Solidariedade (partido político)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Solidariedade
Solidariedade.JPG
Número eleitoral 77
Presidente Paulo Pereira da Silva
Fundação 25 de outubro de 2012 (6 anos)
Registro 24 de setembro de 2013 (5 anos)[1]
Sede Brasília, DF
Ideologia Social-democracia
Humanismo universalista
Trabalhismo[2][3]
Espectro político Centro [4]
Membros 212,455 filiados[5]
Deputados federais (2018)[6]
14 / 513
Deputados estaduais (2018)[7]
29 / 1 024
Cores      Azul

     Branco      Laranja

Página oficial
www.solidariedade.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Solidariedade (SD) é um partido político brasileiro, aprovado pelo TSE em setembro de 2013, cujo número eleitoral é 77.[8]

Seu presidente nacional e principal articulador é Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, sindicalista e presidente licenciado da Força Sindical.[9] Atualmente, o Solidariedade possui mais de 160 mil membros filiados.[5]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Com boa parte de seus dirigentes advindos do movimento sindical brasileiro, o Solidariedade nasceu alinhado às bandeiras dos trabalhadores do País e dos movimentos sociais.[10]

Dirigentes do Solidariedade pediram seu registro no Tribunal Superior Eleitoral em junho de 2013 e tiveram o partido aprovado em sessão do TSE de 24 de setembro de 2013[10][11][12][13], sob forte questionamento de fraude[14]

Ideologia[editar | editar código-fonte]

A ideologia do Solidariedade é de centro, a centro-esquerda. Fazendo parte dos partidos ditos de "centrão". Essa ideologia se baseia em suas raízes, pois foi fundado por líderes sindicais e dirigentes de movimentos sociais, bem como membros de outros partidos com a ideologia de centro, centro-esquerda e de esquerda.

O Solidariedade luta pelos direitos trabalhistas, humanismo e justiça social, o que o coloca com sua ideologia mais voltada a centro-esquerda.

[15]

Bancada na Câmara Federal[editar | editar código-fonte]

O Solidariedade tem 14 deputados federais [16] eleitos para a legislatura 2019-2022, divididos pelas seguintes regiões: 5 do Norte, 4 do Nordeste, 3 do Sudeste e 2 do Centro-Oeste. Dentre eles há médicos, agrônomos, procuradores, sindicalistas e empresários. Veja a lista de parlamentares do partido na Câmara dos Deputados:

Nome Estado Imagem
Augusto Coutinho

(líder da bancada - 2019)

PE
Augusto Coutinho em outubro de 2017.jpg
Aureo Ribeiro RJ
Deputado Federal Aureo.jpg
Bosco Saraiva AM
Bosco Saraiva (cropped).jpg
Dr Leonardo MT
Dra Marina Santos PI
Dra Vanda Milani AC
Eli Borges TO
Genecias Noronha CE
Gustinho Ribeiro SE
Lucas Vergílio GO
CMMPV - Comissões Mistas Medidas Provisórias (27931839346).jpg
Otaci Nascimento RR
Paulinho da Força SP
Plenário do Senado (34432617052).jpg
Tiago Dimas TO
Zé Silva MG
Zé Silva Congresso (20334248839).jpg

Eleições de 2014[editar | editar código-fonte]

As primeiras eleições do Solidariedade foram as eleições gerais de 2014, nas quais foram votados a presidente da república, os governadores, os senadores, os deputados federais e os deputados estaduais. Na votação para presidente, o Solidariedade apoiou Aécio Neves (PSDB), candidato de oposição governo Dilma Rousseff. No primeiro turno, integrou a coligação Muda Brasil, formada também por PSDB, DEM, PEN, PMN, PTN, PTC, PTB e PTdoB (9 partidos).[17]

Nas eleições de 2014, o Solidariedade lançou poucos candidatos a governador, vice, senador (e suplentes), pois em quase todos os Estados fazia parte de coligações grandes, em que os partidos negociavam entre si os cargos da chapa. O Solidariedade só lançou um candidato a governador e teve somente quatro candidatos a vice-governador. Para o cargo de senador, a sigla tampouco obteve muito espaço nas coligações, logrando apenas um candidato a titular, dois a primeiros suplentes e um a segundo suplente. No Pará havia a possibilidade de o Solidariedade ter uma candidata a senadora e também os suplentes, mas estes foram indeferidos pelo TSE por problemas na documentação.

Os seguintes candidatos foram cadastrados em 2014, alguns aprovados pelo TSE, outros sob análise desse Tribunal.[17]

Apesar de ter só um candidato a governador pela própria sigla, em todas as 27 unidades federativas o Solidariedade apoiou algum candidato ao cargo, direta ou indiretamente. Somente em Rondônia não esteve na coligação majoritária (para governador), porém esteve na coligação proporcional (para deputados) associada ao candidato a governador pelo PSDB.

O partido participou formalmente de dez coligações majoritárias que apoiam candidatos a governadores cujos partidos apoiaram nacionalmente a candidatura de Aécio Neves à Presidência da República: oito do PSDB (AC, MG, MS, PA, PB, SC, SP e PR), um do DEM (BA) e um do próprio Solidariedade (TO).

O Solidariedade apoiou também 12 candidatos de partidos que nacionalmente apoiaram a candidatura de Dilma Roussef (PT) à reeleição: 4 do PMDB (ES, GO, RJ e RN), 2 do PT (CE e PI), 2 do PSD (AP e MT), 2 do PP (AL e RS), 1 do PCdoB (MA) e 1 do PROS (AM). No DF, em PE e em RR o SD apoiou candidatos a governador do PSB e, em SE, apoiou o candidato do PSC (que lançou o Pastor Everaldo a presidente).[17]

Participação do partido nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Imagem Candidato a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos % Colocação
2014
Senador Aécio Neves-2.jpg
Aécio Neves (PSDB) Aloysio Nunes (PSDB) PSDB, PMN, SD, DEM, PEN, PTN, PTB, PTC e PTdoB 51.036.040 48,36
2018
Geraldo Alckmin em agosto de 2017.jpg
Geraldo Alckmin (PSDB) Ana Amélia (PP) PSDB, PP, PR, PRB, PSD, SD, DEM, PTB e PPS 5.096.349 4,76

Referências

  1. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015 
  2. http://www.solidariedade.org.br/o-movimento/ideologia-diretrizes-e-programa-operacional-do-solidariedade/
  3. http://www.solidariedade.org.br/o-movimento/missao-visao-e-valores/
  4. «Paulinho diz que Dilma hoje é sua inimiga e promete apoiar oposição». Folha de S.Paulo. 26 de Setembro de 2013 
  5. a b «Estatísticas do eleitorado». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em Julho de 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. Site do SD - Parlamentares
  7. «Deputados Estaduais Eleitos no País em 2018». G1 
  8. «Informações sobre o Solidariedade». Tribunal Superior Eleitoral 
  9. Apesar de suspeitas, TSE aprova a criação de mais 2 partidos políticos no país - Folha de S.Paulo, 24 de setembro de 2013
  10. a b TSE aprova registro do Solidariedade, TSE, 2013-9, consultado em 25 de setembro de 2013  Verifique data em: |data= (ajuda).
  11. «Diretório Nacional do Solidariedade pede registro de estatuto no TSE», JusBrasil, julho de 2013 .
  12. «Novo partido quer Cid Gomes no comando», O Povo, 2 de setembro de 2013 .
  13. «Enquanto Marina sofre para criar a Rede, novo partido Solidariedade conta os dias para sair do papel», R7, 28 de agosto de 2013 .
  14. Rocha, Marcelo (3 ago 2018), «Tutorial da fraude», Abril, Veja, consultado em 8 de abril de 2019 .
  15. 'Solidariedade' mais perto do PT - Rede Bom Dia, 09 de janeiro de 2013
  16. «Lista de deputados Câmara dos Deputados». Câmara dos Deputados. 08052019. Consultado em 08052019  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  17. a b c «TSE - Estatísticas Eleitorais 2014». TSE. Consultado em 10 de outubro de 2014 
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.