Sony Music Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sony Music Brasil
Empresa detentora Sony Music Entertainment
Fundação 1961
Fundador(es) Paulo Junqueiro
Gênero(s) Variados
País de origem  Brasil
Localização R. Lauro Müller, 116 - 40º Andar - Botafogo, Rio de Janeiro, RJ
Página oficial www.sonymusic.com.br

A Sony Music Brasil é a divisão brasileira da Sony Music, gravadora global de música, fundada em 1961, com um casting que abriga grandes artistas do cenário nacional, de diversos gêneros.

Atualmente, fazem parte da gravadora nomes como Zé Vaqueiro, Roberto Carlos, Capital Inicial, Skank, Pabllo Vittar, Karol Conká, Jota Quest, Vanessa da Mata, Martinho da Vila, Emicida, Mallu Magalhães, Natiruts, Preta Gil, Gusttavo Lima, Lito Atalaia, Marcos & Belutti entre muitos outros.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

A Sony Music é a casa de gravadoras que representam músicas de todos os estilos, incluindo Arista Nashville, Beach Street Records, Black Butter Records, Bertelsmann Music Group, Bystorm Entertainment, Century Media, Columbia Nashville, Columbia Records, Day 1, Descendant Records, Disruptor Records, Epic Records, Essential Records, Essential Worship, Flying Buddha, Fo Yo Soul Recordings, House of Iona Records, Insanity Records, Kemosabe Records, Latium Entertainment, Legacy Recordings, Louder Than Life, Masterworks, Masterworks Broadway, OKeh, Polo Ground Music, Portrait, RCA Inspiration, RCA Nashville, RCA Records, Relentless Records, Reunion Records, Sony Classical, Sony Music Latin, Star Time International, Syco, Vested in Culture e Volcano.

A divisão brasileira da companhia global Sony Music tem, em sua trajetória de mais de 40 anos, memoráveis discos de artistas consagrados como Roberto Carlos, Raul Seixas, Lulu Santos, Banda Calypso, Planet Hemp, Arlindo Cruz, Zezé Di Camargo e Luciano, entre outros.

O cantor Roberto Carlos iniciou na gravadora na década de 60, e é o artista mais antigo da Sony no Brasil. Em 1994, Roberto Carlos ultrapassou os Beatles na América do Sul, com mais de 120 milhões de unidades vendidas pela gravadora.

Em 2007, a Sony iniciou a comercialização de músicas em formato digital, a organização de shows no Brasil e a divulgação de artistas em mídias digitais.

Outro marco na história da gravadora foi, em 2009, após mais de 20 anos na Som Livre, a assinatura com a cantora infantil Xuxa. Em um contrato de três anos com a Sony Music, a parceria foi renovada por mais dois anos e a artista permaneceu no cast da gravadora até 2014. Em cinco anos, a Sony lançou quatro álbuns da Rainha dos Baixinhos: “Natal Mágico”, “Baixinhos, Bichinhos e Mais”, “XSPB 11” e “É Pra Dançar” - os dois últimos concorreram ao Grammy Latino na categoria de "Melhor Álbum Infantil".

Em 2010, a Sony Music Brasil lançou um departamento evangélico, dedicado à música cristã contemporânea brasileira. A gravadora contratou Maurício Soares, produtor que trabalhava há mais de 22 anos no mercado musical evangélico, para atuar como diretor do selo. O primeiro grupo musical contratado pela Sony foi a banda Resgate, que lançou, pela gravadora, o primeiro álbum do selo, “Ainda não É o Último”. Depois, a gravadora contratou consagrados nomes da cena Gospel, como Aline Barros, Priscilla Alcantara, Mariana Valadão, Lito Atalaia, Leonardo Gonçalves, Lydia Moisés, Carlinhos Felix, Cristina Mel, entre outros. [carece de fontes?]

No ano de 2012, o padre Marcelo Rossi, que ainda é parte do cast principal da Sony Music Brasil, teve dois álbuns entre os cinco mais vendidos do Brasil. [carece de fontes?]

No ano seguinte, em 2013, os álbuns "Já Deu Tudo Certo", do religioso, e "Remixed", de Roberto Carlos, foram os mais vendidos, de acordo com a Pró-Música Brasil (antiga ABPD). [carece de fontes?]

Desde 2015, a companhia é presidida pelo português Paulo Junqueiro. Nascido em Coimbra, ele iniciou a carreira na música ainda na Europa, aos 21 anos, como assistente de estúdio. Após uma passagem por São Paulo, onde atuou como técnico de som em estúdio e shows, em 1986, foi convidado para trabalhar no estúdio Nas Nuvens, no Rio de Janeiro, onde começou a produzir discos. Sete anos depois, criou um dos primeiros estúdios de masterização do país, o Magic Master e, em 1994, assumiu o posto de Diretor Artístico da Warner Music Brasil. Entre 1998 e 2012, atuou nas posições de Diretor Artístico e de Marketing da EMI, no Brasil e em Portugal. De volta ao país de origem, tornou-se Diretor-Geral da Sony Music Portugal, sendo também mentor da 1ª edição portuguesa do programa de TV X-Factor. Como presidente da Sony Music Brasil, conta, através dos projetos que produziu e gravou, com 44 discos de ouro, 21 discos de platina, 11 discos multiplatina e o Grammy Award de “Melhor Álbum de World Music”, em 1998, pela produção do álbum “Quanta Live”, de Gilberto Gil.

Também fazem parte do time de executivos da Sony Music Brasil:

Wilson LannesSenior Vice President

Bruno Batista e Renê JuniorDiretores de A&R

Cristiane SimõesDiretora de Marketing & Promoção

Claudia BoechatDiretora de Business Affairs

Maria Clara GuimarãesGerente Comercial

Euclydes OliveiraDiretor Financeiro

De acordo com o último levantamento da Pró Música, divulgado em 2018, a Sony Music Brasil é a gravadora líder de vendas no país.

Em março de 2021, a Sony Music Brasil assinou a famosa banda de rock dos anos 90 Charlie Brown Jr. (que já estiveram na gravadora entre 2009 e 2011), e lançou no dia 13 de julho (Dia Mundial do Rock), o álbum ao vivo Chegou Quem Faltava, gravado originalmente em um show feito pela banda no dia 19 de março de 2011 no extinto Citibank Hall, em São Paulo.

Aquisição da Som Livre[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2021, a Sony Music anuncia a compra da gravadora Som Livre do Grupo Globo por aproximadamente R$1,43 bilhão, trazendo um grande catálogo de artistas para a Sony Music.[3][4][5]

Em novembro de 2021, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou em definitivo a aquisição do selo. A previsão é que a Sony Music assuma a Som Livre totalmente no início de 2022.

Artistas[editar | editar código-fonte]

Cast Sony Music

Cast Sony Music Gospel

Cast Sony Music e Day 1

Cast Sony Projects

Subsidiárias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Paulo Passos (29 de agosto de 2012). «Copa de 2014 terá música-tema em português e prioridade para artistas de patrocinador da Fifa». UOL Copa. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  2. «Sony diz que vai processar Tiririca por parodiar Roberto Carlos: 'Afronta'». G1. 21 de agosto de 2014. Consultado em 7 de maio de 2016 
  3. «Sony Music Entertainment to Acquire Brazilian Independent Music Company Som Livre - Sony Music». Sony Music Entertainment (em inglês). 1 de abril de 2021. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  4. «Som Livre é vendida pela Globo para a Sony Music». G1. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  5. «Venda da Som Livre para Sony por R$ 1,43 bilhão é aprovada pelo Cade». POPline. 12 de novembro de 2021. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  6. https://blog.portalt5.com.br/nemteconto/2020/07/17/apos-25-anos-fernanda-brum-deixa-mk-music-e-fecha-contrato-com-a-sony-music-confira/
  7. «HUB Records se torna o selo oficial de música eletrônica da Sony no Brasil». Phouse. 20 de julho de 2017. Consultado em 9 de agosto de 2017 
  8. «EXCLUSIVO: conheça o HUB Lab, novo selo do HUB Music Group». Sonzeira. 22 de abril de 2018. Consultado em 27 de abril de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre gravadoras brasileiras é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.