Socialismo burguês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Socialismo burguês ou socialismo conservador foi um termo usado por Karl Marx e Friedrich Engels em várias obras, inclusive no Manifesto Comunista. O socialismo conservador foi usado como uma reprimenda de Marx para certas correntes do socialismo, mas também tem sido usado por defensores de tal sistema.[1] O socialismo conservador e o socialismo de direita também são usados como descritores e, em alguns casos, como pejorativos por movimentos e políticos conservadores de livre mercado e libertários de direita para descrever vertentes mais economicamente intervencionistas do conservadorismo.

Perspectiva marxista[editar | editar código-fonte]

A visão marxista é tal que o socialista burguês é o sustentador do atual estado das relações de classe burguesas. As opiniões variam quanto a se este ou aquele socialista burguês está intencionalmente dispensando a ordem atual, mas o traço comum é que eles estão em fato preservando-a. Em vez de abolir as divisões de classe, eles desejam simplesmente elevar todos para serem membros da burguesia para permitir a todos a capacidade de acumular capital infinitamente sem uma classe trabalhadora. No Manifesto Comunista, Marx e Engels usam filantropos, monges ("fanáticos da temperança") e reformistas como exemplos desse tipo de socialista que eles viam em oposição aos seus próprios objetivos. Ao expressar seus pontos de vista sobre o assunto, Marx fez referência explícita à Filosofia da Miséria de Pierre-Joseph Proudhon, afirmando o seguinte sobre o socialismo burguês:

Os burgueses socialistas querem as condições de vida da sociedade moderna sem as lutas e perigos delas necessariamente decorrentes.

História[editar | editar código-fonte]

Já em 1847, um dos primeiros defensores do socialismo conservador foi o político austríaco do século XIX Klemens von Metternich.[2] Os monarquistas começaram a usar socialismo como uma antítese do "laissez-faire burguês", indicando confiança em uma consciência social em oposição ao puro individualismo.[2] Metternich disse que os objetivos de um socialismo tão conservador são "pacíficos, harmonizadores de classes, cosmopolitas, tradicionais".[3] O socialismo monárquico promoveu o paternalismo social retratando o monarca como tendo um dever paternal de proteger seu povo dos efeitos das forças econômicas livres.[4] O socialismo conservador de Metternich via o liberalismo e o nacionalismo como formas de ditadura da classe média sobre as massas.[4]

Johann Karl Rodbertus, um latifundiário conservador monárquico e advogado que serviu brevemente como ministro da educação na Prússia em 1848, promoveu uma forma de socialismo estatal liderada por uma monarquia esclarecida que apoiava a regulação estatal da economia.[5] Rodbertus apoiou a eliminação da propriedade privada da terra, com o Estado no controle do capital nacional em vez da redistribuição do capital privado, ou seja, o capitalismo de Estado.[5] Na década de 1880, o socialismo conservador de Rodbertus foi promovido como uma alternativa não revolucionária à social-democracia e um meio de justificar a aceitação das políticas sociais de Bismarck.[5]

Socialismo de direita[editar | editar código-fonte]

Socialismo de direita[6][7] é usado como um termo pejorativo por alguns movimentos e políticos conservadores de livre mercado e libertários de direita para descrever variantes intervencionistas do conservadorismo, pois eles as veem apoiando o paternalismo e a solidariedade social em oposição ao comercialismo, individualismo e à economia laissez-faire.[8][9] Eles argumentam que o conservadorismo paternalista apoia a hierarquia social promovida pelo Estado e permite que certas pessoas e grupos tenham um status mais alto em tal hierarquia que é conservadora.[10]

Embora distinto, o socialismo de direita também é usado mais comumente para se referir a formas social-democratas moderadas de socialismo quando contrastado com o marxismo-leninismo e outras alternativas de esquerda mais radicais. Durante o período pós-guerra no Japão, o Partido Socialista do Japão dividiu-se em dois partidos socialistas diferentes, geralmente distinguidos no Partido Socialista Esquerdista do Japão e o Partido Socialista Direitista do Japão. Este último recebeu mais de 10 por cento dos votos nas eleições gerais de 1952 e 1953 e era um partido social-democrata moderado de centro-esquerda.[11][12] No Manifesto Comunista, Karl Marx e Friedrich Engels criticaram a Filosofia da Miséria do escritor e teórico anarquista Pierre-Joseph Proudhon como representando o socialismo conservador ou burguês.[13]

Socialismo agrário, socialismo de guildas, socialismo militar, nacional-bolchevismo, sindicalismo nacional,[14][15][16] peronismo,[17][18] socialismo prussiano,[19][20][21][22][23][24][25][26] o socialismo de Estado e o strasserismo são às vezes denominados socialismo de direita por vários autores.[7] O historiador Ishay Landa descreveu a natureza do socialismo de direita como decididamente capitalista.[27]

Referências

  1. Viereck (2006), p. 74.
  2. a b Viereck (2006), p. 74.
  3. Viereck (2006), pp. 74–75.
  4. a b Viereck (2006), p. 75.
  5. a b c Shatz, Marshall S. (1989). Jan Waclaw Machajski: A Radical Critic of the Russian Intelligentsia and Socialism. Pittsburgh, Pennsylvania: University of Pittsburgh Press. p. 86.
  6. Rothbard, Murray (2010). Left, Right, and the Prospects for Liberty. Auburn, Alabama: Mises Institute. p. 19.
  7. a b Huerta de Soto 2010, p. 80.
  8. Viereck (2006), p. 74.
  9. Huerta de Soto 2010, pp. 79–80.
  10. Huerta de Soto 2010, p. 79.
  11. Ware, Alan (1996). Political Parties and Party Systems. Oxford University Press. p. 395.
  12. Moask, Carl (2007). Japanese Economic Development: Markets, Norms, Structures. Taylor & Francis. p. 239.
  13. Marx, Karl; Engels, Friedrich (1848). The Communist Manifesto. "Chapter III. Socialist and Communist Literature". "2. Conservative or Bourgeois Socialism".
  14. Sternhell, Ze'ev (1986). Neither Right Nor Left: Fascist Ideology in France. (2nd ed.). Princeton, New Jersey: Princeton University Press.
  15. Sternhell, Ze'ev; Sznajder, Mario; Ashéri, Maia (1994). The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.
  16. Sternhill, Ze'ev (1998). "Fascism". In Griffin, Roger, ed. International Fascism: Theories, Causes, and the New Consensus. London; New York City: Arnold Publishers.
  17. Christian, Shirley (13 January 1990). "Buenos Aires Journal; Carlos, Carlos, How Does Your Economy Sink?". The New York Times. Retrieved 14 January 2020.
  18. Servetto, Alicia (1999). "El derrumbe temprano de la democracia en Córdoba: Obregón Cano y el golpe policial (1973-1974)". Arquivado 6 julho 2011 no Wayback Machine. Estudios Sociales (in Spanish). 17: 19. Revised paper of a 1997 Conference at the National University of La Pampa.
  19. Harris, Abram Lincoln (1989). Race, Radicalism, and Reform: Selected Papers. New Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers.
  20. Hughes, H. Stuart (1992). Oswald Spengler. New Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers. p. 108.
  21. Hüppauf, Bernd-Rüdiger (1997). War, Violence, and the Modern Condition. Berlin: Walter de Gruyter & Co.
  22. Kitchen, Martin (2006). A History of Modern Germany, 1800-2000. Malden, Massaschussetts; Oxford, England; Carlton, Victoria: Blackwell Publishing.
  23. Blamires, Cyprian; Jackson, Paul (2006). World Fascism: A Historical Encyclopedia, Volume 1. Santa Barbara, California: ABC-CLIO. p. 628.
  24. Winkler, Heinrich August; Sager, Alexander (2006). Germany: The Long Road West (English ed.). Oxford: Oxford University Press. p. 414.
  25. Rohkrämer, Thomas (2007). "A Single Communal Faith?: The German Right from Conservatism to National Socialism". Monographs in German History. 20. Berghahn Books.
  26. Weitz, Eric D. (2007). Weimar Germany: Promise and Tragedy. Princeton, New Jersey: Princeton University Press.
  27. Landa, Ishay (2012). The Apprentice's Sorcerer: Liberal Tradition and Fascism. [S.l.]: Haymarket Books. pp. 60–65 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]