Solano Ribeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Solano Ribeiro de Faria [1] (São Paulo, 1939 [2]) é um crítico e produtor musical brasileiro.

Em 1957, iniciou o curso de arte dramática na EAD. Interrompeu o curso para se tornar vocalista de uma banda de rock - The Avallons. O grupo teve certo sucesso na cidade, chegando a gravar vários discos. No início dos anos 1960, Solano trabalhou como ator teatral, participando do Teatro de Arena. Em 1963, foi convidado para coordenar a programação da antiga TV Excelsior.[3]

Ainda na década de 1960 Solano Ribeiro idealizou e promoveu a realização dos festivais de Música Popular Brasileira, lançando dezenas de novos talentos e impulsionando a indústria fonográfica no país. Do primeiro festival na TV Excelsior, quando revelou Elis Regina, até os da TV Record, Globo e Tupi, teve a oportunidade de lançar: Edu Lobo, Francis Hime, Maria Odete, Chico Buarque, Nara Leão, Geraldo Vandré, Jair Rodrigues, Martinho da Vila e outros.

Teve como colaboradores, entre outros: Rogério Duprat, Décio Pignatari, Júlio Medaglia, Sérgio Cabral, Chico Anísio, Cesar Camargo Mariano, Flávio Porto (irmão de Sérgio Porto) e o produtor musical Marcos Antonio Riso (que foi trazido do Rio Grande do Sul por Solano e Paulo Machado de Carvalho, diretor da TV Record). A partir de 1969, a TV Record entra em grave crise, e Solano Ribeiro se afasta da emissora. A famosa equipe "A", composta por Antônio Augusto Amaral de Carvalho (filho de Paulo Machado de Carvalho, dono da TV Record), Nilton Travesso, Manoel Carlos (hoje autor de novelas) e Raul Duarte - que recriaram totalmente o Festival da Record, atendendo às exigências e à orientação da ditadura militar -, desfaz-se. A coordenação musical passou a ficar a cargo de Marcos Antonio Riso, seguidor de Solano Ribeiro. O último festival de música da Record, em 1969, lançou os Novos Baianos e teve como vencedor Paulinho da Viola. Luiz Gonzaga Junior, o Gonzaguinha, foi premiado com a melhor letra, para a canção "Moleque".

Como diretor de musicais para TV no Brasil, realizou Disparada, com Geraldo Vandré; Som Livre Exportação (Rede Globo), até hoje recorde de público para musicais em recinto fechado (100 mil espectadores, no Anhembi - São Paulo); A César, coprodução com a TV Manchete, que ganhou o "Tucano de Ouro" e foi eleito o melhor musical no Fest Rio, concorrendo com produções de todo o mundo.

Dirigiu vários documentários para a TV alemã, tendo sido premiado em um importante festival europeu de televisão, na Áustria, pela realização do musical Novos Baianos FC.

Ao voltar da Europa, assumiu o cargo de diretor de programação da Rede Tupi de Televisão, de onde saiu para fundar a Rede Antena 1 de rádio.

Como diretor de comerciais, entre as dezenas de prêmios que conquistou, obteve um Grand Prix pela direção do comercial de lançamento do Tempra para a Fiat. Em 1997, conquistou a "Medalha de Ouro" no Festival de New York, com o filme Mosquito, para a Rádio Antena 1.

Como produtor independente de discos, lançou Olho D'Água, com Marlui Miranda e Egberto Gismonti; O Melhor do Millor, com Millor Fernandes, Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Miele e Ruy Afonso. Em 1997, pela Gravadora Eldorado, lançou o CD Artigo de Luxo, com Pat Escobar.

Participou da realização do Festival da Música Brasileira apresentado pela Rede Globo de Televisão, no ano 2000. Em 2005 foi o diretor geral do Festival Cultura quando criou o Festival de Clips e o Festival Cultura na Internet.

Em 2003, lançou o livro Prepare Seu Coração, um relato da sua carreira como profissional de comunicações.

Trabalha na estruturação de um musical para teatro com o título de Ipanema, no roteiro de longa metragem; O Mercado, cujo pano de fundo é o mundo da propaganda, baseado num conto de sua autoria. Está finalizando um livro de ficção com o título de O Sétimo Dia. [carece de fontes?]

Desde 2006, apresenta o programa Solano Ribeiro e a Nova Música do Brasil, na Rádio Cultura Brasil (AM 1200), em São Paulo.[4]

Referências

  1. Solano Ribeiro. In: Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017.
  2. Carvalho, Tuta. Ninguém faz sucesso sozinho. São Paulo: Escrituras, 2014, p. 160.
  3. Ribeiro, Solano. Prepare seu Coração: a História dos Grandes Festivais. São Paulo: Geração, 2003, pp 29, 36, 43.
  4. Solano Ribeiro comemora 10 anos à frente de programa da Rádio Cultura. Fundação Padre Anchieta, 21 de agosto de 2016.