Sofrósina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sofrósine (do grego Σωφροσύνη, translit. sôphrosýnê: "moderação") era uma Daemon que personificava a moderação, a discrição e o autocontrole, portanto era oposta a deusa Afrodite, que incita as paixões desenfreadas. Sua equivalente romana era Sobrietas, a sobriedade.

Era um dos Agatodaemones, espíritos benéficos, que escaparam da caixa de Pandora, quando ela a abriu. Sofrosine então fugiu para o Olimpo, abandonando definitivamente a raça humana. Segundo Higino ela era filha de Érebo e Nix.[1]

Conceito[editar | editar código-fonte]

É também um conceito grego que significa sanidade moral, autocontrole e moderação, guiados pelo autoconhecimento. Mais tarde o conceito foi ampliado para incluir a noção de prudência, e era associado à doutrina apolínea do "nada em excesso" e do "conhece-te a ti mesmo". O termo sugere a conquista de uma vida de felicidade obtida quando as necessidades filosóficas de alguém são satisfeitas, analogamente à ideia de iluminação conquistada com uma vida harmoniosa, e encontra paralelo em conceitos do Hinduísmo, Budismo e Taoísmo.

Ligado ao conceito pitagórico de harmonia, Platão emprega o termo em seus escritos com um sentido de "moderação".

Na Igreja Ortodoxa, a palavra adquiriu sentidos de pureza, integridade e virgindade. Assimila-se ao conceito cristão de temperança.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Referências[editar | editar código-fonte]