Socorro (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o município do estado de São Paulo. Para o distrito na cidade de São Paulo, veja Socorro (distrito de São Paulo).
Socorro

Estância Hidromineral de Socorro

  Município do Brasil  
Rua Doutor Campos Salles no centro de Socorro
Rua Doutor Campos Salles no centro de Socorro
Símbolos
Bandeira de Socorro
Bandeira
Brasão de armas de Socorro
Brasão de armas
Hino
Lema Onde ainda se vive
Apelido(s) "Cidade Aventura"
Gentílico socorrense
Localização
Localização de Socorro em São Paulo
Localização de Socorro em São Paulo
Mapa de Socorro
Coordenadas 22° 35' 27" S 46° 31' 44" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[1] Campinas
Região imediata[1] Bragança Paulista
Municípios limítrofes Pedra Bela, Pinhalzinho, Monte Alegre do Sul, Serra Negra, Lindóia, Águas de Lindóia, Monte Sião (MG), Bueno Brandão (MG), Munhoz (MG) e Toledo (MG)
Distância até a capital 135 km
História
Fundação 9 de agosto de 1829 (192 anos)
Emancipação 1883 (138 anos)
Administração
Prefeito(a) Josué Ricardo Lopes (PTB, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [2] 448,074 km²
População total (IBGE/2020[3]) 41 352 hab.
Densidade 92,3 hab./km²
Clima Subtropical (Cwb)
Altitude 752 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[4]) 0,729 alto
PIB (IBGE/2017[5]) R$ 822 932,52 mil
PIB per capita (IBGE/2017[5]) R$ 20 460,78
Sítio www.socorro.sp.gov.br/ (Prefeitura)
www.camarasocorro.sp.gov.br/ (Câmara)

Socorro é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 22º35'29" sul e a uma longitude 46º31'44" oeste, estando a uma altitude de 752 metros. Sua população estimada em 2020 era de 41 352 habitantes.

Fica às margens do rio do Peixe e na Serra da Mantiqueira. Atualmente, a economia do município está voltada para o setor de confecções (malharias), agricultura, pecuária e turismo ecológico, esporte de aventura, cicloturismo e mototurismo.


Estância hidromineral[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estância turística (São Paulo)

Socorro é um dos 19 municípios paulistas considerados estâncias hidrominerais pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto a seu nome o título de Estância Hidromineral, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

História[editar | editar código-fonte]

Origem e fundação[editar | editar código-fonte]

Socorro foi fundada em 1738, por Simão Toledo Piza, após os índios Carajás se afastarem do local em decorrência das incursões dos bandeirantes[6][7] Na época, era chamada Campanha de Toledo, pertencia ao chamado Sertão de Bragança e contava com 922 habitantes.[7] Em 1829, foi erguida uma capela em homenagem à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, padroeira do município, no local da atual Igreja Matriz.[6][7] A primeira missa foi realizada na data de 9 de agosto, data que se comemora o aniversário do município.

Em 1883, Socorro foi declarada município e, em maio de 1889, como comarca.[6] Em 1945, o então governador do Estado de São Paulo, Fernando Costa, elevou a município à condição de Estância Sanitária.

Produção de café e imigração italiana[editar | editar código-fonte]

Desde o século XIX até hoje, a cidade ainda é um importante local de produção do café.

Com o fim da escravidão e o início da República Velha, chegam a São Paulo os imigrantes italianos para substituir a mão de obra escrava nas lavouras de café. Os fazendeiros do Estado sentiram a necessidade de escoar o café para o porto com mais eficiência. Começa então a construção de ferrovias do interior até o litoral. Foi aí que surgiu a Companhia Mogyana de Estradas de Ferro, que construiu sua primeira estação de trem no dia 18 de março de 1872, em Campinas.

Em 21 de abril de 1909, foi inaugurado o ramal Socorro, que impulsionou o desenvolvimento da cidade, pois, além de facilitar o escoamento do café, conferiu eficiência ao transporte de gado. Até então, as cargas comerciais eram conduzidas por burros, mulas e éguas.

Em 1929, quebra a Bolsa de Nova Iorque, ocasionando uma grande depressão em todo o mundo. As exportações de café, que até então praticamente sustentavam o país, caíram expressivamente causando dívidas enormes aos cafeicultores paulistas que possuíam grandes estoques de café.

Nesse momento muitos italianos que trabalhavam nas lavouras tiveram a oportunidade de adquirir várias propriedades rurais a preços mais acessíveis.

Pracinhas chegam a Socorro em 14 de agosto de 1945.

Em 1945, Socorro recebeu a visita dos "Pracinhas" - membros da Força Expedicionária Brasileira que lutou na Itália durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1978, Socorro se torna estância hidromineral e readquire seus direitos políticos.

Investimentos em turismo[editar | editar código-fonte]

Desde 2004, todos os setores de serviço (restaurantes, hotéis, teatros, etc.), tiveram o prazo de quatro anos para adaptarem os locais de acesso para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida - parte do projeto Socorro Acessível.[6] Socorro participa, desde seu início, da Adventure Sport Fair e, em 2005, o Ministério do Turismo do Brasil falou pela primeira vez sobre acessibilidade neste evento.

O esporte de aventura, de todas as categorias de turismo, era o mais complexo, pois exigiria, não só adaptações como rampas de acesso, banheiros, cadeiras, mas também criações de equipamentos que fossem seguros e ao mesmo tempo confortáveis aos praticantes. Em uma ação conjunta entre Ministério do Turismo, ONGs, empresas locais do ramo e a prefeitura da cidade, foram realizados estudos necessários para possibilitar a prática de Turismo de Aventura para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Foram destinadas verbas para a ONG Aventura Especial, com o objetivo de formar profissionais preparados para atenderem os novos praticantes. Profissionais foram indicados para o estudo das atividades propostas: anatomia do corpo dos praticantes e meios de comunicação. Hoje, Socorro é a única cidade do Brasil[carece de fontes?] que tem a possibilidade, dentro dos critérios apreendidos, de oferecer certo grau de conforto para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, no segmento de Turismo de Aventura.

O projeto foi batizado de Aventureiros Especiais, e totalmente desenvolvido em Socorro, com autorização do Ministério do Turismo. Em função do sucesso do projeto, o município recebeu do Ministério do Turismo a missão de adaptar a cidade para receber o turista com deficiência ou mobilidade reduzida. Ruas e calçadas foram estrategicamente adaptadas para que todas as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida fossem atendidas, contemplando lugares onde o turista vai, como bancos, comércio, etc. Algumas obras já foram concluídas, outras estão em andamento. O município também passar a oferecer, entre as 24 modalidades esportivas de turismo de aventura do local, oito totalmente adaptadas para atender esse público.

Primeira prefeitura de Socorro-SP. Localizada no bairro da Aparecidinha


Demografia[editar | editar código-fonte]

Imigração italiana[editar | editar código-fonte]

Sociedade Italo-Brasileira Socorrense.

A Sociedade Ítalo-Brasileira Socorrense, foi fundada em 4 de outubro de 1904, sob o nome de "Societá Di Mútuo Soccorso Itália Libera Giuseppe Garibaldi", no centro de Socorro. A criação da sociedade atenderia às necessidades em defesa dos imigrantes italianos frente às condições adversas de vida que então encontraram no Brasil.

A sociedade estimularia a integração dos imigrantes com atividades recreativas e esportivas. A instituição atendia à comunidade italiana em situações adversas: médico, farmacêutico, amparo a família, etc.

A Campanha de Nacionalização de Getúlio Vargas e as restrições aos eixistas (italianos, alemães e japoneses), obrigou sociedade a mudar seu nome para Sociedade Beneficente Socorrense.

Em 8 de dezembro de 1996, a Assembleia Geral aprovou a mudança do nome da Sociedade Beneficente Socorrense para a atual denominação: Sociedade Ítalo – Brasileira Socorrense.

Os objetivos atuais da instituição são a preservação da cultura e o resgate das tradições italianas.

Por fim, para comemorar o centenário da formação no ano de 2004 a atual diretoria construiu um monumento aos imigrantes italianos que fica exposto na praça rotatória do município que levou o nome de "Rotatória do Imigrante".

Vários dos integrantes da instituição foram agraciados com a "Comenda Garibaldino" outorgada pela "Associazione Veterani e Reduci Garibaldino", distinção concedida àqueles que prestam serviços considerados relevantes na divulgação e promoção da cultura italiana.

Todos os anos no mês de outubro, é organizado pela sociedade uma festa de confraternização com comidas tradicionais, bebidas e música italiana.

Atualmente a Sociedade Ítalo – Brasileira Socorrense é a mais antiga associação da cidade de Socorro e uma das mais antigas do Brasil em plena atividade.

Crescimento populacional
Censo Pop.
199130 763
200032 7046,3%
201036 68612,2%
Est. 202041 352[3]12,7%

Geografia[editar | editar código-fonte]

Socorro possui uma área de 448,074 km². A Estância Hidromineral de Socorro faz parte do Circuito das Águas Paulista.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rio do Peixe[editar | editar código-fonte]

Cachoeira do Camanducaia, em Socorro.

A cidade de Socorro é cortada pelo Rio do Peixe, cuja nascente fica no município de Senador Amaral em Minas Gerais, atravessando os município paulistas de Socorro, Lindóia e Itapira. É o principal afluente do rio Mogi-Guaçu, onde deságua. Sua extensão total chega a 130 km. É possível encontrar nele espécies como pacu, piratininga, acará, mandi, cascudo, entre outros.

No trecho socorrense, há diversas cachoeiras, como a do Monjolinho, Saltinho, Cachoeira dos Sonhos, Cachoeira do Rio do Peixe, Cachoeira Véu de Noiva, Cachoeira Rancho Alegre, Cachoeira Santos Dumont e Cachoeira do Pinhal. Pequenas quedas d'água estão em todo o percurso devido à topografia acidentada. O grande desafio atual do rio para o Rio do Peixe é a conservação e o reflorestamento da mata ciliar, pois a saúde do rio e sua fauna dependem diretamente deste trabalho. O município de Socorro também é cortado pelo rio Camanducaia.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do município é marcado por invernos relativamente frios, com ocorrência de geadas, e nos anos mais frios, temperaturas negativas, e verões amenos devido, principalmente, à altitude e às chuvas abundantes nos meses mais quentes. A ocorrência de invernos mais frios está intimamente ligada à economia do município, uma vez que sua base são as malharias.

De acordo com o sistema de classificação climática de Köppen-Geiger, Socorro tem um clima subtropical úmido.[8]

Dados climatológicos para Socorro
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 28,9 28,7 28,4 26,7 24,9 23,8 24,0 26,0 27,1 27,5 28,0 27,9 26,8
Temperatura mínima média (°C) 17,7 17,9 17,1 14,5 11,8 10,3 9,8 11,1 13,1 14,9 15,7 17,0 14,2
Precipitação (mm) 266,2 223,0 173,8 80,4 64,6 47,6 29,3 37,2 73,1 133,2 154,8 254,7 1 537,9
Fonte: Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura[8] 2010

Cultura[editar | editar código-fonte]

Biblioteca[editar | editar código-fonte]

Biblioteca "Profa. Esther de Camargo Toledo Teixeira"[editar | editar código-fonte]

Tudo começa com uma primeira tentativa de criação ainda na década de 1940, o prefeito Alfredo Oliveira Santos Jr. cede uma pequena sala da própria prefeitura. Em 2 de janeiro de 1942 sob o comando da bibliotecária Nice Lucila Siqueira se inicia nossa história. Porém, sem muito êxito, pela precariedade das condições esse pequeno quartinho teve vida breve.[9]

A história da Biblioteca Municipal de Socorro, no entanto, retoma de maneira mais formal no final de 1970, quando a prefeitura firma um convênio para receber, em comodato, todo o acervo da Biblioteca Vicentina, por prazo indeterminado[10]. Acervo esse pertencente a Associação de Educação e Cultura.

Andar inferior

Como forma de custear a manutenção desse acervo a prefeitura recorre ao Instituto Nacional do Livro (INL). Dentre as inúmeras funções o INL tinha como princípio ajudar na manutenção de bibliotecas públicas no país[11]. Porém, para firmar essa parceria alguns requisitos eram necessários como, por exemplo, atestado de funcionamento, lei de criação da biblioteca ou sala-de-leitura, bem como comprovação de inclusão de verba para manutenção de custeio[12].

Dessa maneira, ainda em dezembro de 1970, o então prefeito, Imir Baladi, firma esse convênio com o INL, criando por lei nº 993 uma sala-de-leitura e abrindo créditos especiais para as despesas necessárias[13]. Assim, a Biblioteca Municipal começa a ganhar forma oficial, por meio de leis e verbas destinadas especialmente a ela.

Ainda em seu mandato, após a morte da professora Esther de Camargo Toledo Teixeira (1902-1973), Baladi assina o decreto nº 704, em março de 1974, para denominar a biblioteca com o nome da professora como homenagem póstuma. Segundo o próprio texto do decreto, essa homenagem seria necessária, pois, após trinta anos de magistério dedicados à comunidade socorrense, a “querida mestra” conviveu intensamente com os livros para ministrar suas aulas as luzes do saber[14].

Um mês depois, em abril de 1974, é liberado um crédito da contadoria municipal para Biblioteca adquirir móveis e equipamentos, bem como para o pagamento de aluguel[15]. Em outubro há mais um reforço dessa verba[16]. E por fim, no mesmo ano, são destinadas verbas especiais a Biblioteca para assinaturas de jornais e revistas[17]. Aos poucos a Biblioteca Municipal socorrense se consolida no erário do município, bem como uma instituição a mais no combate ao analfabetismo e, também, para enriquecimento no setor cultural socorrense.

Uma década depois, em outubro de 1984, Franco Montoro, então governador do Estado de São Paulo, cria o Sistema de Bibliotecas Públicas do Estado de São Paulo (SisEB)[18]. Nesse mesmo ano, apenas dois meses depois, Valdir Bortolasso, então prefeito da cidade de Socorro, sancionava, enfim, a lei da criação da Biblioteca Municipal de Socorro, nos moldes da exigência da lei estadual[19]. Dessa forma, a Biblioteca Municipal socorrense já nasce fazendo parte do SisEB, no qual faz parte até os dias atuais. Portanto, a data oficial da criação da Biblioteca Municipal de Socorro é 06 de dezembro de 1984, pela lei nº 1857.Bibliotecadesocorro.png

Já na segunda década do século XXI mais duas leis são incorporadas a Biblioteca Municipal, primeiramente, quando houver aquisição de livros, a necessidade de se reservar uma parte da verba para compra de livros em formatos acessíveis, isto é, para pessoas com deficiência visual[20]. E também a obrigatoriedade de oferecer o serviço de internet móvel a todos, durante o horário de funcionamento da Biblioteca[21].

Isso demonstra a adaptação da Biblioteca Pública a sua função ao longo do tempo. A evolução da sociedade socorrense e a própria adaptação da Biblioteca para atender esse público mais dinâmico quanto a sua comunicação, sem deixar de lado aspectos da acessibilidade. Em 2021, foi criado um site oficial da biblioteca.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

O município pertence à Diocese de Bragança Paulista

Espiritismo[editar | editar código-fonte]

Socorro possui 4 Centros Espíritas.[22]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[23], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[24], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[25] para suas operações de telefonia fixa.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia de Socorro se estrutura em três atividades principais: agropecuária, turismo e malharia. Socorro faz parte da região do Circuito das Malhas - que, além desta, compreende as cidades de Monte Sião e Jacutinga, no sul de Minas Gerais, e a paulista Serra Negra. A região é caracterizada pela presença do trabalho em domicílio, um tipo de relação trabalhista que assegura a manutenção de empregos de um setor econômico baseado na fabricação de tricôs.

Em 1968, Jorge Fruchi e seu sócio, Mina da Col, que dirigiam a loja O Município, receberam uma proposta para revender um modelo de máquina de costura japonesa chamada Brother 587, importada pela Elgin Máquinas S/A. Três meses mais tarde, chegam à loja as máquinas de tricô. A primeira máquina foi vendida a Glayds Vita Araújo, que já possuía uma Lanofix e fizera um curso na própria empresa, na cidade de São Paulo, e em seguida a ensinar outras pessoas interessadas em aprender a dominar o equipamento em Socorro.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O município Socorro tem o turismo como uma de suas principais atividades econômicas É conhecida como a Capital Nacional do Tricô e Malha.

A Feira Permanente de Malhas e o Moda Shopping atendem aos turistas e cobrem as encomendas de grandes lojas da Capital. A cidade também tem potencial para os esportes de aventura. hoje, ela é uma das principais cidades do Circuito Nacional e também faz parte do Projeto Socorro Acessível, em que as práticas esportivas incluem pessoas com necessidades especiais.

A cidade tem uma ampla cobertura de Hotéis e Pousadas distribuídas na cidade e fazem parte do Turismo Rural. Há também cerca de dez alambiques, dez pesqueiros e pequenas propriedades para a comercialização de produtos orgânicos.

Principais modalidades de Esporte Aventura na cidade[editar | editar código-fonte]

  • Haka Race: Socorro já recebeu algumas vezes uma das etapas do Haka Race, que é uma competição que envolve várias modalidades como Rafting, Caminhada de longa duração, Ciclo Turismo, Tirolesa e outras.
  • Acqua-ride e Boia Cross: Descida em corredeiras utilizando boias infláveis.
  • Canoagem: bote inflável duplo, muito ágil para a descida em rios com diferentes graus de dificuldade.
  • Rafting: Percurso de 3 a 6 km.
  • Rapel: Técnica vertical de descida em corda.
  • Tirolesa: Deslizamento entre dois pontos afastados horizontalmente em desnível, ligados por cabo ou corda.
  • Escalada: Ascensão de montanhas, paredes artificiais, blocos rochosos utilizando técnicas artificiais.
  • Quadriciclo: Passeio com o veiculo motorizado
  • Voo livre e Parapente.

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. a b «Estimativa Populacional 2020». Estimativa Populacional 2020. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 27 de agosto de 2020. Consultado em 30 de agosto de 2020 
  4. [1]
  5. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/socorro/pesquisa/38/46996. Consultado em 30 agosto 2020  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  6. a b c d História na página oficial da prefeitura de socorro Arquivado em 4 de fevereiro de 2013, no Wayback Machine.. Acessado em 4 de janeiro de 2013.
  7. a b c História de Socorro na página turística da cidade Arquivado em 30 de agosto de 2012, no Wayback Machine.. Acessado em 4 de janeiro de 2013.
  8. a b «Clima dos Municípios Paulistas / Socorro». CPA - Unicamp. Consultado em 17 de junho de 2009  Parâmetro desconhecido |from= ignorado (ajuda)
  9. BARBOSA, B. G. S.; OLIVEIRA, G. D.; NETTO, J. Z. (org.). Estância turística de Socorro. Álbum do sesquicentenário 1829-1979. Socorro: O.G. amparense, [1979].
  10. SOCORRO. Decreto nº 704, de 19 de março de 1974. Socorro, SP: Secretaria da Prefeitura, 1974a.
  11. BRASIL. Decreto-lei nº 93, de 21 de dezembro de 1937. Cria o Instituto Nacional do Livro. Rio de Janeiro: Presidência da República, Casa Civil, 1937.
  12. Barroso, Maria Alice (1973). «Instituto Nacional do Livro». Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação (1/3): 45–63. ISSN 1980-6949. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  13. SOCORRO. Lei nº 993, de 03 de dezembro de 1970. Socorro, SP: Secretaria da Prefeitura, 1970b.
  14. SOCORRO. Decreto nº 704, de 19 de março de 1974. Socorro, SP: Secretaria da Prefeitura, 1974a.
  15. SOCORRO. Lei nº 1242, de 25 de abril de 1974. Socorro, SP: Secretaria da Prefeitura, 1974b.
  16. SOCORRO. Lei nº 1268, de 10 de setembro de 1974. Socorro, SP: Secretaria da Prefeitura, 1974c.
  17. SOCORRO. Lei nº 1277, de 14 de outubro de 1974. Socorro, SP: Secretaria da Prefeitura, 1974d.
  18. SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 22.766, de 9 de outubro de 1984. Cria o Sistema de Bibliotecas Públicas do Estado de São Paulo e dá providências correlatas. São Paulo, SP: Secretaria de Estado do Governo, 1984.
  19. SOCORRO. Lei nº 1.857, de 06 de dezembro de 1984. Cria a biblioteca pública municipal e dá outras providências. Socorro, SP: Prefeitura Municipal de Socorro, 1984.
  20. SOCORRO. Lei nº 4.070, de 27 de junho de 2017. Estabelece que a aquisição de livros para o abastecimento[…]. Socorro, SP: Prefeitura Municipal de Socorro, 2017a.
  21. SOCORRO. Lei nº 4.071, de 27 de junho de 2017. Dispõe sobre a internet móvel “Wi-Fi” na biblioteca pública[…]. Socorro, SP: Prefeitura Municipal de Socorro, 2017b.
  22. «Socorro». www.usecircuitodasaguas.org. Consultado em 3 de junho de 2020 
  23. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  24. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  25. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Socorro (São Paulo)

- Portal Estância de Socorro