Solução sólida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde janeiro de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde janeiro de 2014). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

Uma solução sólida é uma mistura em estado sólido de dois ou mais componentes que constituem uma fase única. Geralmente se refere a materiais metálicos em que os elementos em menor concentração (solutos), por estarem abaixo do limite de solubilidade, não perturbam a estrutura do elemento em maior concentração (solvente). É diferente de um composto sólido ou liga metálica, os quais apresentam diversas fases no seu interior.

As soluções sólidas metálicas podem ser substitucionais ou intersticiais.

Soluções sólidas substitucionais[editar | editar código-fonte]

Ocorrem quando o soluto ocupa os mesmos sítios que o solvente no reticulado cristalino. Exemplos de soluções sólidas substitucionais são as ligas de bronze (cobre/estanho) e latão (cobre/zinco). No latão o cobre com raio atômico de 0,1278 nm é substituído pelo átomo de zinco com 0,139 nm, nesta liga o zinco pode substituir até 40% do cobre, mantendo a estrutura CFC (Cúbica de Face Centrada).

Soluções sólidas intersticiais[editar | editar código-fonte]

Ocorrem quando um soluto de menor raio atômico que o solvente ocupa sítios intersticiais no reticulado cristalino. Um dos exemplos mais utilizados é a fase ferrita, constituinte da liga de aço, na qual adiciona-se carbono ao ferro para gerar um aumento na resistência mecânica.

Referências

  • Callister, William D. Jr. (2006). Materials Science and Engineering: An Introduction, 7th edition, New York: John Wiley & Sons. ISBN 0-471-73696-1.