Soyuz TMA-10

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Soyuz TMA-10
Insígnia da missão
Sinal de chamada Иртыш ("Epmic")
Estatísticas da missão
Número de tripulantes 3
Lançamento 7 de abril de 2007
17:31 UTC
Baikonur LCl
Aterrissagem 21 de outubro de 2007
10:31 UTC
Duração 196 dias, 17 horas
Imagem da tripulação
Soyuz tma 10 crew.jpg
Navegação
Soyuz TMA-9 Patch.png Soyuz TMA-9
Soyuz TMA-11 Soyuz TMA-11 Patch.png

Soyuz TMA-10 foi uma missão espacial da nave russa modelo Soyuz-TMA, usada para transporte de cosmonautas da Terra até a Estação Espacial Internacional, como parte da Expedição 15 de NASA e da Agência Espacial Russa, para habitação e experiências a bordo da estação orbital de construção conjunta.

Tripulação[editar | editar código-fonte]

Tripulação lançada na Soyuz TMA-10

Tripulação retornada na Soyuz TMA-10

Missão[editar | editar código-fonte]

A espaçonave foi lançada do Cosmódromo de Baikonur na tarde de 7 de abril de 2007, levando dois integrantes da Expedição 15 além de um turista espacial, o empresário norte-americano Charles Simonyi. Ela acoplou-se à ISS em 9 de abril, após dois dias de voo livre em órbita, e permaneceu ligada à estação, como nave de escape de emergência, até outubro, quando foi substituída pela Soyuz TMA-11.

Os dois cosmonautas russos da TMA-10, o comandante Oleg Kotov e o engenheiro de voo Fyodor Yurchikhin, permaneceram seis meses em órbita na ISS como parte da Expedição 15, enquanto o empresário-cosmonauta Simonyi retornava em 21 de abril, 12 dias após o lançamento, a bordo da nave da missão anterior, a Soyuz TMA-9, que cumpria seu período de permanência em órbita.

Durante a missão, Kotov e Yurchikhin passaram cerca de cinco horas em trabalhos fora da Estação, para instalação de escudos protetores à detritos espaciais na ISS.

No retorno à Terra em 21 de outubro de 2007, a TMA-10 reentrou na atmosfera usando uma trajetória balística, que causou sua aterrissagem a 340 km oeste do ponto previsto para pouso no Cazaquistão. Os tripulantes comunicaram ao controle em Baikonur que estavam usando este tipo de trajetória pouco antes do blackout nas comunicações, que sempre ocorre quando as naves espaciais reentram na atmosfera terrestre.

A razão para isto será investigada, já que esta trajetória é usada como opção reserva quando algo falha na nave durante a reentrada normal. Este tipo de trajetória só havia sido usada uma vez, durante a missão Soyuz TMA-1, que trouxe de volta os integrantes da Expedição 6, em maio de 2003.

Ver também[editar | editar código-fonte]