Sociologia do conhecimento científico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A sociologia do conhecimento científico é o estudo da ciência como atividade social, especialmente lidando com "as condições sociais e efeitos da ciência, e com as estruturas sociais e processos da atividade científica."[1] A sociologia da ignorância científica é complementar à sociologia do conhecimento científico.[2][3] Em comparação, a sociologia do conhecimento estuda o impacto do conhecimento humano e as idéias prevalentes nas sociedades e a relação entre o conhecimento e o contexto social em que ele surge.

Sociólogos do conhecimento científico estudam o desenvolvimento do campo científico e tentam identificar pontos de contingência ou flexibilidade interpretativa onde ambiguidades estão presentes. Essas variações estão ligadas a uma variedade de fatores políticos, históricos, culturais ou econômicos. Crucialmente, o campo não visa estabelecer relativismos ou atacar o projeto científico; o objetivo do pesquisador é explicar porque uma interpretação ao invés de outra, é bem sucedida devido a circunstâncias sociais e históricas externas.

O campo emergiu no fim dos anos 60 e início dos anos 70, e no início era uma prática quase que exclusivamente praticada no Reino Unido. Outros centros iniciais do desenvolvimento da áre estavam localizados na França, Alemanha, e Estados Unidos (notavelmente na Universidade Cornell).[4] Os principais teóricos incluem Barry Barnes, David Bloor, Sal Restivo, Randall Collins, Gaston Bachelard, Harry Collins, Paul Feyerabend, Steve Fuller, Thomas Kuhn, Martin Kusch, Bruno Latour, Mike Mulkay, Derek J. de Solla Price, Lucy Suchman e Anselm Strauss.

Programas e escolas[editar | editar código-fonte]

A sociologia do conhecimento científico na sua versão anglófona emergiu nos anos 70, em uma oposição auto-consciente à sociologia da ciência associada ao estadunidense Robert K. Merton, geralmente associado um dos "pais" da sociologia da ciência. A teoria de Merton era como uma "sociologia dos cientistas", o que deixava o conteúdo cognitivo da ciência de fora da natureza sociológica da mesma; a sociologia da ciência, em contraste visava prover explicações sociológicas para as idéias científicas por si só, tendo sua base aspectos do trabalho de Thomas S. Kuhn, mas especialmente de tradições estabelecidas da antropologia cultural (Durkheim, Mauss) e também do posterior Wittgenstein. David Bloor, um dos pioneiros da SCC, contrastou o que ele chamou de de "programa fraco" que apenas dá explicações sociais para crenças errôneas, com o que ele chamou de "programa forte", que considera fatores sociológicos como influenciando todas as crenças.

O programa fraco é mais uma descrição de uma abordagem do que um movimento organizado. O termo é aplicado a historiadores, sociólogos e filósofos da ciência que meramente citam fatores sociológicos como responsáveis pelas teorias que se provaram erradas.. Imre Lakatos e Thomas Kuhn podem ser ditos que aderiam a isso. O programa forte é particularmente associado a dois grupos: a 'Edinburgh School' (David Bloor, Barry Barnes, e seus colegas na Universidade de Edinburgo) nos anos 70 e 80, é a 'Bath School' (Harry Collins e outros na University of Bath) no mesmo período. Os "sociólogos de Edinburgo" e os "sociólogos de Bath" promoveram, respectivamente, o Programa Forte e o Programa Empírico do Relativismo. Também relacionado com a SCC, nos anos 80, estava a análise de discurso aplicada à ciência (associada com Michael Mulkay da Universidade de York), assim como a preocupação com problemas de reflexibilidade surgindo de paradoxos relacionados a postura de relatividade da SCC para com a ciência e o status de suas próprias pretenções de conhecimento (Steve Woolgar, Malcolm Ashmore).

A sociologia do conhecimento científico tem grandes redes através de suas principais associações, 4S e EASST, com gurpos recentemente estabelecidos no Japão, Coréia do Sul, Taiwan e América Latina. Tem feito grandes contribuições em anos recentes à analises nos campos de biociências e informática.

.


Criticismo[editar | editar código-fonte]

A sociologia do conhecimento científico recebeu críticas de teóricos da teoria ator-rede (ANT) que trabalham com estudos de ciência, tecnologia e sociedade. Esses teóricos acusam a sociologia do conhecimento científico de reducionismo científico e de ter um universo antropocêntrico. A SCC, eles dizem, se apoia demasiado em atores humanos e regras sociais e convenções acerca de controvérsias científicas. O debate está discutido no artigo Epistemological Chicken.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Ben-David, Joseph; Teresa A. Sullivan (1975). «Sociology of Science». Annual Review of Sociology. 1 (1): 203–222. doi:10.1146/annurev.so.01.080175.001223. Consultado em 29 de novembro de 2006 
  2. Stocking, Holly (1998). «On Drawing Attention to Ignorance». Science Communication. 20 (1): 165–178. doi:10.1177/1075547098020001019. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  3. Wehling, Peter (2001). «Beyond knowledge? Scientific ignorance from a sociological point of view». Zeitschrift für Soziologie. 30 (6): 465–484. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  4. http://www.questia.com/googleScholar.qst;jsessionid=Lk9T2HDmM1t6PHggWkXy9Ny7Cv75T9TskJwwvw8PyFgdmccphCr7!601689703!-129296667?docId=5000344671
  5. Collins, H. M. and S. Yearley (1992).

Referências[editar | editar código-fonte]

Leia mais[editar | editar código-fonte]

  • Baez, John: The Bogdanoff Affair [1]
  • Bloor, David (1976) Knowledge and social imagery. London: Routledge.
  • Bloor, David (1999) Anti-Latour. Studies In History and Philosophy of Science Part A Volume 30, Issue 1, March 1999, Pages 81–112.
  • Chu, Dominique (2013), The Science Myth---God, society, the self and what we will never know, ISBN 1782790470
  • Collins, H.M. (1975) The seven sexes: A study in the sociology of a phenomenon, or the replication of experiments in physics, Sociology, 9, 205-24.
  • Collins, H.M. (1985). Changing order: Replication and induction in scientific practice. London: Sage.
  • Collins, Harry and Steven Yearley. (1992). Epistemological Chicken in Science as Practice and Culture, A. Pickering (ed.). Chicago: The University of Chicago Press, 301-326.
  • Edwards, D., Ashmore, M. & Potter, J. (1995). Death and furniture: The rhetoric, politics, and theology of bottom line arguments against relativism. History of the Human Sciences, 8, 25-49.
  • Gilbert, G. N. & Mulkay, M. (1984). Opening Pandora's box: A sociological analysis of scientists' discourse. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Latour, B. & Woolgar, S. (1986). Laboratory life: The construction of scientific facts. 2nd Edition. Princeton: Princeton University Press. (not an SSK-book, but has a similar approach to science studies)
  • Latour, B. (1987). Science in action : how to follow scientists and engineers through society. Cambridge, MA: Harvard University Press. (not an SSK-book, but has a similar approach to science studies)
  • Pickering, A. (1984). Constructing Quarks: A sociological history of particle physics. Chicago; University of Chicago Press.
  • Schantz, Richard and Markus Seidel (2011). The Problem of Relativism in the Sociology of (Scientific) Knowledge. Frankfurt: ontos.
  • Shapin, S. & Schaffer, S. (1985). Leviathan and the Air-Pump. Princeton, NJ: Princeton University Press.
  • Williams, R. & Edge, D. (1996). The Social Shaping of Technology. Research Policy, vol. 25, pp. 856–899 [2]
  • Willard, Charles Arthur. (1996). Liberalism and the Problem of Knowledge: A New Rhetoric for Modern Democracy, University of Chicago Press.
  • Jasanoff, S. Markle, G. Pinch T. & Petersen, J. (Eds)(2002), Handbook of science, technology and society, Rev Ed.. London: Sage.
Outros materiais relevantes