Saltar para o conteúdo

Soushen Ji

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Capa de uma edição impressa de 1937 de Soushen Ji (volume 1)
Páginas de uma edição impressa de Soushen Ji do período Wanli da dinastia Ming.

Soushen Ji[1] é uma coleção chinesa de lendas, contos curtos e boatos sobre deuses chineses, fantasmas chineses e outros fenômenos sobrenaturais. Acredita-se que tenha sido escrito e compilado por Gan Bao, um historiador na corte do imperador Yuan da dinastia Jin, por volta do ano 350 d.C. O livro geralmente consiste de quatrocentos e sessenta e quatro histórias.

Histórias[editar | editar código-fonte]

As histórias do Soushen Ji são variadas e envolvem deuses, fantasmas, imortais, demônios, animais mágicos e outros fenômenos estranhos. Algumas histórias notáveis incluem:

  • Gan Jiang Mo Xie (干將莫邪) – sobre dois famosos ferreiros que criaram espadas mágicas;
  • Wu Wang Xiao Nü (吳王小女) – sobre uma princesa que se casou com um dragão;
  • Li Ji Zhan She (李寄斬蛇) – sobre uma mulher que matou uma serpente gigante, semelhante à lenda de Chen Jinggu;[2][3][4][5][6]
  • Han Bing Fufu (韓憑夫婦) – sobre um casal que se comunicava com o espírito de seu filho morto.

A coleção também contém várias histórias de uma donzela Cisne [en] (ou noiva Celestial) que se casou com um homem mortal.[7]

Legado[editar | editar código-fonte]

O legado do Soushen Ji é grande na literatura chinesa, especialmente no gênero de Zhiguai xiaoshuo, que são histórias sobre eventos extraordinários e sobrenaturais. A coleção foi uma das primeiras e mais influentes obras desse gênero, e inspirou muitos outros escritores posteriores, como Pu Songling, que elogiou o trabalho de Gan Bao como superior ao seu próprio, o famoso Liaozhai Zhiyi. O Soushen Ji também reflete a cultura e a religião chinesas da época, mostrando as crenças e as práticas sobre deuses, fantasmas, imortais, destino, reencarnação e moralidade

Referências

  1. Puglia, Francesca. «Soushen ji 搜神記». UBC Library Open Collections 
  2. Gan Bao. In Search of the Supernatural: The Written Record, translated into English by Kenneth J. DeWoskin and James Irving Crump. Stanford University Press, 1996. pp. 230-231. ISBN 0-8047-2506-3
  3. Maeth Ch., Russell (1990). «El cuento de li ji». Estudios de Asia y Africa. 25 (3): 537–539. JSTOR 40312235 
  4. Journey of a Goddess: Chen Jinggu Subdues the Snake Demon. Translated, edited, and with an introduction by Fan Pen Li Chen. Albany, New York: State University of New York Press. 2017. p. 31. ISBN 978-14384-6-7078
  5. Idema, Wilt L. Personal Salvation and Filial Piety: Two Precious Scroll Narratives of Guanyin and Her Acolytes. University of Hawai'i Press. 2008. p. 205. ISBN 978-0-8248-3215-5
  6. He, Saihanjula (2000). Critical fantasies: structure of Chinese folk tales (Tese). OCLC 44808453 
  7. Hsieh, Daniel. Love and Women in Early Chinese Fiction. The Chinese University Press. 2008. pp. 123-136. ISBN 978-962-996-305-7

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Xie, Wenjuan (2014). «Encountering Ghost Princesses in Sou Shen Ji: Rereading Classical Chinese Ghost Wife Zhiguai Tales». Unsettling Assumptions: Tradition, Gender, Drag. [S.l.]: Editora Universitária de Colorado. pp. 244–260. ISBN 978-0-87421-897-8. JSTOR j.ctt83jj2k.18