Sport Club Itapuí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Itapuí, veja Itapuí (desambiguação).
Itapuí
SCItapuí.png
Nome Sport Club Itapuí
Alcunhas Rubro-negro Guaibense
Torcedor/Adepto Itapuiense
Fundação 23 de julho de 1926 (92 anos)
Estádio Cinamomos
Presidente Brasil Nelson Ferreira
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

O Sport Club Itapuí é um clube brasileiro de futebol, da cidade de Guaíba, no estado do Rio Grande do Sul. Suas cores são preto e vermelho.

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

O Itapuí foi fundado no dia 23 de julho de 1926,[1] sob a denominação Sport Club Itapuhy no Centro de Guaíba, quando a cidade ainda era distrito de Porto Alegre e tinha o nome de Vila das Pedras Brancas. A reunião de fundação ocorreu no salão de honra do Clube dos Mandins. Estiveram presentes na reunião: Telmo Silva e seu filho Carlos Silva, Calil Elias, Florisbello Santos, Arthuro Laviaguerre, Artur Oscar Riegel, Joaquim José da Silva, Aldemiro Fachineti, Alfredo Machado, Newton Cruz, Mario Miranda, Enio Paiva, Moacyr Azambuja, Nicanor Leite, Pedro Rodrigues, Nicodemo Kopizinski, Euclydes Ávila, Maurício Lessa, Octaviano Martins, Olympio Carneiro e Walter Franz.

A primeira diretoria do Itapuí ficou assim estabelecida:

  • Presidente: Telmo de Azeredo e Silva
  • Vice-presidente: Calil Elias
  • Primeiro secretário: Walter Furtado Franz
  • Segundo secretário: Florisbello Santos
  • Primeiro tesoureiro: João Baptista Fróes Salgado
  • Segundo tesoureiro: Enio Paiva
  • Orador: Octaviano M. de Oliveira Junior
  • Diretor de campo: Artur Oscar Riegel
  • Capitão geral: Arthur Laviaguerre
  • Capitão do 1º Team: Aldemiro Fachineti
  • Guarda-sport: Joaquim José da Silva
  • Comissão fiscal: Poly Machado, Tenente Silvino Gomes, Alfredo Machado e Maurício Lessa.

O nome Itapuí, sugerido pelo primeiro presidente Telmo Silva, é oriundo do tupi e significa "pedra branca", denominação dada à cidade de Guaíba na época. Alguns dos fundadores pertenciam ao extinto clube Marechal Floriano, o qual era alvi-rubro. Arthuro Laviaguerre sugeriu que o Itapuí mantivesse o vermelho, porém adotando a cor preta, no lugar da branca. Foi definido também, na reunião de fundação, que somente jogadores que residiam da cidade pudessem jogar no clube.

O Itapuí alugou um terreno na rua Gaspar Martins, de propriedade do comerciante Oscar Azevedo, por quarenta mil réis mensais, para a realização de seus jogos.

Disputa estadual[editar | editar código-fonte]

Em abril de 1927, filiou-se à Federação Rio-Grandense de Futebol (FRGD). No mesmo ano, participaria pela primeira vez do Campeonato Gaúcho, cuja fase inicial era disputada em eliminatórias regionais, dividida em nove zonas.

Na decisão da Zona Centro, enfrentou o Sport Club Internacional, campeão de Porto Alegre, que curiosamente servira de inspiração para o desenvolvimento do distintivo do Itapuí. Porém, a partida, realizada no dia 14 de agosto, na Chácara dos Eucaliptos, acabou valendo como um simples amistoso. O motivo é que o Itapuí não poderia utilizar o seu capitão Nona, já que ele havia disputado partidas oficiais pelo São José naquele ano. Contrariando o regulamento, que vedava a atuação do atleta no confronto, o Itapuí entrou em campo com Nona, porém aceitou entregar os pontos da partida ao Internacional. O Itapuí perdeu a partida por 3 a 0 (gols de Barros, Ross e Ribeiro) e entrou em campo com a seguinte escalação: Fachinetti; Mário e Júlio; Gentil, Arthuro e Figueiredo; Andriotti, Nona, Lessa, Gradim e Gabriel.

Em 1928, o Itapuí esteve mais uma vez na decisão da Zona Centro. O adversário desta vez foi o Americano. A final, novamente disputada em Porto Alegre, em 7 de outubro, teve um placar parcial de 3 a 2 para o Itapuí (dois gols de Nona e um de Julio) na primeira etapa. Porém, o Americano virou o placar para 8 a 3 e garantiu presença no Campeonato Gaúcho (do qual foi o campeão).

Em meados de 1933, a diretoria do Itapuí, formada pelo presidente João de Araújo Lessa, auxiliado pelos vices Felipe Berbigier e João Fróes Salgado, iniciou uma tentativa de reestruturar o clube através de uma campanha de arrecadação de sócios na cidade. O Itapuí acabou comprando em definitivo, em março de 1936, o campo alugado por Oscar Azevedo, onde já mandava seus jogos. O dinheiro da compra foi obtido através da venda de ações a diretores, sócios e figuras ilustres de Guaíba. No local, foi construído o Estádio dos Cinamomos.

Em 1939, o Itapuí aplicou a maior goleada de sua história: 16 a 2 sobre a Associação Cristã de Moços, de Porto Alegre.

Surgimento do basquete e do ciclismo[editar | editar código-fonte]

O basquete começou a ser praticado no Itapuí no ano de 1938, quando, no dia 11 de setembro, foi inaugurada a cancha de basquete do clube. Constituída de soalho cimentado, situava-se próxima a uma das goleiras do campo de futebol e era separada deste por um paredão que fora construído em sua lateral.

Na inauguração, o Itapuí enfrentou a equipe do jornal Folha da Tarde. O jogo de confraternização era uma homenagem ao jornalista Amaro Júnior, integrante da equipe adversária e que emprestava seu nome à quadra. O segundo quadro do Itapuí venceu facilmente por 20 a 3. A equipe guaibense era formada por Ruy, Gama, Limeira, Pita e Oswaldo. Já a equipe principal venceu o confronto e conquistou o troféu "Casa Sport", que estava em disputa. Casado, Oswaldo, Tavares I, Tavares II e Walter foram os representantes do time de basquete principal do Itapuí.

Ainda na década de 30, surgiram os primeiros representantes do clube no ciclismo. O Itapuí chegou a inscrever três ciclistas para a maior prova da modalidade no Estado. Representaram o clube os atletas Pedro Gonzalez, Franklin Lopez e Reginaldo de Deus.

Domínio guaibense[editar | editar código-fonte]

Em 20 de setembro de 1940, o Itapuí passou a ter uma sede administrativa e social própria, ao adquirir a posse da sede do Clube de Xadrez da cidade, uma casa na avenida São José, onde já realizava reuniões da sua diretoria frequentemente.

Entre 1943 e 1946, o Itapuí alcançou a maior invencibilidade de sua história. Foram três anos sem perder uma única partida. A invencibilidade foi finalizada em 11 de agosto de 1946, quando o clube perdeu por 4 a 3 para o Departamento de Rendas Imobiliárias, de Porto Alegre, no Estádio dos Cinamomos. A equipe visitante contou com jogadores profissionais de clubes da primeira divisão estadual, como Viana, do Internacional, e Godô, Fontoura e Totino, do Nacional.

O Itapuí sagrou-se tetracampeão municipal, entre os anos de 1950 e 1953. A decisão do citadino de 1955 fora marcada por uma tragédia: o atleta Elzinho, do Itapuí, cai desacordado em campo, aos 25 minutos de jogo, e vem a falecer minutos depois. A partida é interrompida e realizada dias depois, com o Itapuí tendo de reiniciar a partida com dez jogadores, já que não havia substituição de jogadores na época. O Itapuí venceu o arquirrival Guaíba por 2 a 0 (gols de Tovo, de pênalti, e Raul) e conquistou o título.

O domínio do Itapuí na cidade persistiria até 1959, ano em que conquistou o pentacampeonato guaibense. Quatro títulos foram obtidos sobre o Guaíba e um sobre a Celupa, exatamente o último deles.

Campeão Estadual de Amadores[editar | editar código-fonte]

No Campeonato Estadual de Amadores de 1955, o Itapuí superou o 15 de Novembro de Campo Bom com uma vitória por 4 a 3 (gols de Guaraci, Marcelo, Melão e Raul para o Itapuí) em Guaíba e um empate sem gols na casa do adversário. Na fase seguinte, um duplo empate por 2 a 2 com o Arroio Grande adiou a decisão para um terceiro confronto, disputado em campo neutro. O local escolhido foi o Estádio Boca do Lobo, em Pelotas. O Itapuí sagrou-se campeão da Zona Sul do Estadual de Amadores no dia 9 de outubro, vencendo o Arroio Grande por 1 a 0, gol marcado por Melão.

O Itapuí decidiu uma vaga para o triangular final do torneio com o Geral, de Porto Alegre. O Itapuí perdeu o primeiro jogo, disputado no Estádio dos Eucaliptos, por 2 a 1, com gols de Melinho e Amarante para o Geral, e Maninho para o Itapuí. No segundo jogo, porém, realizado no Estádio da Timbaúva, a equipe guaibense venceu por 3 a 2, com gols de Marcelo, Raul e Maninho, e forçou a realização de uma terceira partida. No Estádio dos Cinamomos, vitória do Itapuí por 2 a 1, com gols de Marcelo e Raul para os guaibenses e de Fausto para a equipe da capital.

No triangular final da competição, Melão, Marcelo e Raul garantiram a vitória do Itapuí por 3 a 2 (Orgas marcou os gols do adversário) sobre o Quaraí e o Estadual de Amadores seria decidido com o Jaú, de Santo Antônio da Patrulha. No sábado do dia 26 de novembro, o Itapuí obtém o vice-campeonato estadual de amadores, após perder por 3 a 2 para o Jaú. Cará fez os gols do Jaú, enquanto Guaraci e Marcelo anotaram para o rubro-negro guaibense.

A redenção do Itapuí só viria no ano seguinte. O clube foi campeão guaibense, novamente Guaíba. O título foi obtido em um empate por 2 a 2, no dia 10 de junho de 1956. No Campeonato Estadual de Amadores, estreou com goleada por 4 a 1 Guarani, de São Jerônimo. Classificou-se à terceira fase do torneio com duas vitórias sobre a equipe do Sapiranga: 3 a 1 e 2 a 1. Sagrou-se novamente campeão da Zona Sul do Estadual de Amadores ao golear o Arroio Grande por 6 a 2 no primeiro confronto e empatar por 2 a 2 no segundo. Outra vez enfrentando o Geral, o Itapuí chegaria novamente ao triangular final, após empatar em 2 a 2 Estádio dos Cinamomos e vencer por 3 a 2 no Estádio da Chácara das Camélias.

Na primeira partida do triangular final, uma vitória de virada sobre o União Serrano, de Canela, por 3 a 2, no dia 30 de outubro. O empate entre o União Serrano e o Internacional de São Borja, ocorrido no dia 1º de novembro, foi suficiente para que o Itapuí entrasse em campo, em sua última partida na competição, dependendo apenas de um empate para se tornar o campeão. E foi o que aconteceu na tarde chuvosa do dia 4 de novembro, no Estádio da Montanha: 1 a 1 com o Internacional de São Borja, gols de Marcelo para o conjunto guaibense e Sanches para o Internacional. O Itapuí, treinado por Rebolo, conquistava o maior título de sua história. A equipe campeã estava formada por: Machado; Tovo e Jau; Juca, Paulo Scalco e Escariola; Guaraci, Melão, Marcelo, Maninho e Adãozinho.

Presidentes[editar | editar código-fonte]

  • 1927 – Telmo de Azeredo e Silva
  • 1928–1932 – Calil Elias
  • 1933–1936 – João de Araújo Lessa
  • 1937–1939 – Theobaldo Newman
  • 1940–? – Avelino Fraga

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

O principal rival do Itapuí é o Guaíba Futebol Clube‎.

Referências

  1. Sport Club Itapuí de Guaíba será homenageado na Assembléia Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, acessado em 18 de abril de 2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.