Soraya Thronicke

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Soraya Vieira Thronicke
Senadora por Mato Grosso do Sul
Período 1 de fevereiro de 2019 até
a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 1 de junho de 1973 (49 anos)
Dourados, Mato Grosso do Sul
Alma mater Unaes
Prêmio(s) Medalha do Pacificador[1]
Partido NOVO (2017-2018)
PSL (2018-2022)
UNIÃO (2022-presente)
Profissão advogada
linkWP:PPO#Brasil

Soraya Vieira Thronicke (Dourados, 1 de junho de 1973) é uma advogada e política brasileira, filiada ao União Brasil (UNIÃO).[2] Soraya elegeu-se no pleito de 2018 para o cargo de senadora pelo estado do Mato Grosso do Sul.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de alemães,[4] Soraya Thronicke nasceu na cidade de Dourados em 1 de junho de 1973 e foi criada em Campo Grande. A então senadora é proprietária, junto com sua família, de uma rede de motéis no Mato Grosso do Sul.[5] Entretanto, Soraya ficou conhecida por atuar em movimentos de rua desde 2013 e por ações que moveu contra políticos e empresas.[3]

A política graduou-se em Direito pela UNAES Faculdade de Campo Grande (2002) e em MBA em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (2006). Soraya pós-graduou-se em Direito Tributário e em Direito de Família e Sucessões pela Faculdade de Direito Professor Damásio de Jesus, e atua nesta área na empresa Cabral Gomes e Thronicke Advogados Associados.[6]

Trajetória política e posicionamentos[editar | editar código-fonte]

Soraya Thronicke elegeu-se como senadora pelo Mato Grosso do Sul nas eleições de 2018, alcançando 16,19% dos votos válidos.[2] O posicionamento político em que a própria senadora se coloca é referido como uma base conservadora nos costumes e liberal na economia.[7]

Eleita com base na influência do presidente Jair Bolsonaro, Soraya apoiou uma das principais pautas do chefe do executivo, que é a defesa do porte de armas.[8] O apoio político da senadora também vai ao encontro de propostas que sustentam o endurecimento da legislação penal e o combate contra a corrupção e a violência no Brasil.[3]

Além disso, autodeclarada defensora do direito à propriedade privada,[3] no início de seu mandado, em fevereiro de 2019, Soraya foi eleita presidente da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) até 2021. O posicionamento da senadora colocou-a em conflito com a ex-candidata à vice-presidência da República, Sônia Guajajara, em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado, com a temática de saúde indígena, quando a senadora discorreu sobre questões indígenas e direito a terras.[9][10]

Em entrevista para o jornal O Globo, em relação a pauta sobre mulheres, a senadora colocou que sua política terá "viés feminino e não feminista". Diante da alegação, Soraya se posicionou diante uma postura conservadora de defesa contra o aborto, contra a liberação das drogas e a favor da manutenção da família, defendendo também a entrada de mulheres homossexuais na política.[11] Apesar de seguir em uma base conservadora, a senadora se opõe à homofobia, reconhece a união homoafetiva e defende que os homossexuais tenham o direito de constituir a sua própria família, com os mesmos direitos e deveres dos demais cidadãos.[4] Além disso, junto à senadora, que é presidente do PSL Mulher, outras parlamentares como Soraya Manato e Alê Silva, posicionaram-se a favor da cota para mulheres na política, prefiguradas na Lei Eleitoral desde 2009. Na defesa, cita-se a necessidade de cumprimento da Lei pelos partidos políticos e o fim de candidaturas laranjas para o cumprimento da cota, desmascarando e derrotando processos de fraude nos trâmites eleitorais.[12]

Candidatura à Presidência da República[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de agosto de 2022, o União Brasil anunciou sua pré-candidatura à Presidência da República pelo partido, nas eleições presidenciais de 2022.[13]

Referências

  1. «Boletim do Exército do Brasil de julho de 2019». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 10 de setembro de 2020 
  2. a b Gazeta do Povo 2018.
  3. a b c d G1/MS 2018.
  4. a b Brandalise 2019.
  5. Pavão 2015.
  6. Escavador 2019.
  7. Coletta & Benites 2018.
  8. Sudré 2018.
  9. RBA 2019.
  10. Senado Federal 2019.
  11. Megale 2019.
  12. Fernandes 2019.
  13. «União Brasil anuncia Senadora Soraya Thronicke». Folha de São Paulo. Consultado em 3 de agosto de 2022 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]