Something to Talk About

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Something to Talk About
Cartaz promocional
No Brasil O Poder do Amor
Em Portugal Amor e Mentiras
 Estados Unidos
1995 •  cor •  105[1] min 
Direção Lasse Hallström
Produção Goldie Hawn
Anthea Sylbert
Paula Weinstein
Roteiro Callie Khouri
Elenco Julia Roberts
Robert Duvall
Gena Rowlands
Kyra Sedgwick
Dennis Quaid
Gênero comédia dramático-romântica
Música Hans Zimmer
Graham Preskett
Cinematografia Sven Nykvist
Edição Mia Goldman
Distribuição Warner Bros.
Lançamento Estados Unidos 4 de agosto de 1995
Brasil 12 de janeiro de 1996[2]
Idioma inglês
Orçamento US$ 30 milhões
Receita US$ 77,3 milhões[3]

Something to Talk About (bra: O Poder do Amor[4]'; prt: Amor e Mentiras[5]) é um filme estadunidense de 1995, do gênero comédia dramático-romântica, dirigido por Lasse Hallström, com roteiro de Callie Khouri.[4]

Inicialmente o título seria Grace Under Fire, mas foi alterado para não haver confusão com a telessérie homônima.[6]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Categoria Recipiente Resultado
Globo de Ouro 1995 Melhor ator coadjuvante Kyra Sedgwick Indicado[7]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Grace (Julia Roberts) descobre que seu marido, Eddie (Dennis Quaid), está tendo um caso com outra mulher. Depois de um confronto descontroladamente público com Eddie e sua amante, Grace embala sua filha e volta para casa para a fazenda de cavalos de seus pais para se resguardar. Para sua surpresa e desalento, todos ao seu redor ainda estão atolados em ideais antiquados e acreditam que ela deveria perdoar e esquecer a indiscrição de Eddie. Sua irmã, Emma Rae (Kyra Sedgwick), que está furiosa com Eddie também não está disposta a deixar Grace fingir que isso surgiu do nada, ou que ela não fez escolhas que levaram à situação atual dela. Eddie também confronta Grace sobre sua retirada de sua vida, ou seus sentimentos de abandono depois do que começou como um casamento afetuoso e amoroso. Seu pai (Robert Duvall) sente que o caso todo está arrastando o foco de uma competição de saltos a cavalo, mas ele e a mãe de Grace, Georgia (Gena Rowlands), enfrentam seus próprios problemas com a fidelidade.

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu críticas mistas. O Rotten Tomatoes relata que 39% dos críticos, com base em uma amostra de 28 críticos, fizeram uma análise positiva. A média desses críticos é 5.4/10.[8]

Referências

  1. «Something to Talk About (15)». British Board of Film Classification. 5 de setembro de 1995. Consultado em 1 de novembro de 2016 
  2. «'O Poder do Amor' é 'Dallas" com causa». Folha de S.Paulo. 12 de janeiro de 1996. Consultado em 4 de março de 2018 
  3. http://www.the-numbers.com/movie/Something-to-Talk-About
  4. a b «O Poder do Amor». Brasil: CinePlayers. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  5. «Amor e Mentiras». Portugal: SapoMag. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  6. «O Poder do Amor». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  7. «Winners & Nominees 1996». GoldenGlobes.com. Consultado em 24 de outubro de 2020 
  8. «Something to Talk About (1995)». Rotten Tomatoes. Consultado em 15 de fevereiro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.