Socorro Vermelho Internacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Socorro Vermelho Internacional
Fundação 1922
Extinção 1941 (Filial soviética - 1947)
Propósito "Assistência na criação de organizações para prestar ajuda material e moral a todos os cativos do capitalismo na prisão".
Fundador(a) Internacional Comunista
Organização Julian Marchlewski (1.º Presidente)
Clara Zetkin
Elena Stasova
Área de influência Mundial

O Socorro Vermelho Internacional (também conhecida pelo seu acrónimo russo MOPR, por Междунаро́дная организа́ция по́мощи борца́м револю́ции) era uma organização internacional de serviços sociais estabelecida pela Internacional Comunista. A organização foi fundada em 1922 para funcionar como uma "Cruz Vermelha política internacional", fornecendo ajuda material e moral aos prisioneiros políticos radicais da «guerra de classes» em todo o mundo.

História organizacional[editar | editar código-fonte]

Formação[editar | editar código-fonte]

A Sociedade Internacional de Ajuda aos Trabalhadores, conhecida coloquialmente pela sua sigla em russo, MOPR,[1] foi criada em 1922 em resposta à directiva do 4º Congresso Mundial do Comintern para apelar a todos os partidos comunistas "a ajudar na criação de organizações para prestar ajuda material e moral a todos os cativos do capitalismo na prisão".[2]

Julian Marchlewski-Karski foi nomeado presidente do Comité Central do MOPR, o órgão dirigente da nova organização. Depois de 1924, o nome deste órgão diretivo foi alterado para Comité Executivo.[3]

A primeira sessão plenária do Comité Central do MOPR realizou-se em Junho de 1923 em Moscovo. Nesta reunião foi determinado que o MOPR deveria estabelecer secções em todos os países, particularmente aqueles que sofrem do chamado "terror branco" contra o movimento revolucionário.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A primeira conferência internacional do MOPR teve lugar em Julho de 1924, em simultâneo com o 5º Congresso Mundial do Comintern.

De acordo com Elena Stasova, chefe da secção russa do MOPR e vice-chefe do Comité Central da Organização Internacional, em 1 de Janeiro de 1928, o MOPR contava com um total de 8.900.000 membros em 44 secções nacionais. Em 1 de Janeiro de 1931, o âmbito do MOPR tinha aumentado para 58 organizações nacionais, com um total de 8.305.454 membros, segundo Stasova.[4] Nesta última data, a organização internacional mantinha um total de 56 publicações periódicas em 19 línguas, declarou Stasova.

Stasova observou que existiam duas formas de organização, "organizações de massas" - como as da URSS, Alemanha, França, Estados Unidos - e "organizações do tipo comité", que se limitavam à ajuda jurídica e material aos presos políticos e suas famílias sem tentar estabelecer organizações de membros em grande escala.

Stasova enfatizou a diferença contínua entre a MOPR e a Workers International Relief, outro ramo do aparelho internacional do Comintern. "A diferença é esta", observou ela em 1931, "estamos a ajudar os presos políticos e a Ajuda Internacional dos Trabalhadores assiste na altura das greves económicas, na altura da luta económica".

O 1º Congresso Mundial do MOPR foi realizado em Novembro de 1932. Nessa reunião foi anunciado que, em 1 de Janeiro desse ano, o MOPR tinha criado 67 secções nacionais fora da URSS, com 1.278.274 membros.

Cartaz do MOPR de 1932

Terminação[editar | editar código-fonte]

O MOPR foi chefiado por Elena Stassova até 1938, período após o qual seu caráter internacional foi minimizado.

Histórias nacionais[editar | editar código-fonte]

Em 1924, a organização tinha filiais nacionais em dezenove países. Em 1932, tinha sessenta e duas afiliadas (excluindo a União Soviética) com um total de 1.278.274 membros individuais. [5]

Espanha[editar | editar código-fonte]

A International Red Aid fez sua primeira aparição na Espanha como uma organização de caridade durante a revolta dos trabalhadores de outubro de 1934 nas Astúrias . Prestou ajuda aos presos por seu papel na rebelião e organizou campanhas de anistia para os presos que deveriam ser executados.

A organização, que incluía muitos artistas e escritores, foi posteriormente reformada e expandida em Barcelona em janeiro de 1936, com o objetivo de se opor ao fascismo em várias frentes.

Atividades durante a Guerra Civil Espanhola[editar | editar código-fonte]

Durante a Guerra Civil Espanhola, o escritor Joaquín Arderíus serviu como presidente da organização antes de se exilar para França e depois para o México. O SRI criou cozinhas de sopa e campos de refugiados em todo o território controlado pelos republicanos, e também forneceu bibliotecas aos soldados republicanos, mas muitos dos seus programas - assim como a alimentação e a ajuda que recolheu - concentraram-se na prestação de ajuda às crianças. Por exemplo, o SRI fundou a Escuela Nacional para Niños Anormales (Escola Nacional para Crianças com Deficiência Mental) em Madrid, com 150 estudantes. Fundou também um Parque Infantil nos arredores de Madrid, fornecendo abrigo a mais 150 crianças.

Outras atividades incluídas:

  • A construção de redes de transporte entre hospitais e a frente.
  • A transformação de vários edifícios (conventos, igrejas, palácios) em hospitais, clínicas, bancos de sangue, orfanatos e escolas improvisados.

As contribuições médicas incluíram a criação de 275 hospitais, serviços de ambulância, a criação da Clínica e Faculdade de Ortodontia, campanhas de higiene dentária, e a mobilização de dentistas para a frente. O Partido dos Trabalhadores da Unificação Marxista (POUM), um pequeno partido marxista em Espanha na altura, organizou um paralelo Socorro Rojo del P.O.U.M. em oposição à Ajuda Vermelha Internacional.[6]

Atividades militares[editar | editar código-fonte]

As fileiras do Quinto Regimento (dissolvido em 21 de janeiro de 1937), estabelecido pelo Partido Comunista de Espanha com a eclosão da Guerra Civil, também foram inchadas por membros do SRI. O Quinto Regimento, baseado no Exército Vermelho Soviético, incluiu Juan Modesto e Enrique Líster entre seus líderes e lutou principalmente nas batalhas em Madrid e ao longo de 1936. O SRI também ajudou simpatizantes comunistas na Espanha nacionalista a chegar a um território amigo.

A insígnia do SRI consistia em um "S" (de Socorro) atrás das grades de uma prisão.

Países Baixos[editar | editar código-fonte]

A seção holandesa do Socorro Vermelho Internacional realizou seu primeiro congresso em 1926. [7] No mesmo ano, começou a publicar a Rode Hulp.[8]

Finlândia[editar | editar código-fonte]

O Socorro Vermelho Internacional esteve activa durante a década de 1930, liderada pelo Partido Comunista da Finlândia. Prestou assistência a prisioneiros revolucionários nas prisões finlandesas. As mulheres ligadas à Red Aid faziam trabalhos artesanais e organizavam bazares, a fim de financiar as actividades da organização. A organização tentou também mobilizar a opinião pública contra os maus tratos infligidos aos prisioneiros. A Red Aid da Finlândia publicou Vankien Toveri.[9]

América latina[editar | editar código-fonte]

Nos finais da década de 1920, Farabundo Martí tornou-se o líder do Socorro Vermelho Internacional na América Latina.[10] Julio Antonio Mella, o líder comunista cubano exilado no México desde 1926, foi uma figura de destaque na secção mexicana da organização.[11]

União Soviética[editar | editar código-fonte]

A maior secção do MOPR era o seu ramo soviético, que representava a maioria dos membros internacionais da organização. A MOPR organizou numerosas lotarias e campanhas de angariação de fundos.

Coreia[editar | editar código-fonte]

Yi Donghwi foi um organizador proeminente do MOPR.[12]

Madagascar[editar | editar código-fonte]

Uma filial do MOPR foi formada em Madagáscar em 1933.[13]

Congressos do MOPR[editar | editar código-fonte]

Ano Nome Localização Dates Delegates
1923 1st Plenary Session of the CC of MOPR Moscovo Junho
1924 1st International Conference Moscovo Julho 14–16 109 (91 CP, 13 YCI, 5 não-partidários)
1927 2nd International Conference Moscovo Março 24-Abril 5
1932 1st World Congress Moscovo Novembro

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The full Russian name of the organization was Международная организация помощи революциoнepaм ("International Organization for Aid to Revolutionaries"). This can be transliterated Mezhdunarodnaia Organizatsiia Pomoshchi Revoliutsioneram — MOPR.
  2. Cited in Branko Lazitch and Milorad M. Drachkovitch, Biographical Dictionary of the Comintern: New, Revised, and Expanded Edition. Stanford, California: Hoover Institution Press, 1986; pg. xxviii.
  3. Lazitch and Drachkovitch, Biographical Dictionary of the Comintern, pg. xxviii.
  4. H. Stassova [E. Stasova], MOPR's Banners Abroad: Report to the Third MOPR Congress of the Soviet Union. Moscow: Executive Committee of IRA, 1931; pp. 12-13.
  5. Lazitch 1986, p. xxix.
  6. ALBA - Articles - "Shouts from the wall." USF Magazine. 4 (Fall) 1997. pp. 24-27 Arquivado em 2008-09-07 no Wayback Machine.
  7. Lijst Van Geraadpleegde Literatuur Arquivado em fevereiro 5, 2012[Erro data trocada], no Wayback Machine.
  8. Universiteit Maastricht (bibliotheek) - results/illegal[ligação inativa]
  9. Suomen Punainen Apu[ligação inativa] (Kansan Arkisto)
  10. «ALBA .:Alternativa Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América - Content - BIOGRAFÍA». Consultado em 6 de setembro de 2006. Cópia arquivada em 25 de julho de 2011 
  11. "Fuentes," www.difusioncultural.uam.mx/
  12. 이동휘 (李東輝 ; 1873~1928)
  13. Busky, Donald F.. Communism in history and theory. Asia, Africa, and the Americas. Westport: Praeger, 2002. p. 128

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • James Martin Ryle, International Red Aid, 1922-1928: The Founding of a Comintern Front Organization. PhD dissertation. Atlanta, GA: Emory University, 1967.