Solar dos Borges

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.

O Solar dos Borges ou Solar dos Borgas é um conjunto arquitectónico barroco, edificado no século XVII, na freguesia de Reriz, concelho de Castro Daire, Viseu. A fachada frontal está voltada para a mesma rua que o Paço dos Cabides e as traseiras voltadas para a margem do rio Paiva.

O edifício principal, todo edificado em mármore, ergue-se perante um amplo terreiro ajardinado no seu austero estilo barroco. De planta quadrangular, a casa anexa uma capela, uma adega e um moinho.

Na sua fachada frontal, as janelas e a porta principal, caidadas de branco, são emolduradas por colunas rectas e quadrangulares, culminantes em frontões quebrados, cujo centro exibe uma concha em «rocaille», ladeada por duas parras de videira. Sobre o frontão da porta principal exibe-se a enorme pedra de armas da família de morgados.

No segundo andar (o edifício tem três pisos), sobressaem seis varandins de ferro forjado. Sobre a porta de entrada e o seu largo frontão está a varanda do salão nobre, com uma balaustrada em mármore, cujas esquinas são decoradas com figuras de Nossa Senhora.

De cada lado do edifício ergue-se uma torre de planta quadrada, hoje coberta por heras e roseiras, torres estas de três pisos. O seu piso cimeiro constitui o terceiro andar do edifício.

Á casa está anexada uma capela barroca, em mármore, como o resto do conjunto, devota a Nossa Senhora da Conceição. A capela retém uma pequena colecção de arte sacra, com peças datadas do século XVI até meados do século XIX, com destaque para uma figura de Cristo cruxificado de 1713. Em frente da capela ergue-se um lavatório de granito.

Do lado esquerdo do casa estão as cavalariças e uma pequena adega, que se espalha pelo subsolo através de uma cave. Sob o portão de acesso às cavalariças, está colocado outra pedra de armas. O moinho situa-se junto à adega, ladeado por uma nora que roda com as correntes do rio Paiva.

O palácio, mandado edificar pela família Cotinho Borga, família que, na gíria, era apelidada de «Borges», herdou o apelido aos donos e, até hoje, é conhecido como Solar dos Borges.

Ver também[editar | editar código-fonte]