Sociedade Thule

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Thule-Gesellschaft.svg

A Sociedade Thule (em alemão: Thule-Gesellschaft), originalmente Studiengruppe für germanisches Altertum ("Grupo de Estudo para a Antiguidade Alemã") foi uma sociedade secreta ocultista e völkisch de Munique, fundado por Adam Alfred Rudolf Glauer, Barão de Sebottendorff, cujo nome era uma referência ao país místico da lenda grega. A sociedade é notável principalmente pela organização que patrocinou o Deutsche Arbeiterpartei (DAP), que posteriormente foi transformado por Adolf Hitler no Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores (Partido Nazista). No entanto, não há nenhuma evidência de que Hitler tenha frequentado a Sociedade de Thule.[1].

Por outro lado, existem inúmeras referências à participação de Hitler na sociedade Thule ou Vrill. Pode-se constatar isso em: "The unknown Hitler" de Wulf Schwarzwaller; em "The coming race" de Bulwer Lytton's; em "Morning of the Magicians" de Jacques Bergier and Louis Pauwels; etc.

No programa "The Vrill Society" da Discovery Civilization, pode-se constatar não só a participação de Hitler mas o cargo de Grão Mestre que ele desempenhou.

Século XX[editar | editar código-fonte]

No século XX, é relacionada ao Grupo de Thule, fundado em 17 de Agosto de 1918 por Rudolf von Sebottendorff em Munique. O nome Thule é derivado da ilha mística Thule. O seu nome original era "Studiengruppe für germanisches Altertum" (Grupo de estudo para a antiguidade germânica), mas em breve, com a formação do Grupo de Thule, esse começou a disseminar propaganda anti-republicana e anti-semítica. A Sociedade Thule existe há cerca de 1.200 anos e, desde sua fundação, teve como objetivo a promoção das antigas tradições religiosas europeias, tais como o druidismo, o wotanismo, o woragsmo, a asatru e a vanatru, desde sua fundação ela sempre foi dirigida por druidas e ghodis nos cargos de Grão Mestre e Venerável.

Foi um grupo precursor que teve importância na transformação do "Deutsche Arbeiterpartei" (Partido Alemão dos Trabalhadores) que mais tarde se tornaria o NSDAP (Partido Nazista). Teve membros dos escalões de topo do partido, incluindo Rudolf Heß, Alfred Rosenberg, inclusive Adolf Hitler, que já era Grão Mestre Cátaro, foi iniciado na Sociedade Thule e no Grupo de Thule por Rudolf Heß, enquanto estavam presos no forte de Landsberg. O seu órgão de imprensa foi o "Münchener Beobachter" (Observador de Munique) que mais tarde se tornaria o "Völkischer Beobachter" (Observador do Povo), o jornal do NSDAP. A sociedade Thule é também conhecida por estar associada à sociedade secreta Germanenorden.

O símbolo associado com o Grupo de Thule era uma adaga, e com a Sociedade Thule era, e ainda é, o octagrama, muitas vezes com três triângulos ou raios em seu interior, ou apenas com o olho de Odhin no centro do octagrama (desde 2.012). O Grupo de Thule atuou no Brasil até 1969, quando voltou novamente e agora com lojas no sudeste (SP, RJ) e sul do país. A Sociedade Thule mantem forte atuação no Brasil, principalmente no contexto da expansão das religiões tradicionais europeias, anteriores ao cristianismo. Esse grupo religioso é conhecido como: religiões hiperbóreas, uma referência aos nossos antepassados que colonizaram este planeta há mais de 100.000 anos atrás.

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

A Sociedade é citada no anime e no filme da franquia Fullmetal Alchemist. Também citada no filme Hellboy I e no Episódio 13 – Everyone Hates Hitler da 8ª temporada da série Supernatural, bem como no livro "Filhos do Éden: Anjos da Morte", de Eduardo Spohr.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Johannes Hering, "Beiträge zur Geschichte der Thule-Gesellschaft", transcrito com data de 21 de junho de 1939, Bundesarchiv Koblenz, NS26/865, citado em Goodrick-Clarke (1985: 201), que conclui: "There is no evidence that Hitler ever attended the Thule Society" (ibid., 201).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]