Sony Music Entertainment

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sony Music Entertainment
Sony Music Entertainment.png
Razão social Sony Music Entertainment, Inc.
Fundação 1929 (88 anos)
Fundador(es) Ben McCliff
Tom Aedo
Sede Estados Unidos 550 Madison Avenue
New York, NY
Proprietário(s) Sony Corporation
Pessoas-chave Doug Morris, Edgar Berger, Kevin Kelleher, Beyoncé
Renda líquida Prejuízo 11% US$5.33 bilhões (2009)[1]
Antecessora(s) American Record Corporation (1929–1938)

Columbia/CBS Records (1938–1991)
Sony Music Marketing Special (1991–2004)
Sony BMG (2004–2008)

Website oficial sonymusic.com (Internacional)
sonymusic.com.br (Brasil)
sonymusic.pt (Portugal)

SONY Music Entertainment (ou SME, embora mais conhecida como SONY Music) é, desde 1960, a MAIOR GRAVADORA da indústria fonográfica mundial.[2][3]

A SONY Music pertence à SONY Corporation of America, uma subsidiária do conglomerado japonês SONY Corporation. Por entre os selos da SONY Corporation estão a CBS Records, Columbia Records, Jive Records, Epic Records, Arista Records, Essential Records, Flicker Records, GospoCentric, Legacy Recordings, Masterworks, Sony Classical, Sony Music Latin, Star Time International, Verity Records, Volcano Entertainment, RCA Records, entre outros.

Paulo Junqueiro é o presidente da Sony Music Brasil[4] e Paula Homem é a directora geral da Sony Music Portugal.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A Sony Music foi fundada em 1888 como Columbia Phonograph Company.

Logotipo da Sony Music (após a Columbia Phonograph Company).

Em 1938 a American Record Corporation (ARC), da qual a Columbia fazia parte, foi comprada pelo fundador do Columbia Broadcasting System (CBS) William S. Faley.

A Discos Columbia iniciou suas atividades no Brasil na década de 1930, na década de 1960, mudou de nome para Discos CBS, e a Sony Corporation iniciou suas atividades no país em 1962.[6]

Em 1988/ 1989, a Sony Corporation comprou a CBS e a rebatizou como Sony Music Marketing Special, quatro anos depois.

Em 2002, foi lançada a Syco Entertainment, uma joint venture entre Simon Cowell, apresentador e produtor Inglês e a Sony Music Entertainment. A Syco Entertainment lançou artistas como One Direction, Paul Potts, JLS, Olly Mirs, Rebecca Ferguson e Leona Lewis, programas musicais como Got Talent e talent shows como The X Factor.[7][8]

A Sony Music fundiu-se com a gravadora Bertelsmann Music Group (BMG), criando a Sony BMG Music Entertainment em 2004. A Sony BMG se tornou a maior gravadora do Brasil, com 28.6% do mercado e mais de 56 artistas nacionais.[9] Em julho de 2009, a Sony Music investiu na Independent Online Distribution Alliance (IODA), uma empresa de distribuição digital para a comunidade de música independente global.[10] Em maio de 2012, o IODA se uniu à The Orchand, distribuidora alternativa de vídeo, música e cinema. Após a junção, as empresas mantiveram o nome The Orchand e a Sony Music passou a adquirir 50% do grupo.[11] No mesmo ano, a Sony Music em parceria com a Universal Music Group, o Google e a Abu Dhabi Media criaram a Vevo, um site de vídeos de artistas das gravadoras.[12] No ano seguinte, a Sony Music foi patrocinadora oficial da Copa do Mundo FIFA de 2010 e lançou dois álbuns de trilhas sonoras, um com músicas nacionais e outro com músicas internacionais para a Copa das Confederações FIFA e a Copa do Mundo da FIFA.[13] Em 2012, a Sony lançou o Som É Sony, plataforma social para música em parceria com a Sony Brasil. As informações e notícias sobre os artistas nacionais e internacionais da Sony Music foram disponibilizadas na plataforma, além de áudios, vídeos, conteúdos para download e promoções.[14][15] A plataforma Som É Sony também irá fornecer disputas de videogames entre fãs e artistas.[16]

A Sony Music também foi patrocinadora oficial da Copa do Mundo FIFA de 2014, e lançou a música oficial do evento, We Are One (Ole Ola), gravada pelo rapper Pitbull e as cantoras Jennifer Lopez e Cláudia Leite e o álbum oficial, One Love: One Rhythm.[17][18] A Sony Music, em parceria com a FIFA, lançou o concurso mundial SuperSong, onde compositores enviaram suas composições para fazer parte da trilha sonora oficial da Copa do Mundo de 2014. A música vencedora do SuperSong, "Vida" foi escrita por Elijah King e gravada pelo cantor Ricky Martin.[19] A canção vencedora foi incluída no álbum oficial da Copa do Mundo 2014. O vídeo da música "Vida", segunda música da Copa do Mundo de Martin, foi filmado no Brasil em março de 2014 e exibido em um especial de TV da Sony Pictures.[20]

No mesmo ano, em 2014, a Sony Music Entertainment investiu 3 milhões de dólares na Shazam Entertainment, dona do Shazam, aplicativo de reconhecimento de músicas.[21] A Sony Music possui artistas de diversos estilos musicais. Entre eles, Bob Dylan, Shakira, Foo Fighters, Beyoncé, AC/DC, One Direction, Usher e Ricky Martin.[17] A gravadora também já trabalhou com artistas como Michael Jackson e Elvis Presley.[22] O maior sucesso da Sony Music foi o álbum Thriller, de Michael Jackson, que alcançou 100 milhões de cópias em todo o mundo.[23]

Day 1 Entertainment Brasil[editar | editar código-fonte]

A Day 1 Entertainment Brasil é uma produtora do grupo Sony Music e atua nas áreas de management e projetos especiais. A produtora também é encarregada em descobrir, investir e representar carreiras artísticas, músicas digitais e eventos. A produtora foi responsável pela vinda da banda Franz Ferdinand em 2010 no Brasil.[24] No ano seguinte, em 2011, a Day 1 foi organizadora do Festival Telefônica Sonidos, festival de música brasileira e latina em São Paulo.[4][25]

Selo Digital[editar | editar código-fonte]

Em 2013, a Sony Music criou um selo de distribuição responsável pela distribuição dos álbuns dos artistas da gravadora exclusivamente em formatos digitais. Os álbuns e singles são lançados no iTunes, Spotify, VEVO, entre outros serviços de música digital.[26] O cast digital inclui projetos com a banda Gram e as duplas sertanejas Pedro Paulo & Alex e Hugo & Tiago.[27][28] O Selo Digital também é responsável pela digitalização de catálogos antes não disponíveis em ambientes digitais. A banda Roupa Nova lançou pela primeira vez nas lojas digitais e no serviço de vídeos de música VEVO álbuns de sucesso como “RoupaAcústico”. (Wikipedia RoupaAcústico)

A Maior Gravadora Fonográfica do Mundo[editar | editar código-fonte]

Em 1995, a SONY criou a SONY/ATV Music Publishing em parceria com Michael Jackson, na qual a compania foi dividida em 50% para SONY Corporation e 50% para Michal Jackson.

A SONY comprou os 50% restantes da parte de Michael Jackson em 2016 e, por tanto, passou a ser a companhia de publicação de músicas número 1 (maior do mundo), recebendo até mesmo o ofício de publicar músicas que a Universal Music não dê conta de publicar tão rapidamente, no âmbito de distribuição de mídias físicas (SONY CD, SONY DVD e SONY Blu-ray) mundialmente.

Além de tudo, com a compra, a SONY passou a possuir o maior catálogo de músicas do mundo, considerando que todo o catálogo da falida EMI Records havia sido adquirida pela SONY/ATV Music Publishing.[2][3]

Tratando-se da EMI, a falida gravadora foi 'dividida' entre SONY Music e Universal Music.

A divisão foi feita da seguinte forma:

  • SONY Music comprou 100% de todo o catálogo de músicas de todos os artistas da EMI, enquanto isso, a Universal Music ficou com os direitos da Marca EMI, isto é, para dar continuidade a marca (que é muito renomada na EUROPA), basicamente uma forma de produzir e distribuir músicas da Universal Music com nome EMI, aumentando, assim, as vendas da Universal Music na EUROPA por utilizar um nome da renomada gravadora europeia, a EMI. Além disso a Universal Music também havia adquirido os prédios e estúdios de gravação de áudio da falida gravadora EMI e posteriormente os vendeu para a Warner Music.
  • A conclusão da venda da EMI culminou no dia 28 de Setembro de 2012, porém, como a Universal Music deu continuidade a EMI, todos os artistas da EMI acabaram permanecendo na gravadora EMI, que esta sendo revivida pela Universal Music, e com isso, agora todos esses artistas fazem parte da Universal Music, porém, todas as músicas de todos esses artistas publicadas até 28 de Setembro de 2012 pertencem a SONY Music em direitos autorais.

A SONY, por tanto, desde 28 de Setembro de 2012, através da SONY/ATV Music Publishing, a SONY Music é dona do maior catálogo de músicas do mundo (em direitos autorais), além de deter todo o catálogo de The Beatles, além dos catálogos de Michael Jackson e Elvis Presley, e claro, de todas as músicas dos artistas da falida EMI, cujas músicas tenham sido publicadas até 28 de Setembro de 2012 (do dia 29 de Setembro de 2012 em diante, todas as novas músicas de todos os artistas da EMI passam a pertencer ao catálogo da Universal Music).

Artistas[editar | editar código-fonte]

Na Argentina[editar | editar código-fonte]

Em Angola[editar | editar código-fonte]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Tailândia[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sony Music Brasil

Referências

  1. «Sony Music Revenues Drop 11%». Billboard.biz. Consultado em 19 de setembro de 2011 
  2. a b «De Beatles a Rihanna: SONY compra parte de Michael Jackson em selo da SONY/ATV Music Publishing». O Globo. 15 de março de 2016 
  3. a b «SONY compra parte que herdeiros de Michael Jackson têm na SONY/ATV Music Publishing». Música. 15 de março de 2016 
  4. a b Camila Toledo (2 de Agosto de 2011). «Música latina com pitadas de português». Meio e Mensagem. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  5. 1.5 milhões de álbuns vendidos em Portugal: Roberto Carlos recebe galardão de carreira in Jornal Destak, 17-05-2015
  6. «A Saga De Um Imperio». Estadão. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  7. Mark Sweney (19 de janeiro de 2010). «Sony confirms Simon Cowell joint venture – which will include X Factor» (em English). The Guardian. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  8. «SFX, Simon Cowell's Syco Entertainment and T-Mobile Take the Wraps Off a Groundbreaking Music Show "ULTIMATE DJ"». T-Mobile. 29 de abril de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  9. Thiago Ney (25 de março de 2005). «Presidente da Sony BMG aponta fusão como resultado da crise na produção musical». Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  10. «Sony Music se une a IODA para criar rede digital de distribuicao». Estadão. 1 de julho de 2009. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  11. «Sony Merges The Orchard & IODA As Digital Music Consolidation Continues» (em English). Hypebot. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  12. «Web vai de vila heroina da musica». Valor Ecômico. 5 de novembro de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  13. Luis Paulo Montes e Paulo Passos (28 de junho de 2013). «Estádios ainda têm Waka-Waka e exclusividade de gravadora parceira da Fifa». UOL Copa. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  14. «Sony aposta em plataformamusical para fãs» (PDF). Brasil Econômico. 29 de julho de 2012. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  15. Carol Nogueira (18 de agosto de 2012). «Música digital dispara no país e VEJA testa os serviços». Veja. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  16. «Sony desenvolve plataforma social para aumentar interação entre fãs e artistas». Virgula. 8 de setembro de 2012. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  17. a b Paulo Passos (29 de agosto de 2012). «Copa de 2014 terá música-tema em português e prioridade para artistas de patrocinador da Fifa». UOL Copa. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  18. «Fifa divulga música oficial e músicas do disco da Copa, com 'Lepo lepo'». G1. 8 de abril de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  19. «Ricky Martin será jurado de concurso que escolherá música para Copa de 2014». Virgula. 15 de novembro de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  20. Judy Cantor-Navas (10 de fevereiro de 2014). «Ricky Martin's World Cup Song Written By Elijah King; Salaam Remi to Produce» (em English). Billboard. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  21. «Sony Music investe US$3 milhões no aplicativo Shazam». Exame. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  22. «Elvis Presley sem amarras». Valor Economico. 23 de agosto de 2013. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  23. «Thriller recebe certificado por 100 milhões de cópias vendidas». Billboard Brazil. 15 de abril de 2015. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  24. «Franz Ferdinand anuncia turnê brasileira em março de 2010». UOL. 30 de setembro de 2009. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  25. Leila Cobo (13=9=2013). «Day 1 Entertainment Brazil Lines Up New Festival». Billboard. Consultado em 20 de fevereiro de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  26. «Sony Music lança selo digital para novos artistas». Gospel Prime. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  27. André Piunti (20 de novembro de 2013). «Hugo e Tiago anunciam parceria com a Sony Music». UOL. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 
  28. André Felipe de Medeiros (30 de setembro de 2014). «Gram Lanca Primeiro Clipe Do Disco "outro seu"». MTV. Consultado em 20 de fevereiro de 2015 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.