Soneto 18

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Soneto 18

Shall I compare thee to a summer's day?
Thou art more lovely and more temperate;
Rough winds do shake the darling buds of May,
And summer's lease hath all too short a date;
Sometime too hot the eye of heaven shines,
And often is his gold complexion dimm'd;
And every fair from fair sometime declines,
By chance or nature's changing course untrimm'd;
But thy eternal summer shall not fade,
Nor lose possession of that fair thou ow'st;
Nor shall Death brag thou wander'st in his shade,
When in eternal lines to time thou grow'st:
So long as men can breathe or eyes can see,
So long lives this, and this gives life to thee.

–William Shakespeare

O Soneto 18 está entre os mais famosos e conhecidos dos 154 sonetos de William Shakespeare. A maioria dos estudiosos concordam que o destinatário verdadeiro do poema, o amante do eu-lírico, a quem o poeta está escrevendo, é um homem, embora o poema é comumente usado para descrever uma mulher. No soneto, o eu-lírico compara o seu amor com um tempo de verão, e argumenta que o seu amor é melhor que o verão. Ele também afirma que o seu amante viverá para sempre através das palavras do poema. Os estudiosos descobriram paralelos entre esse soneto e os poemas Tristia e Amores de Ovídio. Várias exegeses revelaram vários duplos sentidos dentro do poema, dando-lhe uma maior profundidade de interpretação.

Traduções[editar | editar código-fonte]

Fac-símile da impressão original do Soneto 18.

Na tradução de Arnaldo Poesia, houve o cuidado e a preservação de manter o destinatário como uma pessoa do sexo masculino:

Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno
Às vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes obscurece com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na eterna mutação da natureza.
Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás exausta ao triste inverno:
Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos ardentes te farão viver.[1]

Na tradução de Thereza Christina Roque da Motta, a tradutora preferiu que o destinatário fosse uma mulher:

Como hei de comparar-te a um dia de verão?
És muito mais amável e mais amena:
Os ventos sopram os doces botões de maio,
E o verão finda antes que possamos começá-lo:
Por vezes, o sol lança seus cálidos raios,
Ou esconde o rosto dourado sob a névoa;
E tudo que é belo um dia acaba,
Seja pelo acaso ou por sua natureza;
Mas teu eterno verão jamais se extingue,
Nem perde o frescor que só tu possuis;
Nem a Morte virá arrastar-te sob a sombra,
Quando os versos te elevarem à eternidade:
Enquanto a humanidade puder respirar e ver,
Viverá meu canto, e ele te fará viver.[2]

Contexto[editar | editar código-fonte]

O poema é parte da sequência "Fair Youth" (a qual inclui os sonetos 1 a 126 ordenados como na primeira edição de 1609). É também o primeiro do ciclo depois da introdução da sequência agora conhecida como Procreation sonnets, apesar de alguns estudantes o verem como parte da "Procreation sonnets", pois ainda aborda a idéia de alcançar a vida eterna pela palavra escrita, que é o tema dos sonetos 15 a 17. Desta maneira pode ser visto como parte da transição do tempo do tema do sonnet 20.[3]Existem algumas teorias sobre a enigmática identidade, à qual o Quarteto de 1609 foi dedicado,que é o Mr. W.H. Alguns estudantes afirmam que este poema pode expressar uma esperança que a Procreation sonetts desmonstra: a esperança da procriação metafórica numa relação homossexual.[4] Outros estudantes referem que a ordem na qual os sonetos se encontram, pode ter sido uma decisão dos publicadores e não do próprio Shakespeare. Assim introduz-se a possbilidade de que o Soneto 18 foi originalmente dedicado a uma mulher.[5]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

[[:Ficheiro:|]]
[[Ficheiro:|220px|noicon|alt=]]

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.
Syllabic structure of a line of Sonnet 18[6]
Stress x / x / x / x / x /
Syllable Thou art more love- ly and more temp- pe- rate

Tradução Sonnet 18 é uma soneto de Shakespeare ou Inglês típicos. É composto de três quartetos seguidos por um dístico e tem o esquema rima característica: abab cdcd efef gg. O poema leva o significado de um Sonnet italiano ou Petrarchan. sonetos Petrarchan normalmente a amor e da beleza Exame de um ente querido, uma amor inatingível Frequentemente, mas não sempre. [6] Também contém uma volta, ou mudança no assunto do poema, começando com a terceira quadra. [7]

Exegeses[editar | editar código-fonte]

"Cor da pele" na linha seis pode ter dois significados: 1) A aparência externa do rosto em comparação com o sol ("o olho do céu") na linha anterior, ou 2) o sentido mais antigo da palavra em relação a Os quatro humores. No tempo de Shakespeare, "tez" carregava significados externos e internos, assim como a palavra "temperado" (externamente, uma condição climática; internamente, um equilíbrio de humores). O segundo significado de "cor da pele" comunicaria que a disposição interior, alegre e temperada do amado às vezes é apagada como o sol em um dia nublado. O primeiro significado é mais óbvio, o que significa uma mudança negativa em sua aparência externa. [9]

A palavra "sem guarnição" na linha oito pode ser tomada de duas maneiras: primeiro, no sentido de perda de decoração e babados, e segundo, no sentido de velas não guarnecidas em um navio. Na primeira interpretação, o poema diz que coisas bonitas naturalmente perdem sua fantasia com o tempo. No segundo, lê-se que a natureza é um navio com velas não ajustadas às mudanças do vento, a fim de corrigir o rumo. Isso, em combinação com as palavras "curso de mudança da natureza", cria um oxímoro: a mudança imutável da natureza, ou o fato de que a única coisa que não muda é a mudança. Essa linha do poema cria uma mudança da mutabilidade das oito primeiras linhas para a eternidade das últimas seis. Tanto a mudança quanto a eternidade são então reconhecidas e desafiadas pela linha final. [6]

"Ow'st" na linha dez também pode ter dois significados igualmente comuns na época: "ownest" e "owest". Muitos leitores a interpretam como "proprietária", assim como muitos glosses de Shakespeare ("devo" nos dias de Shakespeare, às vezes era usado como sinônimo de "própria"). No entanto, "owest" oferece uma visão interessante sobre o texto. Ele transmite a idéia de que a beleza é algo emprestado da natureza - que deve ser recompensado à medida que o tempo avança. Nesta interpretação, "justo" pode ser um trocadilho com "tarifa", ou a tarifa exigida pela natureza para a jornada da vida. [10] Outros estudiosos apontaram que esse tema de empréstimos e empréstimos no poema é verdadeiro tanto para a natureza quanto para a humanidade. Diz-se que o verão, por exemplo, tem um "contrato" com "uma data muito curta". Esse tema monetário é comum em muitos dos sonetos de Shakespeare, pois era um tema cotidiano em sua sociedade capitalista em expansão. [11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Sonetos de William Shakespeare Arquivado em 9 de fevereiro de 2011, no Wayback Machine.. Acesso: 18 de dezembro, 2010.
  2. Thereza Christina Rocque da Motta (tradutora), SHAKESPEARE, William. 154 Sonetos. Em Comemoraçao Aos 400 Anos Da 1ª Ediçao 1609-2009. Editora Ibis Libris, 1ª edição, 2009. ISBN 85-7823-026-4
  3. Shakespeare, William et al. The Sonnets. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. pg. 130 ISBN 0-521-29403-7
  4. Neely, Carol Thomas (1978). «The Structure of English Renaissance Sonnet Sequence». ELH, Vol. 45, No. 3. ELH. 45 (3): 359–389. doi:10.2307/2872643 
  5. Schiffer, James. Shakespeare's Sonnets. New York: Garland Pub, 1999. pg. 124. ISBN 0-8153-2365-4
  6. Simpson, Paul. Stylistics. New York: Routledge, 2004. pg. 27. ISBN 0-415-28105-9
  • Alden, Raymond. The Sonnets of Shakespeare, with Variorum Reading and Commentary. Boston: Houghton-Mifflin, 1916.
  • Baldwin, T. W. On the Literary Genetics of Shakspeare's Sonnets. Urbana: University of Illinois Press, 1950.
  • Booth, Stephen. Shakespeare's Sonnets. New Haven: Yale University Press, 1977.
  • Dowden, Edward. Shakespeare's Sonnets. London, 1881.
  • Hubler, Edwin. The Sense of Shakespeare's Sonnets. Princeton: Princeton University Press, 1952.
  • Schoenfeldt, Michael (2007). The Sonnets: The Cambridge Companion to Shakespeare’s Poetry. Patrick Cheney, Cambridge University Press, Cambridge.
  • Tyler, Thomas (1989). Shakespeare’s Sonnets. London D. Nutt.
  • Vendler, Helen (1997). The Art of Shakespeare's Sonnets. Cambridge: Harvard University Press.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]