Sociedade Portuguesa de Psicanálise

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde janeiro de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Sociedade Portuguesa de Psicanálise (SPP) é uma associação cientifica, sem fins lucrativos que tem por missão a investigação, a divulgação, a promoção da prática da psicanálise e a relação com outros ramos do conhecimento. Está filiada na International Psychoanalytical Association (IPA) e na Federação Europeia de Psicanálise (FEP).

Em 1910 Sigmund Freud fundou a International Psychoanalytical Association (IPA), actualmente com cerca de 12000 membros, agregados em várias Sociedades de Psicanálise, distribuí­das por 50 Paí­ses nos cinco Continentes.

Em Portugal foi Egas Moniz quem inicialmente falou da Psicanálise. O seu primeiro escrito consagrado a esta matéria data de 1915 e revela um profundo conhecimento dos trabalhos de Sigmund Freud. Na sua segunda publicação, Egas Moniz apresenta dois casos clí­nicos aplicando o método analí­tico, utilizando o divã, a associação livre e a análise dos sonhos. Também Sobral Cid, nos anos 30, lançou para a Psiquiatria uma nova abordagem da Psicopatologia inspirada nos postulados psicológicos de Freud.

Apesar dos trabalhos destes dois eminentes Neuro-Psiquiatras Portugueses e de outros que se seguiram, foi só nos anos 50 que um movimento psicanalí­tico se formou em Portugal. Inicialmente, Francisco Alvim e Pedro Luzes que fizeram a sua formação em Genebra e se tornaram membros da Sociedade Psicanalí­tica Suí­ça, juntaram-se com colegas Espanhóis, também eles em formação em Genebra e fundaram a Sociedade Psicanalí­tica Luso-Espanhola, reconhecida como Grupo de Estudos pela IPA em 1957. A este grupo, juntou-se João dos Santos que fizera a sua formação em Paris.

Em 1966 a organização Ibérica cindiu-se, dando origem, no nosso Paí­s, ao Grupo de Estudos Português. No fim dos anos 60, para além do núcleo original, este grupo contava, entre outros, com os nomes de Mário Casimiro, José Flores, António Coimbra de Matos, Jaime Milheiro, Maria Alice Malva do Vale, Orlando Silva Santos, António Santiago Quintas e Maria Antonieta Palmeira.

O Grupo de Estudos Português tornou-se Sociedade Provisória em 1977 e Sociedade componente da Associação Internacional de Psicanálise em 1981. Em Portugal a designação (local) de Sociedade de Psicanálise deu-se a partir de 1971.


Ícone de esboço Este artigo sobre psicanálise é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.