Sojourner Truth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sojourner Truth
Sojourner Truth em c. 1870
Nascimento Isabella Baumfree
c.1797
Swartekill, Nova Iorque
Morte 26 de novembro de 1883 (86 anos)
Battle Creek, Michigan
Nacionalidade norte-americana
Progenitores Mãe: Elizabeth Baumfree
Pai: James Baumfree
Filho(a)(s) 5
Ocupação Abolicionista, autora e ativista pelos direitos humanos
Prêmios National Women’s Hall of Fame (1981)

Michigan Women's Hall of Fame (1983)

Religião Metodista
Página oficial
sojournertruthmemorial.org

Sojourner Truth (nascida Isabella Baumfree; Swartekill, c.1797Battle Creek, 26 de novembro de 1883) foi uma abolicionista e ativista dos direitos das mulheres afro-americana.[1] Truth nasceu escravizada em Swartekill, Nova Iorque, mas escapou com sua filha pequena para a liberdade em 1826. Depois de ir ao tribunal para resgatar seu filho em 1828, ela se tornou a primeira mulher negra a ganhar um caso como esse contra um homem branco.

Ela se autodenominou Sojourner Truth em 1843, depois de se convencer que Deus a havia chamado para deixar a cidade e ir para o campo "testemunhando a esperança que havia nela".[2] Seu discurso mais conhecido foi feito de improviso, em 1851, na Convenção dos Direitos das Mulheres de Ohio, em Akron. O discurso ficou amplamente conhecido durante a Guerra Civil Americana com o título "Ain't I a Woman?", uma variação da fala original reescrita por outra pessoa usando um dialeto sulista estereotipado, entretanto Sojourner Truth era de Nova Iorque e cresceu falando holandês como sua primeira língua. Durante a Guerra Civil, Truth ajudou a recrutar tropas negras para o Exército da União; depois da guerra, ela tentou, sem sucesso, garantir concessões de terras do governo federal para pessoas anteriormente escravizadas (resumido como a promessa de "quarenta acres e uma mula"). Ela continuou a lutar em nome das mulheres e dos afro-americanos até sua morte. Como escreveu sua biógrafa Nell Irvin Painter: "Numa época em que a maioria dos americanos pensava nos escravos como homens e nas mulheres como brancas, Truth incorporou um fato que ainda vale a pena repetir: entre os negros há mulheres; entre as mulheres, há negros."[1]

Um busto memorial de Truth foi inaugurado em 2009 no Emancipation Hall no U.S. Capitol Visitor's Center. Ela é a primeira mulher afro-americana a ter uma estátua no edifício do Capitólio.[3] Em 2014, Truth foi incluída na lista da revista Smithsonian dos "100 Americanos Mais Importantes de Todos os Tempos".[4]

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Foto de uma casa grande com duas chaminés em seu lado direito em meio a árvores e uma vegetação exuberante
Casa do Coronel Johannes Hardenbergh

Truth foi uma dos 10 ou 12[5] filhos de James e Elizabeth Baumfree (ou Bomefree). O coronel Hardenbergh comprou James e Elizabeth Baumfree de traficantes de escravos e manteve sua família em sua propriedade em uma grande área montanhosa chamada pelo nome holandês Swartekill (ao norte da atual Rifton), na cidade de Esopus, Nova Iorque, 153 km ao norte da cidade de Nova Iorque.[6] Charles Hardenbergh herdou a propriedade de seu pai e continuou a escravizar pessoas como parte dessa propriedade.[7]

Quando Charles Hardenbergh morreu em 1806, Truth, de nove anos (conhecida como Belle), foi vendida em um leilão com um rebanho de ovelhas por US$100 para John Neely, perto de Kingston, Nova Iorque. Até então, Truth falava apenas holandês,[8] e depois de aprender inglês, ela o falava com sotaque holandês, não o inglês estereotipado dos "escravos negros".[9] Mais tarde, ela descreveu Neely como cruel e severo, relatando como ele batia nela diariamente e uma vez até com um feixe de varas. Em 1808, Neely a vendeu por US$105 para o taberneiro Martinus Schryver de Port Ewen, Nova Iorque, que a possuiu por 18 meses. Schryver em seguida vendeu Truth em 1810 para John Dumont de West Park, Nova Iorque.[10] John Dumont a estuprou repetidamente, e havia uma tensão considerável entre Truth e a esposa de Dumont, Elizabeth Waring Dumont, que a perturbava e tornava sua vida mais difícil.[11]

Por volta de 1815, Truth conheceu e se apaixonou por um homem escravizado chamado Robert de uma fazenda vizinha. O dono de Robert (Charles Catton Jr., um pintor de paisagens) proibiu o relacionamento; ele não queria que as pessoas que ele escravizava tivessem filhos com pessoas que ele não estava escravizando, porque ele não seria o proprietário dos filhos. Um dia, Robert foi até lá para ver Truth. Quando Catton e seu filho o encontraram, bateram violentamente em Robert até que Dumont finalmente interveio. Truth nunca mais viu Robert depois daquele dia e ele morreu alguns anos depois.[12] A experiência assombrou Truth ao longo de sua vida. Truth acabou se casando com um homem escravizado mais velho, chamado Thomas. Ela teve cinco filhos: James, seu primogênito, que morreu na infância, Diana (1815), resultado de um estupro de John Dumont, e Peter (1821), Elizabeth (1825) e Sophia (ca. 1826), todos nascidos depois que ela e Thomas se uniram.[13]

Liberdade[editar | editar código-fonte]

Em 1799, o estado de Nova Iorque começou a legislar a abolição da escravidão, embora o processo de emancipação das pessoas escravizadas em Nova Iorque não estivesse concluído até 4 de julho de 1827. Dumont prometeu conceder a Truth sua liberdade um ano antes da emancipação do estado, "se ela fizesse bem e fosse fiel". No entanto, ele mudou de ideia, alegando que uma lesão na mão a tornara menos produtiva. Ela ficou furiosa, mas continuou a trabalhar, fiando 45 kg de lã, para satisfazer seu senso de obrigação para com ele.[8]

No final de 1826, Truth escapou para a liberdade com sua filha pequena, Sophia. Ela teve que deixar seus outros filhos para trás, porque eles não foram legalmente libertados na ordem de emancipação até que tivessem servido como servos obrigados aos vinte anos. Mais tarde, ela disse: "Eu não fugi, porque achei isso perverso, mas me afastei, acreditando que tudo estaria bem."[8]

Ela encontrou o caminho para a casa de Isaac e Maria Van Wagenen em New Paltz, que a levou com seu bebê. Isaac ofereceu-se para comprar seus serviços pelo resto do ano (até a emancipação do estado entrar em vigor), que Dumont aceitou por US$20 mais US$5 pela criança. Ela morou lá até que a Lei de Emancipação do Estado de Nova Iorque foi aprovada um ano depois.[8][14]

Truth soube que seu filho Peter, então com cinco anos, havia sido vendido por Dumont e depois revendido ilegalmente para um proprietário no Alabama.[12] Com a ajuda dos Van Wagenens, ela levou a questão ao tribunal e em 1828, após meses de procedimentos legais, ela recuperou seu filho, que havia sido abusado por aqueles que o escravizavam.[7] Truth se tornou uma das primeiras mulheres negras a ir ao tribunal contra um homem branco e ganhar o caso.[15][16]

Truth teve uma experiência religiosa que mudou sua vida durante sua estada com os Van Wagenens e se tornou uma cristã devota. Em 1829, ela se mudou com seu filho Peter para a cidade de Nova Iorque, onde trabalhou como governanta para Elijah Pierson, um evangelista cristão. Enquanto estava em Nova Iorque, ela fez amizade com Mary Simpson, a dona de uma mercearia de John Street que alegou que ela já havia sido escravizada por George Washington. Elas compartilharam o interesse pela caridade para os pobres e se tornaram amigos íntimas. Em 1832, ela conheceu Robert Matthews, também conhecido como Profeta Matthias, e foi trabalhar para ele como governanta na colônia comunitária do Reino de Matthias.[7] Elijah Pierson morreu, e Robert Matthews e Truth foram acusados de roubá-lo e envenená-lo. Ambos foram absolvidos do assassinato,[8] embora Matthews tenha sido condenado por crimes menores, cumpriu pena e se mudou para o oeste.[17]

Em 1839, o filho de Truth, Peter, conseguiu um emprego em um navio baleeiro chamado Zone of Nantucket. De 1840 a 1841, ela recebeu três cartas dele, embora em sua terceira carta ele lhe disse que havia enviado cinco. Peter disse que também nunca recebeu nenhuma das cartas dela. Quando o navio voltou ao porto em 1842, Peter não estava a bordo e Truth nunca mais ouviu falar dele.[7]

O resultado da liberdade[editar | editar código-fonte]

O ano de 1843 foi um momento decisivo para a Baumfree. Ela se tornou metodista e, em 1º de junho, domingo de Pentecostes, mudou seu nome para Sojourner Truth. Ela escolheu o nome porque ouviu o Espírito de Deus chamando-a para pregar "a verdade".[18][19] Ela disse às amigas: “O Espírito me chama e devo ir”, e partiu para fazer seu caminho viajando e pregando sobre a abolição da escravidão.[20] Levando consigo apenas alguns pertences em uma fronha, ela viajou para o norte, subindo pelo Vale do Rio Connecticut, em direção a Massachusetts.[14]

Naquela época, Truth começou a frequentar as reuniões campais adventistas mileritas. Os mileritas seguiram os ensinamentos de William Miller, de Nova Iorque, que pregou que Jesus apareceria em 1843-1844, trazendo o fim do mundo. Muitos na comunidade milerita apreciavam a pregação e os cânticos de Truth, e ela atraía grandes multidões quando falava.[21] Como muitos outros desapontados quando a esperada segunda vinda não aconteceu, Truth se distanciou de seus amigos mileritas por um tempo.[22][23]

Em 1844, ela se juntou à Northampton Association of Education and Industry em Florence, Massachusetts.[14] Fundada por abolicionistas, a organização apoiava os direitos das mulheres e a tolerância religiosa, bem como o pacifismo. Havia, em seus quatro anos e meio de história, um total de 240 membros, embora não mais do que 120 ao mesmo tempo.[24] Eles viviam em 1,9 km², criando gado, administrando uma serraria, uma moenda e uma fábrica de seda. Truth vivia e trabalhava na comunidade e supervisionava a lavanderia, supervisionando homens e mulheres.[14] Enquanto estava lá, Truth conheceu William Lloyd Garrison, Frederick Douglass e David Ruggles. Incentivada pela comunidade, Truth fez seu primeiro discurso antiescravagista naquele ano.

Em 1845, ela se juntou à casa de George Benson, o cunhado de William Lloyd Garrison. Em 1846, a Northampton Association of Education and Industry foi dissolvida, incapaz de se sustentar.[8] Em 1849, ela visitou John Dumont antes de ele se mudar para o oeste.[7]

Truth começou a ditar suas memórias para sua amiga Olive Gilbert e, em 1850, William Lloyd Garrison publicou privadamente seu livro, The Narrative of Sojourner Truth: a Northern Slave.[8] No mesmo ano, ela comprou uma casa em Florence por US$300 e falou na primeira National Women's Rights Convention em Worcester, Massachusetts. Em 1854, com o produto da venda da narrativa e dos cartes-de-visite com a legenda "I sell the shadow to support the substance", ela pagou a hipoteca de seu amigo da comunidade, Samuel L. Hill.[25][26][14]

Ain't I a Woman?[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ain't I a Woman?

Em 1851, Truth se juntou a George Thompson, um abolicionista e palestrante, em uma turnê de palestras pelo centro e oeste do estado de Nova Iorque. Em maio, ela participou da Convenção dos Direitos das Mulheres de Ohio em Akron, onde fez seu famoso discurso extemporâneo sobre os direitos das mulheres, mais tarde conhecido como "Ain't I a Woman?" (em português: "E eu não sou uma mulher?") Seu discurso exigia direitos humanos iguais para todas as mulheres. Ela também falou como uma ex-mulher escravizada, combinando apelos ao abolicionismo com os direitos das mulheres e valendo-se de sua força como trabalhadora para fazer suas reivindicações por direitos iguais.

A convenção foi organizada por Hannah Tracy e Frances Dana Barker Gage, que estiveram presentes quando Truth falou. Diferentes versões das palavras de Truth foram registradas, com a primeira publicada um mês depois no Anti-Slavery Bugle pelo Rev. Marius Robinson, o dono do jornal e editor que estava na plateia.[27] O relato de Robinson sobre o discurso não incluiu nenhum exemplo da pergunta "Ain't I a Woman?" e nem qualquer outro jornal noticiou seu discurso na época. Doze anos mais tarde, em maio de 1863, Gage publicou outra versão muito diferente. Nele, o padrão de fala de Truth parecia ter características de escravos do sul, e a fala era muito diferente daquela relatada por Robinson. A versão do discurso de Gage se tornou a mais amplamente divulgada e é conhecida como "Ain't I a Woman?" porque essa pergunta foi repetida quatro vezes.[28] É altamente improvável que o próprio padrão de fala de Truth fosse do sul por natureza, já que ela nasceu e foi criada em Nova Iorque, e ela só falava apenas baixo-holandês da parte alta do estado de Nova Iorque até os nove anos de idade.[29]

Na versão registrada pelo Rev. Marius Robinson, Truth disse:

Quero dizer umas poucas palavras sobre este assunto. Sou um direito de mulher. [sic] Tenho tantos músculos quanto qualquer homem, e posso trabalhar tanto quanto qualquer homem. Tenho arado e ceifado e cortado e aparado, e pode algum homem fazer mais do que isso? Tenho ouvido falar muito sobre igualdade dos sexos. Posso carregar tanto quanto qualquer homem, e posso comer tanto quanto também, se conseguir o que comer. Sou tão forte quanto qualquer homem.

Quanto ao intelecto, tudo o que posso dizer é, se uma mulher possui uma medida, e um homem possui duas — por que ela não pode ter a sua medidazinha cheia?

Vocês não precisam temer nos dar nossos direitos por medo de que queiramos demais, — porque não poderemos pegar mais do que nossa medida suporta. Os pobres homens parecem estar em total confusão e não sabem o que fazer. Porque, crianças, se têm direitos das mulheres, dêem-nos a elas e irão se sentir melhor. Vocês terão seus próprios direitos e eles não serão um grande problema.

Não sei ler, mas sei ouvir. Ouvi a Bíblia e aprendi que Eva levou o homem a pecar. Bom, se a mulher subverteu o mundo, dêem-lhe a chance de colocá-lo na posição certa de novo. A senhora falou sobre Jesus, de como ele nunca desprezou as mulheres, e ela estava certa. Quando Lázaro morreu, Maria e Marta foram até ele com fé e amor e exortaram-no para que erguesse o irmão delas. E Jesus foi e Lázaro levantou-se.

E como Jesus veio para o mundo? Através de Deus que o criou e da mulher que o deu à luz. Homem, qual foi o seu papel?

Mas as mulheres estão discutindo sob as bênçãos de Deus e uns poucos homens se aproximaram delas. Mas o homem está num espaço apertado, o pobre escravo parte para cima dele, a mulher parte para cima dele, certamente ele está entre um falcão e uma águia.[30]

Em contraste com o relato de Robinson, a versão de Gage de 1863 incluía Truth dizendo que seus 13 filhos foram vendidos como escravos. Acredita-se que Truth teve cinco filhos, com um deles vendido, e nunca se soube que tivesse mais filhos.[29] A lembrança de Gage de 1863 sobre a convenção conflita com seu próprio relato imediatamente após a convenção: Gage escreveu em 1851 que Akron em geral e a imprensa, em particular, eram amplamente amigáveis com a convenção dos direitos da mulher, mas em 1863 ela escreveu que os líderes da convenção temiam os oponentes "turbulentos".[29] Outros relatos de testemunhas oculares do discurso de Truth contaram uma história tranquila, em que todos os rostos estavam "radiantes de alegria" na sessão em que Truth falou; que nem "uma nota discordante" interrompeu a harmonia do processo.[29] Em relatos contemporâneos, Truth foi calorosamente recebida pelos frequentadores da convenção, a maioria dos quais eram abolicionistas de longa data, amigáveis com as ideias progressistas de raça e direitos civis.[29] Na versão de 1863 de Gage, Truth foi recebida com chiados, com vozes chamando para impedi-la de falar.[31] Outras reuniões inter-raciais de mulheres abolicionistas negras e brancas foram de fato recebidas com violência, incluindo o incêndio do Pennsylvania Hall.

De acordo com o relato de Frances Gage em 1863, Truth argumentou: "Aquele homem ali disse que as mulheres precisam ser ajudadas a subir nas carruagens, e suspensas em valas, e ter o melhor lugar em todos os lugares. Ninguém nunca me ajuda a subir nas carruagens, ou sobre poças de lama, ou me dá o melhor lugar! E eu não sou uma mulher?"[32] "Ain't I a Woman" de Truth mostrou a falta de reconhecimento que as mulheres negras receberam durante essa época e cuja falta de reconhecimento continuará a ser vista muito depois de sua época. “As mulheres negras, é claro, eram praticamente invisíveis dentro da prolongada campanha pelo sufrágio feminino”, escreveu Angela Davis, apoiando o argumento de Truth de que ninguém lhe dá “o melhor lugar”; e não só ela, mas as mulheres negras em geral.[33]

Nos dez anos seguintes, Truth falou para dezenas, talvez centenas de audiências. De 1851 a 1853, Truth trabalhou com Marius Robinson, o editor do Ohio Anti-Slavery Bugle, e viajou pelo estado falando. Em 1853, ela falou em uma "mob convention" sufragista no Tabernáculo da Broadway na Cidade de Nova Iorque; naquele ano ela também conheceu Harriet Beecher Stowe.[7] Em 1856, ela viajou para Battle Creek, Michigan, para falar a um grupo chamado "Friends of Human Progress".

Outros discursos[editar | editar código-fonte]

Convenção Abolicionista - c. 1840, Boston, Massachusetts: William Lloyd Garrison convidou Sojourner Truth para fazer um discurso em uma convenção anual contra a escravidão. Wendell Phillips deveria falar depois dela, o que a deixou nervosa, pois ele era conhecido como um bom orador. Então Truth cantou uma canção, "I am Pleading for My people", que era sua própria composição original cantada com a melodia de Auld Lang Syne.[34]

Reunião Campal de Northampton - 1844, Northampton, Massachusetts: Em uma reunião campal em que ela participava como pregadora itinerante, um bando de "jovens rebeldes" interrompeu a reunião, recusando-se a sair e ameaçando queimar as tendas. Truth sentiu medo da invasão e escondeu-se atrás de um baú na sua tenda, pensando que, sendo ela a única pessoa negra presente, a multidão a atacaria primeiro. No entanto, ela raciocinou consigo mesma e resolveu fazer algo: conforme o barulho da multidão aumentava e uma pregadora "tremia na bancada dos pregadores", Truth subiu a uma pequena colina e começou a cantar "em sua maneira mais fervorosa, com toda a força da sua voz mais poderosa, o hino da ressurreição de Cristo ”. Sua canção, "It was Early in the Morning", reuniu os desordeiros e os acalmou. Eles a incentivaram a cantar, pregar e orar para seu entretenimento. Depois de cantar canções e pregar por cerca de uma hora, Truth negociou com eles para irem embora depois de uma última canção. A multidão concordou e deixou a reunião campal.[35]

Mob Convention - 7 de setembro de 1853: Na convenção, os jovens a saudaram com "uma tempestade perfeita", murmurando e resmungando. Em resposta, Truth disse: "Você pode resmungar o quanto quiser, mas as mulheres terão seus direitos de qualquer maneira. Você também não pode nos impedir".[29] Sojourner, como outros oradores públicos, muitas vezes adaptou seus discursos de acordo com a forma como o público estava respondendo a ela. Em seu discurso, Sojourner fala pelos direitos das mulheres. Ela incorpora referências religiosas em seu discurso, principalmente a história de Ester. Ela então prossegue dizendo que, assim como as mulheres nas escrituras, as mulheres de hoje lutam por seus direitos. Além disso, Sojourner repreende a multidão por todos os seus murmúrios e comportamentos rudes, lembrando-os de que Deus diz: "Honre seu pai e sua mãe".[36]

Associação Americana de Direitos Iguais - 9-10 de maio de 1867: Seu discurso foi dirigido à Associação Americana de Direitos Iguais e dividido em três sessões. Sojourner foi recebida com aplausos em voz alta em vez de murmúrios e resmungos, agora que ela tinha uma reputação melhor formada estabelecida. The Call havia anunciado seu nome como um dos principais oradores da convenção.[36]

Na primeira parte de seu discurso, ela falou principalmente sobre os direitos das mulheres negras. Sojourner argumentou que, como a pressão por direitos iguais levou os homens negros a conquistarem novos direitos, agora era o melhor momento para dar às mulheres negras os direitos que elas também merecem. Ao longo de seu discurso, ela continuou enfatizando que "devemos manter as coisas indo enquanto as coisas estão em movimento" e teme que, uma vez que a luta pelos direitos dos negros se estabilize, levará muito tempo para aquecer as pessoas de volta à ideia de que as mulheres de cor têm direitos iguais.[36]

Na segunda sessão do discurso de Sojourner, ela utilizou uma história da Bíblia para ajudar a fortalecer seu argumento a favor da igualdade de direitos para as mulheres. Ela encerrou sua argumentação acusando os homens de serem egocêntricos, dizendo: "O homem é tão egoísta que tem os direitos das mulheres e os seus próprios, e ainda assim não concede os direitos às mulheres. Ele os mantém para si". Para a sessão final do discurso de Sojourner, o centro de suas atenções foi principalmente o direito das mulheres de votar. Sojourner disse ao público que era dona de sua própria casa, assim como outras mulheres, e, portanto, devia pagar impostos. Mesmo assim, elas não puderam votar por serem mulheres. As mulheres negras que eram escravizadas eram obrigadas a fazer trabalhos manuais árduos, como construir estradas. Sojourner argumenta que, se essas mulheres pudessem realizar essas tarefas, deveriam ter permissão para votar, porque certamente votar é mais fácil do que construir estradas.

Oitavo Aniversário da Liberdade Negra - Dia de Ano Novo, 1871: Nesta ocasião, os jornais de Boston relataram que "...raramente há uma ocasião de mais atração ou maior interesse geral. Todos os espaços disponíveis para sentar e ficar em pé estavam lotados".[36] Ela começa seu discurso apresentando um pequeno histórico sobre sua vida. Sojourner conta como sua mãe lhe disse para orar a Deus para que ela pudesse ter bons donos e donas. Ela continua contando como seus donos não foram bons para ela, sobre como ela foi chicoteada por não entender inglês e como ela questionaria Deus por que ele não fez seus donos serem bons para ela. Sojourner admite para o público que ela já odiou os brancos, mas ela diz que quando conheceu seu dono final, Jesus, ela se encheu de amor por todos. Depois que os escravos foram emancipados, ela disse à multidão que sabia que suas orações foram atendidas.

A última parte do discurso de Sojourner traz o foco principal nela. Alguns escravos libertos viviam com a ajuda do governo naquela época, paga pelos contribuintes. Sojourner anuncia que isso não é melhor para as pessoas negras do que para os membros de sua audiência. Ela então propõe que os negros recebam suas próprias terras. Como uma parte da população do Sul continha rebeldes descontentes com a abolição da escravidão, aquela região dos Estados Unidos não era adequada para pessoas negras. Por fim, ela sugere que os negros recebam terras no oeste para construir casas e prosperar.

Segunda Convenção Anual da Associação Americana de Sufrágio Feminino - Boston, 1871: Em um breve discurso, Truth argumentou que os direitos das mulheres eram essenciais, não apenas para seu próprio bem-estar, mas "para o benefício de toda a criação, não apenas das mulheres, mas de todos os homens na face da terra, pois elas são as suas mães".[37]

Sua missão[editar | editar código-fonte]

Foto de um carte-de-visite de uma mulher por volta dos 60 anos, em um vestido longo, tricotando um cachecol ao lado de uma mesa com um vaso de flor. Na parte de baixo da carte, traduzindo de inglês para português, está escrito: Eu vendo a sombra para sustentar a substância. Sojourner Truth.
Carte-de-visite de Truth, vendido para angariar fundos de 1864.

Truth dedicou sua vida a lutar por uma sociedade mais igualitária para os afro-americanos e para as mulheres, incluindo a abolição, o direito de voto e os direitos de propriedade. Ela estava na vanguarda dos esforços para abordar questões de justiça social. Como escreveu a historiadora Martha Jones, "quando mulheres negras como Truth falavam de direitos, elas misturavam suas ideias com desafios à escravidão e ao racismo. Truth contou suas próprias histórias, aquelas que sugeriam que um movimento de mulheres poderia tomar outra direção, uma que defendesse os interesses gerais de toda a humanidade."[38]

Em 1856, Truth comprou um terreno vizinho em Northampton, mas não ficou com a nova propriedade por muito tempo. Em 3 de setembro de 1857, ela vendeu todos os seus bens, novos e antigos, para Daniel Ives e mudou-se para Battle Creek, Michigan, onde se reuniu aos ex-membros do movimento milerita que haviam formado a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Os movimentos antieescravistas começaram cedo em Michigan e Ohio. Aqui, ela também se juntou ao núcleo dos abolicionistas de Michigan, os Progressive Friends, alguns que ela já havia conhecido em convenções nacionais.[11] De 1857 a 1867, Truth viveu no vilarejo da Harmonia, Michigan, uma utopia espiritualista. Ela então se mudou para Battle Creek, Michigan, onde morou em sua casa em 38 College St. até sua morte em 1883.[39] De acordo com o censo de 1860, sua família em Harmonia incluía sua filha, Elizabeth Banks (de 35 anos), e seus netos James Caldwell (escrito incorretamente como "Colvin"; 16 anos) e Sammy Banks (8 anos).[7]

Durante a Guerra Civil, Truth ajudou a recrutar soldados negros para o Exército da União. Seu neto, James Caldwell, alistou-se no 54º Regimento de Massachusetts. Em 1864, Truth foi contratada pela National Freedman's Relief Association em Washington, D.C., onde trabalhou diligentemente para melhorar as condições dos afro-americanos. Em outubro daquele ano, ela se encontrou com o presidente Abraham Lincoln.[7]

Truth recebeu o crédito por escrever uma canção, "The Valiant Soldiers", para o 1º Regimento de Cor de Michigan; foi dito ter sido composto durante a guerra e cantado por ela em Detroit e Washington, D.C. É cantado ao som de "John Brown's Body" ou "The Battle Hymn of the Republic".[40] Embora Truth afirme ter escrito as palavras, ela foi contestada.

Em 1867, Truth mudou-se de Harmonia para Battle Creek. Em 1868, ela viajou para o oeste de Nova Iorque e visitou Amy Post, e continuou viajando por toda a costa leste. Em uma palestra em Florence, Massachusetts, depois de ela ter acabado de retornar de uma viagem muito cansativa, quando Truth foi chamada para falar, ela se levantou e disse: "Crianças, vim aqui como o resto de vocês, para ouvir o que tenho a dizer."[41]

Em 1870, Truth tentou garantir doações de terras do governo federal para ex-escravos, um projeto que ela lutou por sete anos sem sucesso. Enquanto estava em Washington, D.C., ela teve uma reunião com o presidente Ulysses S. Grant na Casa Branca. Em 1872, ela retornou a Battle Creek, tornou-se ativa na campanha de reeleição presidencial de Grant e até tentou votar no dia da eleição, mas foi rejeitada na seção eleitoral.[37]

Truth falou sobre a abolição, os direitos das mulheres, a reforma penitenciária e pregou ao Legislativo de Michigan contra a pena de morte. Nem todo mundo gostou de sua pregação e palestras, mas ela tinha muitos amigos e apoio incondicional entre muitas pessoas influentes na época, incluindo Amy Post, Parker Pillsbury, Frances Gage, Wendell Phillips, William Lloyd Garrison, Laura Smith Haviland, Lucretia Mott, Ellen G. White e Susan B. Anthony.[41]

Enfermidade e morte[editar | editar código-fonte]

Foto de um túmulo com dois vasos de flores e uma bandeira branca ao seu lado. Ao seu redor, há árvores e outros túmulos. Em seu epitáfio, traduzindo de inglês para português, está escrito: Em memória. Sojourner Truth. Nasceu escravizada no Condado de Ulster, Nova Iorque no século 18. Morreu em Battle Creek, Michigan, em 26 de novembro de 1883. Com idade aproximada de 105 anos. "Deus está morto".
Túmulo de Sojourner Truth no cemitério de Oak Hill em Michigan

Truth foi cuidada por duas de suas filhas nos últimos anos de sua vida. Vários dias antes da morte de Sojourner Truth, um repórter veio de Grand Rapids Eagle para entrevistá-la. "Seu rosto estava abatido e emaciado e ela aparentemente sofria de muita dor. Seus olhos estavam muito brilhantes e a mente alerta, embora fosse difícil para ela falar."[7]

Truth morreu no início da manhã de 26 de novembro de 1883, em sua casa em Battle Creek.[42] Em 28 de novembro de 1883, seu funeral foi realizado na Igreja Congregacional-Presbiteriana, oficiado por seu pastor, o reverendo Reed Stuart. Alguns dos cidadãos proeminentes de Battle Creek agiram como carregadores; quase mil pessoas compareceram ao culto. Truth foi enterrada no cemitério Oak Hill da cidade.[43]

Legado[editar | editar código-fonte]

Monumentos e estátuas[editar | editar código-fonte]

Muitos memoriais foram erguidos em homenagem à Sojourner Truth, comemorando sua vida e obra. Isso inclui placas memoriais, bustos e estátuas em tamanho real.

Michigan[editar | editar código-fonte]

O primeiro marcador histórico em homenagem a Truth foi estabelecido em Battle Creek, Michigan, em 1935, quando um memorial de pedra foi colocado na Stone History Tower, no Monument Park. Em 1976, o estado de Michigan reconheceu ainda mais seu legado ao nomear a Interestadual 194 no condado de Calhoun, Michigan, como Sojourner Truth Downtown Parkway.[44]

1999 marcou o bicentenário estimado do nascimento de Sojourner. Para homenagear a ocasião, uma escultura gigantesca da Sojourner Truth[45] feita por Tina Allen foi adicionado ao Monument Park em Battle Creek. O monumento Sojourner de 3,5 metros de altura é fundido em bronze.[46]

Ohio[editar | editar código-fonte]

Em 1981, um marcador histórico de Ohio foi revelado na Universalist "Old Stone" Church em Akron, Ohio, onde Truth fez seu famoso discurso em em 29 de maio de 1851.[47]

Nova Iorque[editar | editar código-fonte]

Em 1983, uma placa em homenagem a Sojourner Truth foi inaugurada em frente ao histórico Tribunal do Condado de Ulster em Kingston, Nova Iorque. A placa foi dada pelo Comitê do Dia de Sojourner Truth para comemorar o centenário ano de sua morte.[48]

Em 1998, no 150º aniversário da Convenção dos Direitos das Mulheres de Seneca Falls, uma estátua de terracota em tamanho real de Sojourner Truth pelos artistas A. Lloyd Lillie, Jr. e Victoria "Vicki" Guerina foi inaugurada no Women's Rights National Historical Park Visitor's Center.[49] Embora Truth não tenha participado da Convenção de Seneca Falls, a estátua marcou o famoso discurso de Truth em Akron, Ohio, em 1851, e reconheceu seu importante papel na luta pelo sufrágio feminino.

Em 2013, uma estátua de bronze de Sojourner Truth como uma menina de 11 anos foi instalada em Port Ewen, Nova Iorque, onde Truth viveu por vários anos enquanto ainda estava escravizada.[10] A escultura de New Paltz da escultora nova-iorquina Trina Greene, é a única obra de arte pública que retrata Truth quando criança.

Em 2020, uma estátua foi inaugurada no parque Walkway Over the Hudson em Highland, Nova Iorque. Foi criado pelo escultor Yonkers Vinnie Bagwell, encomendado pela Comissão de Sufrágio Feminino do Estado de Nova Iorque.[50] A estátua inclui texto, braile e símbolos. As dobras de sua saia funcionam como uma tela para retratar as experiências de vida de Sojourner, incluindo imagens de uma jovem mãe escravizada consolando seu filho, uma placa de venda de escravos, imagens de seus colegas abolicionistas e um pôster para uma marcha pelo sufrágio feminino.[51][52][53]

Em 26 de agosto de 2020, no 100º aniversário da aprovação da 19ª Emenda à Constituição dos EUA, uma estátua em homenagem a Sojourner Truth, Elizabeth Cady Stanton e Susan B. Anthony foi inaugurada no Central Park na cidade de Nova Iorque.[54] A escultura, intitulada "Monumento às Pioneiras dos Direitos das Mulheres" foi criada pela artista norte-americana Meredith Bergmann. É a primeira escultura no Central Park a retratar mulheres históricas. (Uma estátua da personagem fictícia Alice no País das Maravilhas é a única outra figura feminina retratada no parque).[55] Os planos originais para o memorial incluíam apenas Stanton e Anthony, mas depois que os críticos levantaram objeções à falta de inclusão de mulheres negras, Truth foi adicionado ao projeto.[56][57][58]

Califórnia[editar | editar código-fonte]

Em 1999, Sojourner, uma estátua mexicana de calcário da Sojourner Truth da escultora Elizabeth Catlett, foi inaugurada em Sacramento, Califórnia, na esquina da K com a 13th Street.[59] Foi vandalizado em 2013, onde foi encontrado despedaçado.[60]

Uma estátua de bronze da escultora de San Diego, Manuelita Brown, foi inaugurada em 22 de janeiro de 2015, no campus da Thurgood Marshall College of Law, Universidade da Califórnia, em San Diego, Califórnia. O artista doou a escultura para o colégio.[61][62]

Massachusetts[editar | editar código-fonte]

Em 2002, a estátua Sojourner Truth Memorial, do escultor Thomas "Jay" Warren do Oregon, foi instalada em Florence, Massachusetts, em um pequeno parque localizado na Pine Street e Park Street, onde ela morou por dez anos.[63][64]

Washington, D.C.[editar | editar código-fonte]

Em 2009, um busto de Sojourner Truth foi instalado no Capitólio dos Estados Unidos.[65] O busto foi esculpido pelo famosa artista Artis Lane. Fica no Emancipation Hall do U.S. Capitol Visitor Center. Com esta instalação, Truth se tornou a primeira mulher negra a ser homenageada com uma estátua no edifício do Capitólio.[66]

Outros reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

Em relação à revista Ms., que começou em 1972,[67][68] Gloria Steinem declarou: "Nós íamos chamá-la de Sojourner, em homenagem a Sojourner Truth, mas isso foi percebido como uma revista de viagens."[69]

Truth foi postumamente incluída no National Women's Hall of Fame em Seneca Falls, Nova Iorque, em 1981.[7] Ela também foi indicada para o Michigan Women's Hall of Fame em Lansing, Michigan. Ela fez parte da turma inaugural de iniciados quando o museu foi estabelecido em 1983.[7]

O Serviço Postal dos EUA emitiu um selo postal comemorativo de 22 centavos em homenagem a Sojourner Truth em 1986.[7][70] A arte original foi criada por Jerry Pinkney e apresenta um retrato duplo de Truth. O selo fazia parte da série Black Heritage. O primeiro dia de emissão foi 4 de fevereiro de 1986.[71]

Truth foi incluída em um monumento de "Michigan Legal Milestones" erguido pela Ordem dos advogados do estado de Michigan em 1987, em homenagem ao seu histórico caso judicial.[72]

O calendário dos santos da Igreja Episcopal reconhece anualmente Sojourner Truth, juntamente com Elizabeth Cady Stanton, Amelia Bloomer e Harriet Ross Tubman, em 20 de julho. Ela também é reconhecida individualmente em 26 de novembro.[73][74] O calendário dos santos da Igreja Luterana reconhece Sojourner Truth junto com Harriet Tubman em 10 de março.[75]

Em 2002, o estudioso da Temple University, Molefi Kete Asante, publicou uma lista dos 100 Greatest African Americans, que inclui Sojourner Truth.[76]

Em 2014, o asteroide 249521 Truth foi nomeado em sua homenagem.[77]

Truth foi incluída na lista dos "100 Americanos Mais Importantes" da Smithsonian Institution, publicada em 2014.[4]

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos anunciou em 2016 que uma imagem de Sojourner Truth aparecerá no verso de uma nota de US$10 recém-projetada junto com Lucretia Mott, Susan B. Anthony, Elizabeth Cady Stanton, Alice Paul e a Procissão do Sufrágio Feminino de 1913. Os designs para as novas notas de US$5, US$10 e US$20 foram originalmente programadas para serem reveladas em 2020 em conjunto com o 100º aniversário das mulheres americanas conquistando o direito de votar por meio da Décima Nona Emenda à Constituição dos Estados Unidos.[78]

Em 19 de setembro de 2018, o Secretário da Marinha dos Estados Unidos, Ray Mabus, anunciou o nome do último navio de um contrato de construção de seis unidades como USNS Sojourner Truth (T-AO 210).[79] Este navio fará parte da mais recente classe John Lewis da Fleet Replenishment Oilers, nomeada em homenagem aos heróis dos direitos civis e humanos estadunidenses atualmente em construção na General Dynamics NASSCO em San Diego, CA.[80]

Um Doodle do Google foi apresentado em 1º de fevereiro de 2019, em homenagem a Sojourner Truth.[81] O doodle foi exibido no Canadá, Estados Unidos, Reino Unido, Suíça, Israel, Irlanda e Alemanha.[82]

Em sua primeira partida, em março de 2019, as mulheres da Seleção de Futebol Feminino dos Estados Unidos vestiram, cada uma, uma camisa com o nome de uma mulher que estavam homenageando nas costas; Christen Press escolheu o nome Sojourner Truth.[83]

Obras artísticas[editar | editar código-fonte]

Em 1862, o escultor norte-americano William Wetmore Story fez uma estátua de mármore, inspirada em Sojourner Truth, chamada The Libyan Sibyl.[84] O trabalho foi premiado na Exposição Internacional de Londres. A escultura original foi doada ao Museu Metropolitano de Arte, de Nova Iorque, pela Erving Wolf Foundation em 1978.

Em 1892, o artista de Albion, Frank Courter, foi contratado por Frances Titus para pintar o encontro entre Truth e o presidente Abraham Lincoln que ocorreu em 29 de outubro de 1864.[7]

Em 1945, Elizabeth Catlett criou uma gravura intitulada I'm Sojourner Truth como parte de uma série que homenageia o trabalho das mulheres negras. A gravura faz parte da coleção do Museu Metropolitano de Arte.[85] Mais tarde, ela criou uma estátua em tamanho real de Truth, que foi exibida em Sacramento, Califórnia.

O compositor afro-americano Gary Powell Nash compôs In Memoriam: Sojourner Truth, em 1992.[86]

A teórica feminista e autora bell hooksintitulou seu primeiro grande trabalho de "Ain't I a Woman?" de Truth.[87] O livro foi publicado em 1981.

O governador de Nova Iorque, Mario Cuomo, apresentou uma estátua de dois pés de Sojourner Truth, feita pela escultora nova-iorquina Ruth Inge Hardison, a Nelson Mandela durante sua visita à cidade de Nova Iorque, em 1990.[88]

Bibliotecas, escolas e edifícios[editar | editar código-fonte]

Fotagrafia de uma mulher por volta dos 60 anos em um vestido de gola alta
Sojourner Truth, c. 1864
  • A Sojourner Truth Library da New Paltz State University of New York foi nomeada em homenagem a Truth em 1971.[89]
  • Em 1980, o Inter Cooperative Council da Universidade de Michigan e os residentes da então Lenny Bruce House a renomearam como Sojourner Truth House[90] em sua homenagem.
  • Em 1991, Summit County, Ohio, dedicou o edifício renovado da Danner Press como o Sojourner Truth Building em Akron e revelou o marcador histórico de Ohio reinstalado na parede do edifício.[91][92]
  • The King's College, localizado dentro do Empire State Building na cidade de Nova Iorque, nomeou uma de suas casas como "The House of Sojourner Truth" em 2004.[93]
  • Em reconhecimento de que Truth e seus pais foram escravizados por pessoas relacionadas ao seu primeiro presidente, a Universidade Rutgers rebatizou o College Avenue Apartments para Sojourner Truth Apartments.[94][95]
  • Faculdade Sojourner–Douglass em Baltimore, que fechou em 2019, recebeu o nome de Truth e Frederick Douglass.
  • Em fevereiro de 2020, escolas primárias e K-12 em vários estados receberam o nome de Truth.

Organizações[editar | editar código-fonte]

  • Em 1969, foi estabelecido o grupo político de esquerda Sojourner Truth Organization.
  • Em 1996, a artista visual e ativista comunitária Shonna McDaniels fundou o Sojourner Truth African American (Art) Heritage Museum em South Sacramento, Califórnia (popularmente conhecido como "SOJO" Museum).[96]
  • Em 1998, a Dra. Velma Laws Clay fundou o Sojourner Truth Institute em Battle Creek, para "expandir o conhecimento histórico e biográfico do trabalho de vida de Sojourner Truth e continuar sua missão ensinando, demonstrando e promovendo projetos que acentuam os ideais e princípios pelos quais ela lutou."[97]
  • Sojourner Truth Houses foram estabelecidas em muitas cidades dos EUA para fornecer abrigo e serviços para mulheres que enfrentam a falta de moradia ou violência doméstica. Estes incluem Sojourner Truth Houses em Boston, MA,[98] Providence, RI,[99] e Pittsburgh, PA.[100]

Escritos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Estátua de bronze de Sojourner Truth quando jovem em Esopus, Condado de Ulster
O artista Norman Carton em frente a um mural que ele criou em 1941 como parte de um projeto do Works Progress Administration mostrando Sojourner Truth
Busto de Sojourner Truth em Washington, D.C.

Referências

  1. a b «Sojourner Truth». National Women's History Museum (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 5 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2021 
  2. Louis Gates, Jr. Henry; Smith, Valerie; Andrews, William L., eds. (25 de março de 2014). The Norton Anthology of African American Literature [A Antologia Norton da Literatura Afro-Americana] (em inglês). 1 3ª ed. [S.l.]: W. W. Norton & Company. ISBN 978-0393911558. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2021 
  3. O. Marfil, Jude (28 de abril de 2009). «Sojourner Truth Bust Unveiled in Capitol» [Busto de Sojourner Truth revelado no Capitólio]. Roll Call (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de março de 2021 
  4. a b Frail, T.A. (17 de novembro de 2014). «Meet the 100 Most Significant Americans of All Time» [Conheça os 100 Americanos Mais Significativos de Todos os Tempos]. smithsonianmag.com (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2021 
  5. A figura "dez ou doze" é da seção "Seus irmãos e irmãs" na Narrativa (p. 10 na edição Penguin Classics de 1998 editada por Nell Irvin Painter); também é usado na biografia de Painter, Sojourner Truth: A Life, A Symbol (Norton, 1996), p. 11; e em Carleton Mabee com a biografia de Susan Mabee Newhouse, Sojourner Truth: Slave, Prophet, Legend (New York University Press, 1993), p. 3
  6. Whalin, W. Terry (1997). Sojourner Truth (em inglês). [S.l.]: Barbour Publishing, Inc. ISBN 978-1-59310-629-4 
  7. a b c d e f g h i j k l m «Taking the Name Sojourner Truth» [Adotando o nome Sojourner Truth]. Sojourner Truth Institute site (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 12 de novembro de 1999 
  8. a b c d e f g «Women in History - Sojourner Truth» [Mulheres na História - Sojourner Truth]. Women in History Ohio (em inglês). 27 de fevereiro de 2013. Consultado em 5 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2021 
  9. Gordon-Reed, Annette (Junho de 2021). «Black America's Neglected Origin Stories» [Histórias da Origem Negligenciada da América Negra]. The Atlantic (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2021 
  10. a b Nyquist, Corinne. «On the Trail of Sojourner Truth in Ulster County, New York» [Na trilha de Sojourner Truth no Condado de Ulster, Nova Iorque]. New Paltz (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2012 
  11. a b Washington, Margaret (2009). Sojourner Truth's America (em inglês). Urbana, Illinois: University of Illinois Press. pp. 39–53. ISBN 9780252034190. Cópia arquivada em 23 de setembro de 2021 
  12. a b Yerrinton, J. B. (1850). Gilbert, Olive; D. Weld, Theodore, eds. «The Narrative of Sojourner Truth» [A história de Sojourner Truth]. Digital.library.upenn.edu (em inglês). Cornhill, Boston. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2008 
  13. I. Painter, Nell (17 de outubro de 1997). Sojourner Truth: A Life, a Symbol [Sojourner Truth: Uma vida, Um símbolo] (em inglês). [S.l.]: W. W. Norton & Company. 19 páginas. ISBN 978-0393317084. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2021  e Washington, Margaret (11 de março de 2009). Sojourner Truth's America (em inglês) 1ª ed. [S.l.]: University of Illinois Press. pp. 51–52. ISBN 978-0252034190. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2021 
  14. a b c d e Pasquale, Andrew. «Sojourner Truth». David Ruggles Center for History and Education (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2021 
  15. «Sojourner Truth Biography» [Biografia de Sojourner Truth]. Encyclopedia of World Biography (em inglês). Advameg, Inc. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2021 
  16. «Slavery and Indentured Servants: Law Library of Congress» [Escravidão e Servidores Contratados: Biblioteca Jurídica do Congresso]. Biblioteca do Congresso (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2008 
  17. Hernandez, Miguel (23 de dezembro de 2019). «The Prophet Matthias and Elijah the Tishbite» [O Profeta Matias e Elias, o Tishbita]. New York Almanack (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  18. Michals, Debra, ed. (2015). «Biography: Sojourner Truth» [Biografia: Sojourner Truth]. National Women's History Museum (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2021 
  19. «Sojourner Truth». Public Broadcasting Service (PBS) (em inglês). 2003. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2004 
  20. I. Painter, Nell (1996). Sojourner Truth - A Life, A Symbol [Sojourner Truth - Uma Vida, Um Símbolo]. Nova Iorque: W.W. Norton & Company. p. 73. ISBN 978-0393027396. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 23 de janeiro de 2021. (pede registo (ajuda)) 
  21. Benowitz, June M. (2017). «Truth, Sojourner (ca. 1797–1883)». Encyclopedia of American Women and Religion [Enciclopédia de Mulheres Americanas e Religião] (em inglês) 2ª ed. ABC_CLIO. pp. 603–604. ISBN 9781440839870. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2021 
  22. Cervenak, Sarah J. (2012). «Gender, Class, And the Performance of a Black (Anti) Enlightenment- Resistances of David Walker and Sojourner Truth» [Gênero, classe e desempenho de um (anti) Iluminismo negro - As lutas de David Walker e Sojourner Truth] 1ª ed. Palimpsest: A Journal on Women, Gender, and the Black International (em inglês). 1: 68-86. doi:10.1353/pal.2012.0010. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de março de 2021 
  23. I.Painter, Nell (1998). «Introduction: Narrative of Sojourner Truth» [Introdução: A história de Sojourner Truth]. Narrative of Sojourner Truth (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2021 
  24. Clark, Christopher (1995). The Communitarian Moment: The Radical Challenge of the Northampton Association [O Momento Comunitário: O Desafio Radical da Associação de Northampton] (em inglês). [S.l.]: Cornell University Press. p. 2. ISBN 0-8014-2730-4. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2021 
  25. Grigsby, Darcy G. (2015). «Capítulo 5». Enduring Truths: Sojourner's Shadows and Substance [Verdades Duradouras: As sombras e as substâncias de Sojourner] (em inglês). Chicago: University of Chicago Press. ISBN 9780226257389. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2021 
  26. King, Jeannine (2015). «I am not here» [Eu não estou aqui]. In: Hill, Melvin. Existentialist Thought in African American Literature before 1940 [O Pensamento Existencialista na Literatura Afro-Americana antes de 1940] (em inglês). [S.l.]: Lexington Books. p. 26. ISBN 9781498514811. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2021 
  27. «Women's Rights Convention: Sojourner Truth» [Convenção dos Direitos da Mulher: Sojourner Truth.]. Anti-Slavery Bugle (em inglês). Lisbon, Ohio. 21 de junho de 1851. p. 160. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2021 – via "Cronizando a América: Jornais Americanos Históricos", Biblioteca do Congresso 
  28. Craig, Maxine L. (2002). Ain't I a Beauty Queen?: Black Women, Beauty, and the Politics of Race [Não sou uma Rainha da Beleza ?: Mulheres Negras, Beleza e Política de Raça] (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press USA. p. 7. ISBN 9780195152623. doi:10.1093/acprof:oso/9780195152623.001.0001 
  29. a b c d e f Mabee, Carleton (1 de março de 1995). Sojourner Truth: Slave, Prophet, Legend [Sojourner Truth: Escrava, Profeta, Lenda] (em inglês). [S.l.]: NYU Press. pp. 67–68. ISBN 978-0814755259. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2021 
  30. «Why is there more than one version of Sojourner Truth's famous 1851, "Ain't I a Woman" speech?» [Por que existe mais de uma versão do famoso discurso de 1851 de Sojourner Truth, "Ain't I a Woman"?]. The Sojourner Truth Project (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2017 
  31. Stanton, Elizabeth C.; Anthony, Susan B.; Gage, Matilda J., eds. (1889). History of Woman Suffrage [História do sufrágio feminino] (em inglês). 1 2ª ed. Rochester, N.Y: Susan B. Anthony. pp. 115–116. LCCN 93838249. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 17 de março de 2015 
  32. «Sojourner Truth: Ain't I a Woman? speech (1851)» [Sojourner Truth: Discurso "E eu não uma mulher?" (1851)] (PDF). thehermitage.com (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 10 de dezembro de 2021 
  33. Davis, Angela (1981). Mulheres, Raça e Classe. [S.l.]: Vintage Books A Division of Random House. p. 140. ISBN 978-85-7559-503-9 
  34. «Sojourner Truth. An Interesting Talk with this Famous Colored Woman» [Sojourner Truth. Uma conversa interessante com esta famosa mulher de cor]. Chicago Daily Inter-Ocean (em inglês). 13 de agosto de 1879 
  35. Gilbert, Olive; Titus, Frances W. (1875). Narrative of Sojourner Truth; A Bondswoman of Olden Time [História de Sojourner Truth; Uma serva dos tempos antigos] (em inglês). Boston: University of California Libraries 
  36. a b c d Montgomery, Janey W. (1968). A Comparative Analysis of the Rhetoric of Two Negro Women Orators—Sojourner Truth and Frances E. Watkins Harper [Uma análise comparativa da retórica de duas oradoras negras - Sojourner Truth e Frances E. Watkins Harper] (em inglês). Hays, Kansas: Fort Hays Kansas State College. pp. 25–103. Cópia arquivada em 20 de março de 2020 
  37. a b Baker, Jean H. (2002). Votes for Women: The Struggle for Suffrage Revisited [Votos para mulheres: a luta pelo sufrágio revisitada] (em inglês). Nova Iorque: Oxford University Press. p. 52. ISBN 9780198029830. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2021 
  38. Jones, Martha S. (10 de setembro de 2020). «'I Am Women's Rights': How Sojourner Truth Advocated for Black Women» ["Eu sou os direitos das mulheres": como a Sojourner Truth advogou pelas mulheres negras]. Jezebel (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2021 
  39. Buckley, Nick (16 de janeiro de 2020). «The rise and fall of Harmonia, a Spiritualist utopia and home to Sojourner Truth» [A ascensão e queda de Harmonia, uma utopia espiritualista e lar da Sojourner Truth]. Battle Creek Enquirer (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2021 
  40. «Narrative of Sojourner Truth; a Bondswoman of Olden Time» [História de Sojourner Truth; uma escrava dos velhos tempos]. Documenting the American South (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2002 
  41. a b «Sojourner Truth page» [Página de Sojourner Truth]. Sojourner Truth Biography (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2005 
  42. «Today in History – November 26» [Hoje na História - 26 de novembro]. Biblioteca do Congresso (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  43. Titus, Frances. «Narrative of Sojourner Truth» [A história de Sojourner Truth]. Mocavo (em inglês) 1884 ed. pp. 7, 9–10. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 24 de novembro de 2015 
  44. «Interstate 194 & M-66 – Battle Creek – AARoads – Michigan». AARoads (em inglês). 26 de outubro de 2013. Consultado em 10 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2021 
  45. «Sojourner Truth» (PDF) 30ª ed. Eos Transactions (em inglês). 76: 298. Bibcode:1995EOSTr..76R.298.. doi:10.1029/95eo00179. Consultado em 10 de dezembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 25 de fevereiro de 2021 
  46. «Monument Park». Historical Society of Battle Creek (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2021 
  47. Allender, Mark. «Site of Sojourner Truth's 'Ain't I A Woman' Speech» [Site do discurso "Ain't I A Woman" de Sojourner Truth]. Atlas Obscura (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 3 de julho de 2017 
  48. «Sculptor chosen for Sojourner Truth monument at Walkway Over the Hudson» [Escultor escolhido para o monumento de Sojourner Truth na Walkway Over the Hudson]. Daily Freeman (em inglês). 12 de março de 2019. Consultado em 28 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 23 de março de 2021 
  49. «Statues in Women's Rights National Historical Park, Seneca Falls, New York» [Estátuas no Women's Rights National Historical Park, Seneca Falls, Nova Iorque]. A Vindication of the Rights of Mary (em inglês). 8 de julho de 2011. Consultado em 28 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2012 
  50. «Do You Know Sojourner Truth?» [Você conhece Sojourner Truth?]. NY States Parks & Historic Sites (em inglês). 18 de agosto de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2020 
  51. «Sojourner Truth Statue Unveiled at Ulster Welcome Center Plaza» [Estátua de Sojourner Truth é revelada no Ulster Welcome Center Plaza]. walkway.org (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2022 
  52. NY States Parks (14 de dezembro de 2020). Have you met Sojourner Truth? [Você já conheceu Sojourner Truth?] (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2020 – via Youtube 
  53. «Sojourner Truth statue unveiled at Walkway Over the Hudson» [Estátua de Sojourner Truth inaugurada na Walkway Over the Hudson]. Daily Freeman (em inglês). 26 de agosto de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2020 
  54. Lewis, Sophie (26 de agosto de 2020). «Central Park unveils statue of women's rights pioneers — its first statue of real-life women» [O Central Park inaugura a estátua das pioneiras dos direitos das mulheres - sua primeira estátua de mulheres na vida real]. CBS News (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2020 
  55. Levenson, Eric; Sambou, Tawanda S.; Brunswick, Deborah (26 de agosto de 2020). «Central Park is unveiling a statue of women's rights pioneers. It's the park's first statue of real women» [O Central Park está inaugurando uma estátua das pioneiras dos direitos das mulheres. É a primeira estátua de mulheres reais do parque]. CNN (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2020 
  56. Haigh, Susan; Frederick, Joseph (21 de novembro de 2019). «Sculptor crafting first women's statue for Central Park» [Escultor está fazendo a primeira estátua de uma mulher para o Central Park]. AP News (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2020 
  57. Thompson, Erin (25 de agosto de 2020). «The Problem With NYC's New Women's Rights Monument» [O problema com o novo monumento dos direitos das mulheres em Nova Iorque]. The Nation (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2020 
  58. Jones, Martha S. (22 de março de 2019). «How New York's new monument whitewashes the women's rights movement» [Como o novo monumento de Nova Iorque mata o movimento pelos direitos das mulheres]. The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 22 de março de 2019 
  59. Barrow, Genoa (20 de outubro de 1999). «'Sojourner' Sculptor Honored: Sojourner Truth was 'a Heroine of Mine' Artist Elizabeth Catlett Says» [Escultura "Sojourner" homenageada: Sojourner Truth era "uma heroína minha', diz a artista Elizabeth Catlett]. Sacramento Observer (em inglês) – via ProQuest 
  60. Harvey, Antonio (6 de maio de 2013). «Local Artists Join with Arts Organization to Restore Sculpture by Black Artist» [Artistas locais unem-se à organização de artes para restaurar a escultura de uma artista negra]. The Sacramento Observer (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  61. «Sojourner Truth Statue in San Diego» [Estátua de Sojourner Truth em San Diego]. WWP (em inglês). 1 de outubro de 2019. Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2020 
  62. «Enriching Our Campus Climate through Art» [Enriquecendo o clima do nosso campus por meio da arte]. Chancellor Khosla (em inglês). 23 de janeiro de 2015. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  63. «Northampton Dedicates Sojourner Truth Statue» [Northampton dedica estátua à Sojourner Truth]. Mass Moments (em inglês). 4 de outubro de 2002. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 21 de junho de 2018 
  64. «Memorial Statue» [Estátua Memorial]. Sojourner Truth Memorial Committee (em inglês). 11 de fevereiro de 2013. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 14 de julho de 2018 
  65. «Pelosi Remarks at Sojourner Truth Bust Unveiling» [Observações de Pelosi na revelação do busto de Sojourner Truth]. PRNewswire (em inglês). 22 de março de 2012. Consultado em 7 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 22 de março de 2012 
  66. «Sojourner Truth Bust» [Busto de Sojourner Truth]. Architect of the Capitol (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 31 de maio de 2016 
  67. «About Ms.» [Sobre a Ms.]. msmagazine.com (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2022 
  68. «Who Is Gloria?» [Quem é Glória?]. GS (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2014 
  69. Gloria: In Her Own Words [Glória: Em Suas Próprias Palavras] (documentário de 2011, dirigido por Peter Kunhardt) Cópia arquivada no Wayback Machine
  70. Catálogo Scott nº 2203, primeiro dia de emissão em 4 de fevereiro de 1986.
  71. «Black Heritage: Sojourner Truth» [Herança negra: Sojourner Truth]. Smithsonia — National Postal Museum (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  72. «Michigan Legal Milestones: 6. Sojourner Truth» [Marcos legais de Michigan: 6. Sojourner Truth]. Michbar.org (em inglês). 29 de maio de 1997. Consultado em 22 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 10 de novembro de 2013 
  73. «Truth, Sojourner». The Episcopal Church (em inglês). 22 de maio de 2012. Consultado em 22 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2022 
  74. Lesser Feasts and Fasts 2018 [Pequenas festas e jejuns 2018]. [S.l.]: Church Publishing Incorporated. 2019. 584 páginas. ISBN 9781640652347 
  75. White, Sojourner (2 de fevereiro de 2018). «Sojourner». gather (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  76. Asante, Molefi K. (2002). 100 Greatest African Americans: A Biographical Encyclopedia [100 maiores afro-americanos: uma enciclopédia biográfica] (em inglês). Nova Iorque: Prometheus Books. ISBN 1-57392-963-8 
  77. «Individual Object Observations: Truth» [Observações de Objeto Individual: Truth]. The Minor Planet Center (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 19 de julho de 2014 
  78. «Treasury Secretary Lew Announces Front of New $20 to Feature Harriet Tubman, Lays Out Plans for New $20, $10 and $5» en [O secretário do Tesouro, Lew, anuncia novas notas de US$ 20 para apresentar Harriet Tubman e apresenta planos para novos US$ 20, US$ 10 e US$ 5]. U.S. Department of The Treasury. Washington. 20 de abril de 2016. Consultado em 14 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 13 de agosto de 2016 
  79. «US Navy names two fleet tankers after civil and human rights icons» [Marinha dos EUA nomeia dois navios-tanque em homenagem a ícones civis e de direitos humanos]. Naval Today (em inglês). 20 de setembro de 2016. Consultado em 14 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2021 
  80. Chakraborthy, Srijanee (3 de julho de 2016). «General Dynamics awarded $640m contract to build fleet oilers for US Navy» [General Dynamics recebe contrato de US$640 milhões para construir petroleiros de frota para a Marinha dos EUA]. Naval Technology (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2021 
  81. Vagianos, Alanna (1 de fevereiro de 2019). «Google Celebrates First Day Of Black History Month With Sojourner Truth Doodle» [Google celebra o primeiro dia do mês da história negra com o Doodle de Sojourner Truth]. HuffPost (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de março de 2021 
  82. «Celebrating Sojourner Truth» [Celebração da vida de Sojourner Truth]. Google (em inglês). 1 de fevereiro de 2019. Consultado em 12 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2019 
  83. Ennis, Dawn (4 de março de 2019). «Lesbian icons honored with jerseys worn by USWNT» [Ícones lésbicos homenageados com camisetas usadas pelo USWNT]. Outsports (em inglês). Consultado em 25 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de março de 2019 
  84. Stowe, Harriet B. (3 de fevereiro de 2012). «Sojourner Truth, The Libyan Sibyl». The Atlantic (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2013 
  85. «Elizabeth Catlett's I'm Sojourner Truth".» [I'm Sojourner Truth de Elizabeth Catlett]. metmuseum.org (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2022 
  86. jpgadmin (26 de fevereiro de 2003). «Gary Nash». Musicalics (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  87. Lee, Min J, (28 de fevereiro de 2019). «In Praise of bell hooks» [Em louvor em bell hooks]Subscrição paga é requerida. The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 8 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2019 
  88. Roberts, Sam (5 de abril de 2016). «Inge Hardison, Actress and Sculptor of Heroes, Dies at 102» [Inge Hardison, atriz e escultora de heróis, morre aos 102 anos]. The New York Times (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  89. «About Sojourner Truth» [Sobre Sojourner Truth]. Library.newpaltz.edu (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 10 de novembro de 2013 
  90. «Sojourner Truth House». ICC Houses (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Arquivado do original em 23 de setembro de 2017 
  91. «Sojourner Truth Building | Downtown Akron, OH». www.downtownakron.com (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de março de 2021 
  92. «Sojourner Truth Building Dedication in Downtown Akron, 1991». www.summitmemory.org (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2020 
  93. «The House of Truth». tkc.edu (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2020 
  94. «Abolitionist Sojourner Truth and Rutgers' 1st Black Graduate James Carr Have Buildings Named After Them on Campus» [A abolicionista Sojourner Truth e o primeiro negro graduado de Rutgers, James Carr, têm edifícios batizados com o nome deles no campus]. Good Black News (em inglês). 17 de setembro de 2017. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  95. Clark, Adam (10 de fevereiro de 2017). «Rutgers confronts ties to slavery by renaming buildings» [Rutgers confronta os laços com a escravidão renomeando edifícios]. NJ.com. Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2017 
  96. «Displaying art that represents african american history and culture» [Exibição de arte que representa a história e cultura africano-americana]. www.sojoartsmuseum.org (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2016 
  97. «Sojourner Truth Center for Liberation and Justice» [Centro Sojourner Truth para Libertação e Justiça]. Sojourner Truth Institute of Battle Creek (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 1998 
  98. «Sojourner house family homeless shelter Boston» [Sojourner house, abrigo para moradores de rua em Boston]. Sojourner House (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2010 
  99. «Sojourner House: Past, Present, Future» [Sojourner House: Passado, Presente e Futuro]. Sojourner House (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 9 de maio de 2008 
  100. «Sojourner House - History» [Sojourner House - História]. Sojourner House (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de abril de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Sojourner Truth:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata