "Cannot Find a Way" por Curtis Mayfield

SL (Um Dependente) por MRN; Brava Gente por Thaide & DJ Hum; Bem Vindos Ao Inferno por Sistema Negro; Brasilia Periferia por GOG; Homem Na Estrada por Racionais MC's; Cada Um Por Si por Sistema Negro; Por Um Triz por Thaide & DJ Hum; Fim De Semana no Parque por Racionais MC's

9 "Qual Mentira Vou Acreditar?" Edi Rock; Mano Brown KL Jay "Hip Dip Skippedabeat" por Mtume; "Esquinas" por Djavan; "Pode Vir Quente Que Eu Estou Fervendo" por Barão Vermelho e "Chegou a Hora" por Boi Garantido.
10 "Mágico de Oz" Edi Rock KL Jay "It's Too Late" por The Isley Brothers.
11 "Fórmula Mágica da Paz" Mano Brown KL Jay "Attitudes" por The Bar-Kays e "Me dê Motivo" por Tim Maia.
12 "Salve" Ice Blue; Mano Brown KL Jay "Ike's Rap II" por Isaac Hayes.

Formação[editar | editar código-fonte]

Certificação[editar | editar código-fonte]

Órgão Certificador Certificação
Brasil ABPD 2× Diamante

Sobrevivendo no Inferno - O Livro[editar | editar código-fonte]

Racionais MCs - Sobrevivendo no Inferno
Autor(es) Acauam Oliveira
Idioma Português
País Brasil Brasil
Arte de capa Marcos Marques
Editora Companhia das Letras
Lançamento 31 de outubro de 2018
Páginas 160
Edição brasileira
ISBN 9788535931730

Em 2018, a Companhia das Letras transformou o álbum em livro, intitulado como Racionais MC's - Sobrevivendo no Inferno. Lançado no dia 31 de outubro de 2018, o livro, que contém 160 páginas e textos de Acauam Oliveira, traz fotos inéditas e informações do grupo. O livro foi lançado meses depois de a Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) incluí-lo na lista de obras obrigatórias a partir do vestibular de 2020[6]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. cliquemusic.uol.com.br/
  2. allmusic.com/
  3. virgula.com.br/ 20 anos de Sobrevivendo no Inferno - Artistas lembram obra do Racionais MC's
  4. Os 100 maiores discos da Música Brasileira - Revista Rolling Stone, Outubro de 2007, edição nº 13, página 115
  5. «Disco dos Racionais é presente da Prefeitura de São Paulo para o Papa». Consultado em 24 de julho de 2015 
  6. a b noticias.r7.com/ Álbum de Racionais MCs entra nas leituras obrigatórias da Unicamp
  7. entretenimento.r7.com/ Racionais MC’s: ‘Sobrevivendo no Inferno’ vira livro
  8. «'Sobrevivendo no inferno', dos Racionais MC's, completa dez anos». 5 de novembro de 2007. Consultado em 27 de janeiro de 2009 
  9. rdl32.com/ Saiba como a capa do disco ‘Sobrevivendo no Inferno’ do Racionais MC’s foi feita
  10. a b folha.uol.com.br/ Obra-prima dos Racionais MC's, "Sobrevivendo no Inferno" vira livro após ser exigido em vestibular